Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
05.06.19
ED. 6129

Caoa quer incentivos de todos lados

O empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade, dono do Grupo Caoa, estaria condicionando a compra da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo à garantia de benefícios fiscais tanto no âmbito estadual quanto do governo federal. A primeira parte já está “resolvida”: basta investir R$ 1 bilhão que a Caoa poderá se enquadrar no IncentivAuto, lançado por João Doria. A segunda, no entanto, é mais complexa. Não há previsão de que o Caoa atinja um grau de produção de componentes nacionais em São Bernardo que lhe permita se enquadrar no Rota 2030, o programa de incentivos do governo federal para a indústria automobilística tão criticado pelo setor.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.05.19
ED. 6112

Vaga para a Hyundai

Depois da GM e da Scania, agora é a Hyundai que negocia sua adesão ao IncentivAuto, o programa de incentivos fiscais lançado por João Doria para frear a carnificina de empregos no estado. A prenda para garantir os benefícios tributários é um investimento de pelo menos R$ 1 bilhão no estado. Os sul-coreanos têm uma fábrica própria em Piracicaba, que está fora da parceria com o Grupo Caoa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.04.19
ED. 6094

Grupo Caoa enxerga o Ministério Público no retrovisor

Como se não bastassem as acusações de Antonio Palocci de que o Grupo Caoa repassou propina ao filho de Lula, o Ministério Público de Goiás também está no encalço da montadora. Segundo informações filtradas do próprio MP-GO, os procuradores reuniram evidências de que a montadora, representante da marca Hyundai no Brasil, teria transferido recursos ilegais ao ex-governador Marconi Perillo em contrapartida à concessão de incentivos fiscais. De acordo com a fonte do RR, os supostos pagamentos teriam se intensificado em 2017, quando a Caoa anunciou um novo pacote de investimentos no estado para a produção de veículos da marca Chery.

O RR enviou uma sériemde perguntas à Caoa, mas a empresa não quis se pronunciar. O MP-GO informou que “Como desdobramento da ação já protocolada questionando a concessão de benefícios fiscais por lei de 2014, há algumas investigações em andamento, que tramitam em sigilo”. Disse ainda “que não há como confirmar o nome de nenhum investigado bem como o objeto da investigação”. O caso Caoa é um combustível a mais nas investigações contra Marconi Perillo por suposto favorecimento a empresas mediante renúncia fiscal.

Em fevereiro, o MP-GO pediu à Justiça o bloqueio de R$ 3,9 bilhões em bens de Perillo para cobrir supostos prejuízos causados aos cofres públicos ao isentar mais de mil companhias de pagar juros  dívidas com o próprio estado. Por meio de sua assessoria, o exgovernador Marconi Perillo informou que o “Programa de Recuperação Fiscal – Regulariza 2014 foi rigorosamente amparado pelas decisões do Confaz”. Afirmou ainda que todos os seus bens “estão devidamente declarados em seu Imposto de Renda, com valor total de R$ 6 milhões”. Em relação à Caoa, Perillo diz que a relação do estado de Goiás com a companhia “sempre se deu no nível institucional”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.09.17
ED. 5715

Palocci atropela Caoa

Nas tratativas para fechar sua delação, Antônio Palocci soltou o freio de mão e empurrou a Lava Jato na direção do Grupo Caoa. Segundo o RR apurou, o ex-ministro deu detalhes da consultoria prestada à montadora nos idos de 2012, por meio de sua empresa, a Projeto. De acordo com a mesma fonte, Palocci relatou ter intermediado o repasse ilegal de recursos para parlamentares com o objetivo de aprovar medidas de interesse da Caoa. O ex-ministro teria revelado ainda aos procuradores de Curitiba que quase assumiu a presidência da companhia justamente em 2012.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.05.17
ED. 5619

Palocci empurra Lava Jato na direção das montadoras

Assim como andou tirando o sono dos bancos, agora a possível delação de Antonio Palocci inquieta também as montadoras, que teriam participado de um suposto esquema de propina para a obtenção de benefícios fiscais. Segundo a fonte do RR, um dos operadores da indústria automobilística seria o empresário Carlos Alberto Oliveira Andrada, da Caoa. Ressalte-se que, de acordo com dados disponibilizados pela Receita Federal, o grupo desembolsou mais de R$ 12 milhões pelos serviços da Projeto, consultoria de Palocci. Os contratos foram firmados por meio de duas empresas – Hyundai Caoa do Brasil e Caoa Montadora de Veículos. Foi uma época bastante próspera para a Caoa. O RR entrou em contato com a Caoa, mas a empresa não quis se pronunciar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

O prefeito João Doria gostaria muito de ter Antonio Maciel Neto em sua equipe. A passagem do executivo pelo maculado Grupo Caoa, o empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade, não contaminou sua reputação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.12.16
ED. 5507

Pote de fel

Os próprios procuradores da Operação Acrônimo estão impressionados com o grau de rancor do delator Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, em relação ao empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade, do Grupo Caoa.

• As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Grupo Caoa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.11.16
ED. 5498

Risco Caoa

O próprio Antonio Maciel Neto está impressionado com o número de felicitações que vem recebendo após anunciar sua saída da presidência do Grupo Caoa. Os mais próximos fazem questão de registrar seu alívio

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.09.16
ED. 5455

Ano com sinal vermelho para Grupo Caoa

 Este promete ser um ano sofrido para Carlos Alberto de Oliveira Andrade. Citado nas Operações Zelotes e Acrônimo, o empresário também enfrenta problemas em seus negócios. Representante da Hyundai, o Grupo Caoa caminha para fechar 2016 no vermelho. A se confirmar, seria o primeiro prejuízo em mais de uma década. O Caoa disse que “a informação não procede”. O RR, então, insistiu algumas vezes na pergunta: “O Caoa, portanto, está operando com lucro?” O grupo não respondeu nem que sim nem que não.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.08.16
ED. 5439

Expertise

 Os procuradores da Lava Jato, que já viram de tudo, estão impressionados com os meticulosos conhecimentos do contador Roberto Trombetta sobre a criação de empresas offshore. Seus depoimentos são aulas magnas sobre o tema. Não custa lembrar, Trombetta é investigado também no caso dos Panamá Papers. Ele aparece na famosa papelada da Mossack Fonseca como dirigente de offshores de Carlos Alberto de Oliveira Andrade, do Grupo Caoa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.06.16
ED. 5388

Delator

 O ex-contador do Grupo Caoa e delator premiado da Zelotes Rodrigo Morales tem sido fundamental para mapear as relações entre o empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade e políticos do Centro-Oeste. A montadora tem uma fábrica em Anápolis (GO).

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.06.16
ED. 5380

Um delator no caminho da Caoa e da Mitsubishi

  Há um míssil apontado na direção de Eduardo de Souza Ramos, da Mitsubishi Motors, e Carlos Alberto de Oliveira, do Grupo Caoa. O lobista Mauro Marcondes, personagem central da Operação Zelotes, teria reaberto negociações com a Procuradoria Geral da República para um acordo de delação premiada. Em maio, Marcondes foi condenado, em primeira instância, a 11 anos e oito meses por conduzir um esquema de corrupção para a “venda” de Medidas Provisórias que favoreciam montadoras. Mitsubishi e Caoa são apontadas nas investigações como as principais beneficiadas. Entre 2009 e 2015, a consultoria de Marcondes teria recebido mais de R$ 70 milhões das duas empresas.  Em janeiro, Mauro Marcondes chegou a negociar um acordo de delação, mas, na hora H, recuou. De lá para cá, ganhou um forte motivo para entrar no confessionário da Zelotes. Assim como ele, sua mulher e sócia, Cristina Mautoni, foi condenada a seis anos e cinco meses, em regime semiaberto. Para o octogenário lobista, tão ou mais importante do que a própria liberdade é a possibilidade de redução da pena da esposa. Ressalte-se que o casal tem uma filha de 14 anos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.05.16
ED. 5371

Hyundai quer distância das sinuosas trilhas do Grupo Caoa

 A permissividade da Hyundai diante dos sucessivos escândalos protagonizados por Carlos Alberto de Oliveira Andrade, o “Caoa”, parece ter chegado ao limite. Para os sul-coreanos, está mais do que na hora de deixar o temerário sócio pelo caminho, romper a parceria com o Grupo Caoa – representante da montadora no país desde 2000 – e assumir integralmente seus negócios no mercado brasileiro. Segundo o RR apurou, o próprio planejamento estratégico da Hyundai Brasil para o próximo ano já contemplaria o fim do acordo com a Caoa. Mesmo porque o tempo em que a companhia asiática era dependente ou, mais do que isso, refém da estrutura industrial e comercial do parceiro ficou para trás. Nos últimos dois anos, a montadora criou uma operação que lhe permite trafegar com as próprias rodas no Brasil. Além da fábrica de Piracicaba (SP), a Hyundai montou uma rede de revenda com mais de 210 concessionárias, capazes não apenas de comercializar os veículos que saem da unidade paulista, mas também os modelos produzidos pela Caoa na planta industrial de Catalão (GO). Procurada pelo RR, a Hyundai informou que “não comenta detalhes estratégicos de seu relacionamento com parceiros comerciais, como é o caso do Grupo Caoa”. Por sua vez, a Caoa não se pronunciou.  A Hyundai quer se livrar do “Risco Caoa” antes que, por vias oblíquas, ela própria acabe sendo tragada pelo turbilhão de denúncias e acusações contra o empresário. Neste momento, estar ao lado de Carlos Alberto de Oliveira Andrade já é, por si só, uma ameaça à reputação de qualquer corporação. “Caoa” leva no bagageiro um sem-número de escândalos recentes. No âmbito da “Operação Acrônimo”, é suspeito de ter repassado R$ 2 milhões a Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, lobista ligado ao governador Fernando Pimentel, para assegurar a aprovação de Portaria favorável ao Grupo Caoa. O empresário também é figurinha carimbada na Zelotes, que, além do esquema de pagamento de propinas a integrantes do Carf, investiga a suposta compra de trechos de Medidas Provisórias de interesse da montadora.  Além da agenda policial, outro ponto estimula a Hyundai a romper a sociedade com a “Hyundai do B”: o próprio desempenho das duas operações. Comparativamente, os sul-coreanos têm sofrido menos com a crise da indústria automobilística do que o parceiro. Nos quatro primeiros meses do ano, as vendas da montadora asiática no Brasil caíram 20% em relação a igual período de 2015. No caso do Grupo Caoa, responsável pela produção de alguns modelos da Hyundai em Catalão, a trombada foi muito maior: a queda chega a 45%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.04.16
ED. 5356

Zelotes

 A CPI do Carf fecha o cerco aos empresários Carlos Alberto de Oliveira Andrade e Walter Faria. A comissão já solicitou a quebra dos sigilos bancário e fiscal dos donos do Grupo Caoa e da cervejaria Petrópolis .

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.04.16
ED. 5345

Onipresença

 Carlos Alberto de Oliveira Andrade, dono do Grupo Caoa, está no escândalo do BVA, na Operação Zelotes e no “Panama Papers”. Só falta a Lava Jato.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.