Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
24.01.18
ED. 5793

Redução de custo

Tradings candidatas ao leilão da Ferrogrão – entre elas Louis Dreyfus, Cargill, ADM e Amaggi – pressionam o governo por mudanças no traçado para reduzir o custo da aventura, hoje de R$ 13 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.01.18
ED. 5786

Cobradores à porta da Itamarati

Os credores das empresas do saudoso Olacyr de Moraes estão com a faca entre os dentes após o anúncio da venda da fazenda Itamarati Norte para o Grupo Amaggi. Os herdeiros do antigo Rei da Soja embolsaram uma bolada de R$ 2,2 bilhões pela propriedade de 105 mil hectares no Mato Grosso. Dá para cobrir com sobras as dívidas da Usina Itamarati – também pertencente aos sucessores de Moraes –, que estaria na casa de R$ 1 bilhão. Nos últimos anos, a família vem quitando antigos débitos deixados pelo patriarca na base do conta-gotas. Em abril do ano passado, por exemplo, uma fazenda menor dos Moraes, também no Mato Grosso, foi leiloada para o pagamento de dívidas com a norte-americana John Deere.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.09.17
ED. 5706

Um sobrenome que pesa para o Grupo Amaggi

A operação de busca e apreensão no apartamento de Blairo Maggi calou fundo no Grupo Amaggi, de propriedade do ministro e familiares. O clã tem discutido medidas para blindar seus negócios e evitar que eventuais desdobramentos das investigações respinguem na companhia. Tudo, ressalte-se, tem sido alinhado com Blairo. O maior fator de preocupação é o que pode estar por vir na delação de Silval Barbosa, ex-governador do Mato Grosso e ex-aliado do ministro da Agricultura. Conforme o RR informou na edição de 4 de setembro, nos depoimentos Silval aponta sua metralhadora na direção de grupos agropecuários com negócios no estado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.07.17
ED. 5669

Reino dos Maggi

Blairo Maggi tem sido pressionado pela família a não se candidatar em 2018. Os herdeiros o querem mais perto da gestão do Grupo Amaggi. Ou talvez mais longe da política. O busílis é convencê-lo a abrir mão de uma reeleição ao Senado, dada como certa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.02.17
ED. 5562

Troca de guarda

Discretamente, o Grupo Amaggi está semeando a passagem da gestão para a terceira geração da família. O eleito é Leonardo Maggi Ribeiro, sobrinho do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e atualmente no Conselho de Administração.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.11.16
ED. 5492

Cais do porto

Após ter recebido o sinal verde do Cade para a compra de 50% do Terminal Fronteira do Norte, o Grupo Amaggi – da família do ministro Blairo Maggi – vai deslanchar um pacote de investimentos da ordem de R$ 100 milhões no porto. Os outros 50% do terminal localizado em Barcarena (PA) pertencem à Bunge. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto:  Amaggi.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.04.16
ED. 5347

Amaggi troca o Brasil por outros campos

 Menos Brasil e mais mundo. Esta é a estratégia do Grupo Amaggi. O conglomerado agroindustrial comandado pelo senador Blairo Maggi e suas quatro irmãs pretende reduzir sua exposição ao risco Brasil com a venda de ativos locais e a gradativa transferência de investimentos para o exterior. Os planos do Amaggi passam pela construção de uma unidade de esmagamento de soja nos Estados Unidos e outra na Ásia, principais mercados internacionais do grupo. Hoje, a companhia tem apenas um ativo industrial fora do Brasil – uma planta de processamento na Noruega. A aposta internacional prevê também a expansão da atividade de trading, com a abertura de escritórios comerciais em locais estratégicos.  Do outro lado desta balança, a Amaggi pretende sair do negócio de energia, desfazendo-se de suas cinco usinas térmicas. Planeja também vender algumas de suas fazendas, reduzindo a produção própria de grãos. Segundo o RR apurou, com a alienação das termelétricas e de propriedades rurais, a família espera amealhar algo em torno de R$ 500 milhões, recursos que serão usados para financiar a expansão das operações internacionais. E lá se vai mais um grande grupo nacional a exportar divisas e postos de trabalho muito compreensivelmente em busca de hedge em moeda forte, acesso a crédito mais barato, busca de uma carga tributária mais palatável e redução dos custos de logística. Procurado pelo RR, o Grupo Amaggi não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.12.15
ED. 5271

Nova safra

 Na esteira da decisão do presidente Mauricio Macri, que reduziu a tributação sobre a exportação de grãos, o Grupo AMaggi já faz planos de retomar os investimentos na Argentina.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.11.15
ED. 5244

Hora errada

 Enquanto o senador Blairo Maggi pula do PR para o PMDB, o Grupo Amaggi decidiu permanecer no PSE, o “Partido dos Sem Etanol”. O Conselho vetou a construção de uma usina à base de milho no Mato Grosso. Não é hora de imobilizar US$ 150 milhões em um investimento de retorno tão incerto. A empresa não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.