fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
07.07.20

Pane seca

O GP Brasil deste ano já foi para o espaço por conta da pandemia. O desafio da Prefeitura de São Paulo agora é conseguir renovar o acordo com a Fórmula 1 para 2021.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.01.20

Garimpando

A GP está garimpando fintechs no mercado. Deve fechar já, já a compra de uma empresa de pagamentos eletrônicos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.10.19

Revival

O nome do ex-GP Carlos Medeiros tem sido bastante repetido nos corredores da própria gestora. Medeiros, que comandou a BR Malls por mais de uma década, estaria cotado para a voltar à GP e assumir os investimentos da empresas na área de real estate.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.07.19

GP prepara o bote sobre a Light

A GP está em tratativas avançadas para a compra da participação da Cemig na Light. Segundo uma fonte que participa das negociações, a operação seria dividida em dois atos – o primeiro, consumado na semana passada. A GP teria comprado um lote significativo de ações no follow-on da Light, oferta subsequente de ações que movimentou R$ 2 bilhões. O passo seguinte seria a incorporação da participação da Cemig, que caiu para aproximadamente 23% com o aumento de capital. Ao todo, a estatal mineira arrecadaria mais de R$ 4 bilhões. De acordo com a mesma fonte, a GP ficaria com mais de 35% da Light, o suficiente para transformá-la no maior acionista individual. A operação, ressalte-se, só poderá ser sacramentada em meados de outubro, quando se encerra o período de quarentena no qual os sócios da empresa estão proibidos de vender suas ações. Procuradas, GP e Cemig não se pronunciaram. Segundo o RR apurou, um grande fundo internacional que tambémestava na disputa pela Light deixou a mesa de negociações nesta semana, após a participação da GP no follow-on. O acordo com a gestora conta com a simpatia de conselheiros da Cemig e, sobretudo, da presidente da Light, Ana Marta Horta Veloso.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.05.19

Fator GP

GP entrou pesado no “leilão” de compra da Netshoes. Acionista da Centauro, uma das candidatas ao negócio, a gestora tenta convencer Marcio Kumruian a roer a corda e recusar a oferta apresentada pelo Magazine Luiza. Fundador da Netshoes, Kumruian tem 12% do capital e pode ser o fiel da balança na operação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.11.18

As startups da GP

Segundo o RR apurou, a GP já acumula participações em quase duas dezenas de startups no Vale do Silício. Agora, começa a garimpar empresas nascentes por estas bandas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.06.18

A fintech da GP

A GP vai entrar na briga das fintechs. Segundo o RR apurou, a gestora está negociando a compra de um startup da área financeira nos Estados Unidos especializada em pagamentos digitais. O próximo ato será trazer o negócio para o Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.05.18

O checkout da GP

A GP estaria preparando sua saída do setor hoteleiro, com a venda da participação na Brazilian Hospitality Group (BHG). A inapetência da gestora em relação ao negócio é antiga: no ano passado, a BHG entregou à Accor a gestão de 26 hotéis.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.10.17

Despedida na Magnesita

A GP está se desfazendo do que restou da sua participação na Magnesita, após a venda da empresa para a austríaca RHI.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.08.17

BR Properties abre o cofre

A BR Properties está chacoalhando o setor de real estate em São Paulo, com diversas negociações simultâneas para a compra de galpões e armazéns industriais no estado. A meta é ousada: no curto prazo, elevar de 3% para 30% a participação dos imóveis industriais em seu portfólio. Custo da “brincadeira”? Algo em torno de R$ 500 milhões. A hora é essa: do jeito que os ativos estão depreciados, dá para a empresa da GP fazer uma farra com essa cifra.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.