Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
19.08.19

Porta de saída

A GP Investimentos conversa com fundos estrangeiros para a venda da sua participação de 33% na rede de salões Beleza Natural. A empresa, ressalte-se, já tem um pé nos Estados Unidos, com uma loja no Harlem, em Nova York.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.04.19

Temporada de IPOs

Após o IPO da Centauro, que será concluído hoje, a GP Investimentos vai se dedicar à abertura de capital de outra empresa da qual é acionista: a rede de salões Beleza Natural.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.12.18

Contagem regressiva para a Centauro

O empresário Sebastião Bonfim e a GP Investimentos, sócios da Centauro, acertam os ponteiros para acelerar o IPO da rede varejista, adiado por duas vezes. Segundo o RR apurou, o objetivo é realizar a operação até março. Do lado da GP, a abertura de capital é vista como a porta de saída para zerar a participação na empresa, de 36,5%. Para Bonfim, a emissão primária de ações e a consequente entrada de dinheiro no caixa da Centauro são condições sine qua nom para a companhia desengavetar seu plano de expansão. Sem IPO, a abertura de lojas e as novas contratações serão residuais, na contramão do que Bonfim prega em outro front. Ao lado de empresários como Flavio Rocha (Riachuelo) e Luciano Hang (Havan), o dono da Centauro é um dos artífices da campanha pela criação de um milhão de empregos lançada pelo Movimento Brasil 200 na semana passada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.18

GP lustra seus talheres

A GP Investimentos pretende trazer para o Brasil, em 2019, ao menos uma das duas redes de restaurantes que controla no exterior – a inglesa Leon ou a norte-americana Bravo Brio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.10.18

GP Investimentos costura fusão entre Netshoes e Centauro

A GP Investimentos está em negociações para a compra da Netshoes. Segundo o RR apurou, as gestões são conduzidas em Nova York, diretamente com os fundos controladores da empresa de comércio online, o norte-americano Tiger Global, GIC e Temasek – os dois últimos, ligados ao governo de Cingapura. A GP mexe as peças no tabuleiro, preparando o que seria o seu xeque-mate: a fusão da Netshoes com a Centauro, da qual a gestora de recursos é acionista, com 36,5%. Em jogo, a criação de uma plataforma integrada de varejo esportivo, juntando e-commerce e mais de 180 lojas físicas, com faturamento somado da ordem de R$ 4 bilhões por ano. Procuradas pelo RR, GP, Netshoes e Centauro não quiseram se pronunciar. A Netshoes é hoje uma presa frágil para predadores como a GP. Em delicada situação financeira, a empresa perdeu mais de 80% do seu valor de mercado nos últimos 12 meses. Ao mesmo tempo, tornou-se um octagon societário. Tiger, GIC e Temasek aceitam permanecer no negócio como minoritários, mas querem afastar do capital e da gestão o acionista fundador, Marcio Kunruian – ver RR edição de 14 de agosto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Além da Americanas, a GP entrou na disputa pela BR Mania. Trata-se da segunda investida da gestora sobre as lojas de conveniência da BR Distribuidora em dois anos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.07.18

Centauro entre dois senhores

O cadarço societário da Centauro corre o risco de acabar esgarçando. Segundo o RR apurou, a GP estaria defendendo a retomada do IPO da rede varejista de artigos esportivos ainda neste ano – como forma de reduzir ou até mesmo vender integralmente sua participação. No entanto, o acionista controlador, Sebastião Bomfim Filho, resiste. Procurada, a Centauro afirma que não há divergências entre seus sócios. A GP não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Os financistas da GP estão mobilizados para equacionar o preocupante grau de alavancagem da BR Properties, empresa de investimentos imobiliários controlada pelos “herdeiros” de Jorge Paulo Lemann. A companhia deverá realizar uma emissão de bônus no exterior com o objetivo de alongar o perfil do passivo. A dívida de curto prazo, de R$ 2,3 bilhões, já equivale a sete vezes o ebitda – há 12 meses, a relação era de seis para um. A alta do dólar aumentou a pressão sobre a BR Properties. Parte expressiva da dívida da companhia é em moeda estrangeira: são US$ 185 milhões em bônus perpétuos, com hedge cambial apenas sobre os juros e não sobre o principal. Consultada sobre a emissão de bônus, a BR Properties não quis se pronunciar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.04.18

O novo cardápio da GP

A GP planeja trazer para o Brasil a rede de fast food inglesa Leon. A operação leva a assinatura de Fersen Lambranho, sócio da gestora, que conduziu pessoalmente a compra da empresa no ano passado. A GP, por sinal, já teve uma ótima experiência na cozinha: em 2006, comprou a Fogo de Chão por US$ 90 milhões. Seis anos depois, passou o negócio adiante por US$ 400 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.04.18

O forfait da Centauro

O IPO da Centauro está por um fio. Nem a grife GP Investimentos, acionista da rede varejista, tem sido capaz de alavancar a demanda pelo papel.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.