Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
01.08.18
ED. 5922

Procura-se um cirurgião para a imagem de Neymar

Menos de 24 horas após o lançamento do polêmico anúncio da Gillette, o staff de Neymar já iniciou a busca de um “antídoto contra o antídoto”. Segundo o RR apurou, na própria segunda-feira o PSG e o pai do atleta, Neymar Santos, mantiveram contatos com duas agências de consultoria de imagem, uma de origem francesa e outra norte-americana. A pressão maior por um imediato trabalho de reposicionamento da imagem do craque vem do clube parisiense, que investiu 222 milhões de euros na sua contratação. Mas, desta vez, até mesmo o entorno do jogador, habituado a afagar o seu ego, sentiu o golpe. Há um consenso de que o mea culpa patrocinado pela Gillette só acentuou a exposição negativa do brasileiro a partir da pecha de “cai-cai” adquirida na Copa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 O sinal de alerta está aceso no Banco Itaú, Nike , Vivo, Samsung e demais patrocinadores da seleção brasileira. O motivo é a truculência com que a CBF vem tratando seus ex-parceiros. A entidade entrou na Justiça contra a BRF, com quem manteve contrato até o início deste ano. A justificativa é que a Sadia está fazendo “marketing de emboscada” em sua campanha publicitária para a Olimpíada ao vestir seu tradicional mascote com uma camisa verde e amarela. Ou seja: ao que tudo indica, Marco Polo Del Nero e cia. entendem que a CBF tem a primazia sobre as cores da bandeira. A BRF não está sozinha. Segundo o RR apurou, a Confederação também está abrindo um processo contra a Michelin, que patrocinava a seleção brasileira até fevereiro. A alegação é de que a empresa francesa não teria cumprido cláusulas do contrato relativas ao prazo e aos valores da rescisão. Procurada, a BRF confirmou o processo e disse lamentar a “postura da CBF”. Como apoiadora oficial da Rio 2016, a empresa afirma ter o direito contratual de usar os uniformes das equipes brasileiras, cujas cores “não são exclusivas da entidade”. A CBF não quis comentar o assunto. A Michelin também não se pronunciou.  Ao olhar para a BRF e a Michelin, os atuais patrocinadores da CBF temem o efeito do “eu sou você amanhã”. A percepção é de que a entidade iniciou uma caça às bruxas em represália aos ex-parceiros. E não são poucos. A escalação inclui ainda nomes como Gillette e Unimed. Não por coincidência, o turnover publicitário cresceu consideravelmente nos últimos dois anos, em meio aos seguidos escândalos envolvendo os ex e atuais cartolas da entidade. Ricardo Teixeira sumiu do mapa. O também ex-presidente José Maria Marin cumpre regime de prisão domiciliar em Nova York. Já Marco Polo Del Nero não sai do Brasil nem a decreto, temendo ter o mesmo destino de Marin, seu antecessor, preso na Suíça e extraditado para os Estados Unidos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.