fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
04.05.20

O roto e o esfarrapado

A Rede, leia-se Itaú, estaria abastecendo o Cade com munição de sobra para incriminar o Santander e a Getnet, a empresa de maquininhas do grupo espanhol. Ambas são investigadas por práticas abusivas, entre elas venda casada de serviços. Não deixa de ser curioso: a credenciadora dos Setúbal também é alvo de processo no órgão antitruste.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.12.19

As “maquininhas” do Santander

Nem se voltar a vestir a cafonice “high tech” que usou na recente convenção do Santander – uma roupa e uma máscara com lâmpadas de led vermelho –, o presidente do banco, Sergio Rial, vai conseguir se esconder dos conselheiros do Cade. Segundo informações filtradas pelo RR, o colegiado já reúne fortes evidências de que a GetNet, a empresa de maquininha do banco espanhol, se utilizou de dados cadastrais de concorrentes para oferecer seus serviços. Como o Santander teria tido acesso à base alheia, ainda é um mistério.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.10.19

Guerra das “maquininhas”

A Rede, leia-se Itaú, vai recorrer ao Cade e à Justiça contra a GetNet, leia-se Santander. Uma fonte ligada à empresa informou ao RR que a disposição interna é partir para a guerra. A Rede acusa a GetNet de concorrência desleal por conta de um aplicativo recém lançado, que promete um arrastão sobre a clientela alheia. A tecnologia permite a portabilidade de estabelecimentos comerciais e pessoas físicas que utilizem “maquininhas” de cartão de outras operadoras. Ao anunciar a novidade, o presidente da GetNet, Pedro Coutinho, disse que queria provocar a concorrência. Já conseguiu.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.