fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
02.06.22

Stone e Getnet querem passar o cartão na mesma maquininha

A reestruturação societária anunciada pela Stone – com a redução do poder do sócio fundador Eduardo Pontes – é vista na própria empresa como antessala para uma operação maior, leia-se uma fusão com outro grande player do setor financeiro. Além do decantado interesse do BTG, há algum tempo apontado como candidato ao negócio, o RR apurou que a companhia estaria mantendo conversações com a Getnet, pertencente ao Santander. No mercado, há, inclusive, quem enxergue mais do que uma mera coincidência no fato da Stone ter anunciado mudanças no bloco de controle simultaneamente ao fechamento de capital da Getnet, já divulgado pelo banco espanhol.

As operações seriam movimentos societários geminados, um preparativo para a posterior associação entre as duas companhias. Procuradas pelo RR, Stone e Getnet não se manifestaram. A eventual combinação de negócios das duas empresas de meios de pagamentos daria origem a um gigante do mercado de “maquininhas”. Stone e Getnet somam receita líquida da ordem de R$ 7 bilhões e um Ebitda superior a R$ 1 bilhão – a números de 2021. Tudo, ressalte-se, potencializado por um sem-número de possibilidades de sinergia com os demais negócios do Santander no Brasil.

Stone e Getnet têm um ponto fundamental em comum: ambas precisam encontrar uma resposta rápida para enfrentar a concorrência de espécies cada vez mais distintas do ecossistema financeiro, de empresas de adquirência a startups com novas soluções de pagamento. O Pix é outro adversário brutal. Não por acaso, as ações das empresas de “maquininhas” derretem. De junho de 2021 para cá, o valor de merca- do da Stone caiu impressionantes 86% – o equivalente a mais de R$ 130 bilhões. A Getnet não chega a tanto. Mas apenas sete meses depois da sua listagem direta em bolsa, o valor da ação da empresa acumula uma retração de 58%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.06.21

Aquisições em série

Um indicador do apetite do setor bancário para a aquisição de fintechs: o RR apurou que a GetNet, leia-se Santander, está em conversações, neste momento, com oito empresas. Ressalte-se que, no início deste mês, o banco espanhol comprou a Eyemobile, especializada na gestão de pagamentos móveis.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.03.21

Aposta alta

A GetNet, a empresa de maquininhas do Santander, vai entrar pesado em operações de empréstimo para varejistas

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.05.20

O roto e o esfarrapado

A Rede, leia-se Itaú, estaria abastecendo o Cade com munição de sobra para incriminar o Santander e a Getnet, a empresa de maquininhas do grupo espanhol. Ambas são investigadas por práticas abusivas, entre elas venda casada de serviços. Não deixa de ser curioso: a credenciadora dos Setúbal também é alvo de processo no órgão antitruste.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.12.19

As “maquininhas” do Santander

Nem se voltar a vestir a cafonice “high tech” que usou na recente convenção do Santander – uma roupa e uma máscara com lâmpadas de led vermelho –, o presidente do banco, Sergio Rial, vai conseguir se esconder dos conselheiros do Cade. Segundo informações filtradas pelo RR, o colegiado já reúne fortes evidências de que a GetNet, a empresa de maquininha do banco espanhol, se utilizou de dados cadastrais de concorrentes para oferecer seus serviços. Como o Santander teria tido acesso à base alheia, ainda é um mistério.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.10.19

Guerra das “maquininhas”

A Rede, leia-se Itaú, vai recorrer ao Cade e à Justiça contra a GetNet, leia-se Santander. Uma fonte ligada à empresa informou ao RR que a disposição interna é partir para a guerra. A Rede acusa a GetNet de concorrência desleal por conta de um aplicativo recém lançado, que promete um arrastão sobre a clientela alheia. A tecnologia permite a portabilidade de estabelecimentos comerciais e pessoas físicas que utilizem “maquininhas” de cartão de outras operadoras. Ao anunciar a novidade, o presidente da GetNet, Pedro Coutinho, disse que queria provocar a concorrência. Já conseguiu.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.