fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
21.05.19

Terra não necessariamente santa

A Gávea Investimentos planeja vender sua participação na Terra Santa, antiga Vanguarda Agro. Entre participação direta e instrumentos derivativos, a gestora de Arminio Fraga detém algo em torno de 15% da empresa de propriedades agrícolas. Ao que parece, Armínio não leva fé que o governo Bolsonaro vai seguir adiante no projeto que autoriza a venda de terras para estrangeiros. A Terra Santa tem cerca de 160 mil hectares sob sua gestão, dedicados à produção de soja, milho e algodão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.19

Alta hospitalar

O Gávea Investimentos vai anunciar até o fim do mês a venda da sua participação de 29% no Grupo São Francisco, que reúne oito hospitais em São Paulo e Goiás. Segundo a fonte do RR, a UnitedHealth, dona da Amil, e a Intermédica apresentaram ofertas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18

Apetite redobrado

Warburg Pincus e Gávea Investimentos, acionistas do Grupo GPS, começam a tracejar o IPO da holding, que engloba desde serviços na área de segurança empresarial ao negócio de refeições coletivas. O prato deve ser servido no primeiro semestre de 2019. Com faturamento na casa de R$ 2,8 bilhões, a GPS tem se notabilizado pelo apetite aquisitivo, notadamente no segmento de refeições: só no ano passado comprou quatro concorrentes.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.06.17

Todos querem pilotar a Unidas

A Locamerica apresentou uma oferta para a compra da Unidas, controlada pela norte-americana Enterprise Holdings e pelas gestoras Gávea e Kinea/Itaú. Segundo o RR apurou, o dote gira em torno de R$ 1 bilhão. A Locamerica atravessou a pista na frente da Movida. Esta última, leia-se JSL (ex-Julio Simões Logística) também vinha mantendo tratativas para a aquisição da Unidas. O vencedor do “pega” levará para a casa uma participação de 7% do mercado de locação de veículos no Brasil e um faturamento de R$ 1,2 bilhão por ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.12.16

O sangue ferve no laboratório Hermes Pardini

A trégua societária por trás do IPO do Hermes Pardini é uma veia sensível, que pode se romper ao menor toque de uma seringa. Há pontos de divergência entre os irmãos Áurea, Victor e Regina Pardini quanto à diluição da participação dos acionistas controladores por conta da abertura de capital da rede de laboratórios diagnósticos. O trio detém 70% das ações. Áurea, dona de 23% do capital, é contrária à redução da fatia da família a menos de 51%. A operação prevê não só uma oferta primária, mas também uma secundária, com a venda de papéis em poder dos atuais sócios.

Victor e Regina não demonstram o mesmo apego ao controle majoritário. Foi assim há dois anos, quando a dupla tentou promover a fusão do Hermes Pardini com o Fleury. O sangue de Áurea Pardini ferveu e a empresária brecou a operação, que daria ao clã uma participação proporcionalmente menor na nova empresa. Quem tenta desobstruir as artérias societárias do Hermes Pardini é o Gávea Investimentos, dono de 30% do capital e um dos maiores interessados no IPO. A gestora costurou a oferta de ações, anunciada na semana passada, ziguezagueando cuidadosamente entre as disputas familiares. O clã tem suas arestas, mas não rasga dinheiro.

No Gávea, a aposta é que o IPO sai, do jeito que Áurea quer. Embora tenha uma fatia acionária inferior às participações somadas de seus irmãos, a empresária se vale dos estatutos do Hermes Pardini, que exigem o voto unânime dos controladores para mudanças no capital.  Procurada, a empresa afirma que “todas as questões de governança foram resolvidas”, mas que não pode entrar em detalhes por estar em período de silêncio. O Hermes Pardini, é bom que se diga, tem seus anticorpos às brigas societárias. Em 2016, deverá atingir, pela primeira vez, a marca de R$ 1 bilhão em faturamento. Sua receita cresce 20% ao ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.12.16

O incômodo é Azul

A decisão da Gávea Investimentos de deixar o capital da Azul trouxe a reboque um ponto de interrogação. Na companhia aérea há fortes dúvidas quanto à disposição do chinês HNA Group de exercer sua opção de compra sobre a participação da gestora de recursos, que será ofertada a todos os demais acionistas. Com a operação, a fatia dos asiáticos no capital da Azul saltaria de 23% para quase 40%. Só que tudo em preferenciais.

É muita ação para pouco poder. Não foi bem para isso que o HNA aterrissou na Azul. Em grande parte, o HNA Group entrou no negócio atraído pela promessa de um IPO da Azul no Novo Mercado, o que abriria caminho para a conversão de todas as preferenciais em ordinárias. A operação, no entanto, jamais decolou. Tem sido sucessivamente adiada, para todos os efeitos por conta das condições adversas do mercado.

Mesmo tendo apenas 8% do capital total, David Neeleman segue com o maior bolo das ONs: 67%. Os chineses tinham ainda a expectativa de que o governo soltaria as amarras da participação estrangeira no setor. No entanto, o tempo passou e o teto de 20% das ordinárias permanece intocável.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.09.16

Dona do pedaço

 O Gávea, que já é o maior acionista individual da Hering, vai avançar ainda mais no capital da empresa. Sua meta é sair de 15% para 20% até o fim do ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.08.16

Minoritário?

 Apenas a título de registro: devagar, devagarinho, o Gávea Investimentos já tem quase 20% das ações da Hering .

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 O plano do “Flamengo S/ A” idealizado pela diretoria do clube está virando uma lenda urbana. Até o momento, as gestões para a abertura de capital têm fracassado. Procurado, o Flamengo nega o projeto. No entanto, segundo o RR apurou, teriam ocorrido conversações com o BTG e o Gávea. A alternativa seria a criação de uma empresa em sociedade com investidores para administrar o elenco e viabilizar a construção de uma arena esportiva.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

O Grupo JSL atravessou o caminho da norte-americana Enterprise: também teria apresentado uma oferta pelo controle da locadora de veículos Unidas, que tem entre seus acionistas a Gávea e o Kinea/Itaú. A JSL já atua no mercado por meio da Movida. Procuradas pelo RR, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto:  JSL e Unidas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.