Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
20.06.18
ED. 5892

ProEcho na mira do Fleury

O Fleury tem interesse na aquisição da rede de laboratórios ProEcho, do Rio. A empresa pertence ao médico João Renato Silveira, ex-sócio de Edson Bueno, fundador da Amil. Procurada, a ProEcho confirma que “busca um sócio investidor”, mas garante que “seu controle não está à venda.”

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.03.17
ED. 5580

Veia entupida

A direção do Fleury promete suar sangue – e abrir o cofre – para adquirir redes de laboratórios no Rio de Janeiro, onde jamais conseguiu superar a rival Dasa. Procurada, a empresa confirmou a abertura de 25 unidades no estado, mas não se pronunciou sobre aquisições.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.12.16
ED. 5523

O sangue ferve no laboratório Hermes Pardini

A trégua societária por trás do IPO do Hermes Pardini é uma veia sensível, que pode se romper ao menor toque de uma seringa. Há pontos de divergência entre os irmãos Áurea, Victor e Regina Pardini quanto à diluição da participação dos acionistas controladores por conta da abertura de capital da rede de laboratórios diagnósticos. O trio detém 70% das ações. Áurea, dona de 23% do capital, é contrária à redução da fatia da família a menos de 51%. A operação prevê não só uma oferta primária, mas também uma secundária, com a venda de papéis em poder dos atuais sócios.

Victor e Regina não demonstram o mesmo apego ao controle majoritário. Foi assim há dois anos, quando a dupla tentou promover a fusão do Hermes Pardini com o Fleury. O sangue de Áurea Pardini ferveu e a empresária brecou a operação, que daria ao clã uma participação proporcionalmente menor na nova empresa. Quem tenta desobstruir as artérias societárias do Hermes Pardini é o Gávea Investimentos, dono de 30% do capital e um dos maiores interessados no IPO. A gestora costurou a oferta de ações, anunciada na semana passada, ziguezagueando cuidadosamente entre as disputas familiares. O clã tem suas arestas, mas não rasga dinheiro.

No Gávea, a aposta é que o IPO sai, do jeito que Áurea quer. Embora tenha uma fatia acionária inferior às participações somadas de seus irmãos, a empresária se vale dos estatutos do Hermes Pardini, que exigem o voto unânime dos controladores para mudanças no capital.  Procurada, a empresa afirma que “todas as questões de governança foram resolvidas”, mas que não pode entrar em detalhes por estar em período de silêncio. O Hermes Pardini, é bom que se diga, tem seus anticorpos às brigas societárias. Em 2016, deverá atingir, pela primeira vez, a marca de R$ 1 bilhão em faturamento. Sua receita cresce 20% ao ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.09.16
ED. 5462

Novo quadro clínico

 A Alliar, empresa de medicina diagnóstica controlada pela Pátria Investimentos e por 75 médicos, vai fazer uma oferta pública de ações para vender 30% do capital. A companhia fatura R$ 1 bilhão por ano, tem 100 unidades de atendimento, comprou 23 laboratórios desde 2011 e é a terceira maior do país, atrás apenas da Dasa e Fleury. Procurada, a Alliar disse que “ainda não se manifestou publicamente sobre o assunto”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.07.16
ED. 5417

Advent quer se internar no Oswaldo Cruz

 Mais um grande grupo hospitalar nacional poderá ser fisgado pelo capital estrangeiro. O fundo norte-americano Advent estaria em negociações para a compra do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, um dos maiores centros de medicina de alta complexidade do país. Com quatro unidades na capital paulista e mais de três mil médicos cadastrados, a rede faturou no ano passado quase R$ 600 milhões. Segundo uma fonte ligada à gestora norte-americana, o Oswaldo Cruz está avaliado em aproximadamente R$ 800 milhões, ou dez vezes o seu Ebitda. Consultado, o hospital confirma que tem recebido “com frequência a consulta de fundos internacionais”, mas garante que não está avaliando qualquer proposta. Já o Advent não se pronunciou. A aquisição do Oswaldo Cruz seria uma peça importante nos planos do Advent de montar uma grande operação integrada em saúde no Brasil. Nenhum outro setor no país tem recebido tanta transfusão de recursos dos norte-americanos. No ano passado, o fundo desembolsou cerca de R$ 400 milhões na compra de 13% da rede de laboratórios Fleury. É controlador também da Biotoscana, uma holding que enfeixa três empresas farmacêuticas: a colombiana de mesmo nome, a argentina LKM e a brasileira UnitedMedical, responsável por mais de 40% do faturamento total do grupo, na casa dos US$ 300 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.10.15
ED. 5234

Blackstone

A área hospitalar é o novo alvo da Blackstone no Brasil. Novo, em termos: no ano passado, o fundo quase comprou uma participação na rede de laboratórios Fleury.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.01.15
ED. 5051

Hermes Pardini

Como a tão desejada fusão com o Fleury não veio, o Gávea Investimentos vai tratar de pedalar o crescimento do Hermes Pardini. Em breve, a rede de laboratórios mineira vai anunciar uma aquisição no Nordeste. E outra em São Paulo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.08.14
ED. 4935

Venda do Fleury tem nova reviravolta

 Até mesmo os mais assíduos e fiéis telespectadores já perderam a conta do número de capítulos exibidos na novela de venda do Fleury para o Gávea Investimentos. As próximas cenas deste folhetim corporativo prometem uma nova e – quem sabe? – decisiva reviravolta. A empresária aurea Pardini, acionista do laboratório mineiro Hermes Pardini e principal foco de resistência ao acordo, recuou. Segundo uma fonte envolvida na operação, no último fim de semana aurea voltou a  mesa de negociações. Ela se reuniu com os irmãos e sócios Victor e Regina Pardini e se mostrou disposta a aceitar a cifra de R$ 2 bilhões apresentada pelo Gávea para efeito de avaliação do controle integral do Hermes Pardini. A definição deste valor é peça-chave para toda a operação de compra do Fleury, que se arrasta desde o ano passado. A engenharia montada pelo Gávea passa obrigatoriamente pela associação entre os dois laboratórios. Até prova em contrário, a gestora em recursos só fecha a compra do Fleury com a garantia da futura fusão com a rede mineira, da qual já tem 30%. O laudo de avaliação do Hermes Pardini servirá justamente como balizador da participação societária da família na nova empresa. Há cerca de 15 dias, aurea suspendeu as conversações com os irmãos e os representantes do Gávea, exigindo um aumento de 20% a 30% na precificação do Hermes Pardini. O Adi, fundo soberano de Abu Dhabi, e um private equity ligado ao Goldman Sachs, parceiros do Gávea na empreitada, negaram-se a ampliar o valor. E o que teria convencido a empresária de sangue quente a retomar as negociações? A explicação estaria em um acordo familiar. Segundo o RR apurou, Victor e Regina teriam aceitado abrir mão de uma parcela da sua participação na nova empresa a favor da irmã. É o preço que a dupla se dispõe a pagar para salvar a fusão entre o Hermes Pardini e o Fleury. Os dois irmãos nunca esconderam que preferem ser minoritários de uma rede com faturamento de R$ 2,8 bilhões por ano e quase 250 pontos de atendimento em oito estados do que mandar e desmandar numa companhia restrita a s fronteiras de Minas Gerais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.