fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
14.10.19

As trincheiras do PSL: Blitzkrieg ou guerra de atrito?

Termômetro

Continuará em pauta amanhã o embate interno no PSL. Questão está muito em aberto, dado que o presidente Bolsonaro inúmeras vezes age em rompantes. Isso posto, a tendência é de que os grupos já formados cristalizem suas posições nesta terça. E esperem para ver quem pisca primeiro.

“Bolsonaristas” vão cobrar a apresentação de uma prestação de contas das atividades do partido ao longo dos últimos 5 anos. A ideia será de colar na direção do PSL, representada por Luciano Bivar, a imagem de falta de transparência. Ou, no limite, de práticas condenáveis na distribuição de verbas do fundo partidário. Como bônus, buscarão se descolar de denúncias contra esquema de laranjas na agremiação.

Já os parlamentares fiéis a Bivar devem utilizar, essencialmente, três estratagemas: 1) Poupar Bolsonaro e atacar seus filhos, aproveitando-se de rejeição parcial que sofrem dentro do próprio núcleo duro do presidente, inclusive nas redes sociais; 2) Insistir em que insatisfeitos podem sair do PSL sem punições, desde que abram mão do fundo partidário; 3) Indicar, mais concretamente, aproximação com nomes como o do governador Wilson Witzel.

No campo do presidente, liderança virá dos filhos. Com estratégia nas redes comandada por Carlos Bolsonaro e articulação no Parlamento por nomes como a deputada Carla Zambelli e o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo. Já entre opositores, nome mais forte parece ser o do Major Olímpio.

O Parlamento em foco

Estará em foco, amanhã, a votação no Senado da cessão onerosa de leilão do pré-sal, marcado para novembro. Expectativa é de que o projeto seja aprovado, o que abriria caminho para votação da reforma da Previdência em segundo turno na Casa, semana que vem.

No entanto, vale atenção. Governadores das regiões Norte e Nordeste mantiveram, nos bastidores, críticas à repartição dos dividendos do leilão, fechada na semana passada, na Câmara. Não se pode descartar, amanhã, alguma iniciativa de última hora no Senado, onde são mais fortes. E movimentações do PSL, ainda que mantenha apoio ao presidente, são a cada dia mais incertas.

Em caráter incipiente, mas ainda assim um risco a ser levado em conta amanhã, estará o debate sobre a reforma da Previdência Militar. Governo não conseguiu aprovar o projeto diretamente em comissão, e detalhes começam a ganhar corpo na mídia, de forma muito negativa. Se alguém acender o fósforo no Congresso, o incêndio político pode ocorrer rapidamente.

A batalha da segunda instância

Prisão após condenações em segunda instância será votada quinta-feira no STF, mas o tema avançará fortemente tanto na mídia quanto no mundo político e jurídico, amanhã. Primeira cartada será dada por parlamentares ligados à Lava Jato. O deputado Alex Manente (Cidadania) conseguiu, com apoio do presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Felipe Francischini (PSL), pautar o tema na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ), nesta terça.

Objetivo é aprovar a prisão após condenação em segunda instância na CCJ antes que o assunto seja votado no STF, pressionando o Tribunal. Mas haverá forte resistência não somente da oposição como muito provavelmente de todo o bloco do Centrão e do próprio Rodrigo Maia – ainda que nos bastidores. A conferir o resultado.

Fintechs em alta

Pode sair já amanhã Medida Provisória construída pelo Ministério da Economia para estimular o microcrédito. O objetivo é tornar mais fácil a concessão desse tipo de financiamento, abrindo o mercado a novos players. As Fintechs serão diretamente beneficiadas – e terão valorização.

Percepção empresarial na Europa e nos EUA

Em dia de poucos indicadores econômicos no Brasil, destaque nesta terça para os seguintes levantamentos internacionais:

1) Percepção Econômica ZEW de outubro, na Alemanha. O índice, que mede o estado de ânimo dos investidores alemães, melhorou um pouco em setembro, mas tem se mantido abaixo de zero (o que indica pessimismo) desde abril. Espera-se recuo em outubro, de –22,5 para –27. Reflexo de falta de confiança na economia não somente da Alemanha como da Zona do Euro;

2) Percepção Econômica ZEW de outubro, na Zona do Euro. Situação similar a da Alemanha, com prognósticos um pouco mais negativos: recuo de –24,4 para –33,0;

3) Índice Empire State de Atividade Industrial de outubro, nos EUA. Números refletem a indústria no estado de Nova York, oferecendo medida do setor como um todo no país. Expectativa é de novo recuo, de 2,0 para 1,0 (após retração de 4,80 para 2,0 entre agosto e setembro). Mas ainda em patamar positivo, acima de zero, o que indica boas condições econômicas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.02.18

Duas centenas

O total de fintechs compradas por BTG, Bradesco, Safra e Itaú já caminha para duas centenas. Qualquer hora rola um bazar de vendadas ativos que estão sobrando no portfólio…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.