Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos

O nome de Everardo Maciel, secretário da Receita Federal ao longo dos oito anos de governo FHC, entrou na roda de candidatos à sucessão de Marcos Cintra. Maciel tem boa interlocução com Paulo Guedes e sua equipe. No fim do ano passado, por exemplo, encaminhou à equipe de transição a proposta de criação de um código do processo tributário, na tentativa de reduzir a maçaroca de contenciosos entre contribuintes e o Fisco. Ressalte-se ainda que Maciel é um crítico contumaz de uma Receita de perfil investigativo e policialesco, algo que soa bem aos ouvidos do presidente Jair Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.07.19

FHC trending topics

Um conglomerado empresarial estaria em conversações com Fernando Henrique Cardoso para que ele estrelasse um programa de entrevista em rede social. Algo parecido com Diálogos com Mário Sérgio Conti, na GloboNews. O tal conglomerado seria o Grupo Votorantim. FHC já carregaria para a nova empreitada seu patrimônio nas mídias digitais: são mais de 620 mil seguidores no Facebook e no Twitter.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.05.19

Múltiplos sinais

Pouco antes do evento da última terça-feira na Força Sindical, em conversa reservada com o presidente da entidade, Miguel Torres, FHC fez duras críticas à prisão de Michel Temer. Confidenciou também que pretende se encontrar com o ex-presidente nos próximos dias. Tratando-se de quem se trata, a última coisa que FHC queria era que a história morresse ali dentro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.05.19

FHC é o maior conspirador da República

Fernando Henrique Cardoso é igual ao vinho: quanto mais o tempo passa maior a sua capacidade de fazer da política a arte da intriga e da conjuração. FHC não para de conspirar. No momento seu alvo é o governo Jair Bolsonaro – nas suas próprias palavras,alguém que não nasceu para ser presidente da República. O ex-presidente está a mil por hora. No próximo dia 14 de maio, por exemplo, vai se reunir com o presidente da Força Sindical, Miguel Torres. A aproximação não é um ato isolado nesse universo: estão sendo costurados encontros com outras lideranças da área sindical. FHC também conspira para empurrar o PSDB para a esquerda.

Na semana passada, teve uma longa conversa com Ciro Gomes. Pelas costas, como se sabe, os dois se desprezam. FHC conspira com Gilmar Mendes, velho parceiro de maledicências. Ambos chegam a ficar de orelha quente de tantos e de tão longos os diálogos ao telefone. Bolsonaro é o assunto invariável. Mas não raramente o personagem central das maquinações entre FHC e Gilmar é Lula. O tucano chegou a cogitar até uma visita ao ex-presidente em Curitiba, que seria justificada como um ato humanitário. Certamente, ao sair do encontro, metralharia seu sucessor, ao melhor estilo dele próprio.

FHC busca a conspiração até com os militares, grupo que não se encontra na sua esfera de maior proximidade. Ele costura para breve um novo evento no Instituto Fernando Henrique Cardoso que contemple a presença de generais. Além da relação amistosa com o ex-Comandante do Exército Eduardo Villas Bôas, FHC mantém um canal aberto com o seu ex-ministro-chefe do Gabinete Militar, general Alberto Mendes Cardoso, que atua como um interlocutor privilegiado do ex-presidente com o generalato. O “Príncipe dos Sociólogos” estaria comprando uma opção de que um dos principais grupos de apoio ao governo Bolsonaro venha a se afastar gradativamente do presidente e passe a ser um opositor da sua gestão. Até porque ele acredita que as Forças Armadas entraram na política para não sair tão cedo. Quando se trata do notável conspirador, entretanto, as brumas mais o revelam do que o ocultam.

O Palácio do Planalto inteiro identifica Fernando Henrique Cardoso como uma espécie de galvanizador “secreto” das oposições contra o presidente da República. A falta de simpatia com Bolsonaro sempre foi explícita. Basta observar a linha do tempo. O tucano mal esperou uma quinzena para o primeiro sopro: no dia 15 de janeiro, disse ser oposição ao governo. Em 15 de fevereiro, declarou que Bolsonaro “está abusando da desordem”. Os refrãos de Fernando Henrique contra Jair Bolsonaro subiriam de tom nas semanas seguintes. No dia 27 de fevereiro, FHC disse que o governo Bolsonaro não tem coerência. No dia 17 de março, um ataque não apenas ao presidente, mas ao seu clã: FHC se referiu à presença dos Bolsonaro em Brasília como o “renascimento da família imperial”.

Em 24 de março, Fernando Henrique verbalizou a percepção de que o mandato de Bolsonaro pode terminar antes do tempo regulamentar: “Presidente que não entende a força do Congresso cai”. Jair Bolsonaro é o alvo prioritário de Fernando Henrique Cardoso, mas não o único. No meio do caminho há outra pedra a ser chutada: o governador João Dória. Quando se trata de jogar cascas de banana na frente de Dória, FHC não titubeia. Sempre que pode trabalha pelo escorregão do governador junto ao PSDB. São vários os interlocutores quando o assunto é Dória, mas o mais assíduo é Tasso Jereissati.

Já foi o tempo de José Serra, Aloysio Nunes Ferreira e – imagine só – Aécio Neves. O apartamento de 450 metros na Rua Rio de Janeiro, em Higienópolis, e o Instituto homônimo, no Centro velho de São Paulo, têm recebido a visitação de novos tricotadores. A fonte que contou várias histórias de FHC para o RR disse que a última do Príncipe é o discurso de que Dória e Bolsonaro aparentam ser muito diferentes, mas têm o mesmo DNA. São irmãos Corsos, só que um baila em salões, e o outro limpa o chão dos quartéis. O relato pode não ser verdadeiro, mas quem conhece o personagem sabe que é, no mínimo, ben trovato.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02/05/19 8:14h

Cheid

disse:

A maconha que ele fumou quando jovem está fazendo efeito agora. Só abre a boca para falar besteira.

02/05/19 8:14h

Cheid

disse:

A maconha que ele fumou quando jovem está fazendo efeito agora. Só abre a boca para falar besteira.

04.04.19

Parlamentarismo

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso tem desfilado um novo slogan: “Parlamentarismo já”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.11.18

Problema dos outros

FHC lavou as mãos para o “tucanocídio” em curso no PSDB. Não fará qualquer gesto a favor ou contra as expulsões de 19 filiados do partido, entre os quais Alberto Goldman e Saulo de Castro. O diretório municipal de São Paulo, nas mãos de João Doria, faz carga pela confirmação do expurgo, vetado pelo comando nacional.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.09.18

FHC monta seu trampolim para o segundo turno

O manifesto pela união dos partidos de centro contra o os candidatos do PT, Fernando Haddad, e do PSL, Jair Bolsonaro foi um blefe de Fernando Henrique Cardoso. Trata-se de uma saída pela tangente para saltar direto no segundo turno. FHC , como se sabe, é um encantador de serpentes. Antes da sua declaração pública, reuniu-se com Geraldo Alckmin para “traçar estratégias”. Não nutre dúvidas que Bolsonaro encaçapou sua presença no segundo turno. Sobra a outra vaga, ao que tudo indica reservada para Haddad. A única ameaça real ao candidato do PT é a ascensão de Ciro Gomes, do PDT, na reta final da campanha.

No momento, a hipótese parece menos provável. Para FHC, o PT incomoda em demasia, mas Ciro incomoda muito mais. Desde que a candidatura de Alckmin se impôs no PSDB, o ex-presidente cantou a pedra: o PSDB ganhará do PT no segundo turno com qualquer candidato, menos o “Geraldo”. Na época, o anti-petismo alcançava o firmamento e Jair Bolsonaro media 1,2 metro. Ninguém apostava ainda que o capitão fosse chegar aos atuais dois metros de altura. FHC tentou boicotar Alckmin durante todo o processo de escolha do candidato do PSDB. Mesmo depois de sacramentado a candidatura, continuou jogando cascas de banana à frente do ungido pelo partido. Com o manifesto, que sequer menciona o nome do “Geraldo”, prepara-se para articular a saída para uma sobrevida do PSDB: o apoio a Haddad no segundo turno. FHC já bordou alianças com o partido antípoda no passado.

Quando Mário Covas foi governador de São Paulo, deveu em parte sua vitória ao apoio do PT contra o concorrente Paulo Maluf. No sentido oposto, quando Marta Suplicy venceu as eleições para a prefeitura paulista, detonando o incansável Maluf, foi o PSDB quem deu os braços ao PT. FHC tem um bom entendimento com Fernando Haddad. É adepto da máxima do general Golbery do Couto e Silva: “Quando o sujeito, eleito, sobe a rampa do Palácio do Planalto, e enxerga os Dragões da Independência ali perfilados, desacredita que alguém o tenha feito presidente”. Se Haddad chegar ao posto máximo da República, terá sido ele que venceu, e não mais o onipresente Lula. E com Haddad a conversa é mais suave.

E quanto as fortes divergências programáticas entre os dois partidos? De posse do governo, isso torna-se um detalhe. FHC entoaria, então, um magnífico canto do cisne: derrotar a “direita” e articular a junção dos interesses dos dois partidos em um governo bifronte, sem a mesma dependência que ambos, PT e PSDB, tiveram do Centrão. Mas pode ser que até a publicação desta newsletter, FHC tenha mudado de ideia. É da sua natureza.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

A velha guarda tucana, como Aloysio Nunes Ferreira e Alberto Goldman, tenta convencer FHC a intervir na campanha de Geraldo Alckmin. Em vão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.09.18

Precipitado

FHC, ao que parece, já precificou a derrota tucana. Embarcou para uma temporada de três semanas no exterior – a primeira parada é o Chile. Só volta às vésperas do primeiro turno.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.08.18

Desfalque na Corte

Em meio ao turbilhão eleitoral, FHC perdeu seu “braço direito”. A diplomata Helena Gaspariam, fiel escudeira do ex-presidente ao longo dos últimos dez anos, está voltando para o Itamaraty.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.