fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
04.05.22

Raia Drogasil e DPSP podem juntar seus comprimidos

A Raia Drogasil e a DPSP (Drogarias Pacheco São Paulo) estariam mantendo conversações para uma possível associação. A operação pode dar origem a um conglomerado com mais de 3,5 mil drogarias, faturamento superior a R$ 36 bilhões e um Ebitda da ordem de R$ 2,5 bilhões. Na prática, seria uma aquisição em pele de fusão.

De acordo com a fonte do RR, os acionistas da Raia Drogasil – as famílias Galvão, Pires Oliveira Dias e Pipponzi – ficariam com uma participação maior na nova empresa. A dosagem societária refletiria a diferença de tamanho entre as duas redes. A Raia Drogasil tem exatamente o dobro da receita da DPSP – R$ 24,1 bilhões, contra R$ 12 bilhões em cifras do ano passado. Procuradas pelo RR, Raia Drogasil e DPSP não quiseram se pronunciar.

Trata-se de uma negociação complexa, a começar pelo Cade. Raia Drogasil e DPSP são, respectivamente, líder e vice-líder no ranking do setor. No caso de um M&A, a nova companhia passaria a dominar mais de 25% das vendas no varejo farmacêutico. Provavelmente teria de entregar alguns anéis – como, por exemplo, a venda de drogarias em algumas regiões do país – para que a operação fosse aprovada.

Outra dificuldade é atender aos interesses cruzados da miríade de sócios de parte a parte, notadamente da DPSP, que reúne mais de 20 acionistas no bloco de controle. No caso da Pacheco São Paulo, não é de hoje que seus donos buscam um novo investidor ou mesmo um comprador para o negócio. No passado recente, houve conversas com o grupo mexicano Femsa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.11.21

Prescrição médica

A mexicana Femsa estaria em conversações para a compra de uma das maiores redes de varejo farmacêutico do país. A negociação é avaliada em mais de R$ 10 bilhões. Conhecida por sua atuação no ramo de bebidas, a Femsa é dona da maior rede de drogarias do México. Chegou a negociar com o Ultra a compra da Extrafarma, que acabou vendida ao Pague Menos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.01.21

Femsa avança nas farmácias do Ultra

A mexicana Femsa estaria em negociações para a compra da Extrafarma, rede de drogarias controlada pelo Grupo Ultra. Segundo o RR apurou, a operação giraria em torno de R$ 2 bilhões. São cerca de 400 lojas em 11 estados, a maior parte no Nordeste, um ativo deficitário que hoje não tem mais lugar na prateleira do Ultra. Esta não é a primeira tentativa da Femsa de entrar no varejo farmacêutico no Brasil. Em meados do ano passado, os mexicanos chegaram a negociar a aquisição da DPSP, holding que controla as drogarias Pacheco e São Paulo – uma operação, diga-se de passagem, de muito maior monta (a DPSP está avaliada em aproximadamente R$ 12 bilhões). Mais conhecida pela sua atuação no setor de bebidas, a Femsa é dona de mais de três mil farmácias no México, Chile, Colômbia e Equador.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.