fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
08.01.21

Eles quem?

Internado no Hospital de Apoio de Brasília, após sofrer um acidente no presídio da Papuda, o blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio tem repetido a seus advogados que foi “abandonado por eles”. Acusado pelo STF de disseminar fake news, Eustáquio é apontado como uma dos porta-vozes do “gabinete do ódio”. Talvez não seja mais…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.12.20

Perderam o limite

O desembargador Bernardo Garcez, derrotado ontem na eleição para a presidência do TJ-RJ, soltou cobras e lagartos em conversas reservadas com magistrados mais próximos. Garcez alega ter sido vítima de uma campanha de fake news. Na última sexta-feira, por exemplo, circulou em grupos de WhatsApp de desembargadores a “notícia” de que o pai de Garcez teria sido investigado pelo antigo SNI por suposta ligações com grupos antissemitas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.10.20

Curtida

O presidente do Facebook/WhatsApp no Brasil, Conrado Leister, tornou-se o principal conselheiro de Luis Roberto Barroso, presidente do TSE, na guerra às fake news. Nem parece o mesmo executivo que, em julho, se recusou a bloquear perfis bolsonaristas no Facebook e só recuou após ser intimado pelo ministro Alexandre de Moraes.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.10.20

Barroso fecha o cerco às fake news

Na esteira do acordo de cooperação com Google, Facebook, Twitter, Tik Tok etc, o ministro Luis Roberto Barroso, presidente do TSE, vai criar um seleto grupo voltado ao rastreamento de fake news. De acordo com a fonte do RR, além de tecnologias das próprias plataformas de mídia social, essa “swat digital” contará com o suporte de empresas especializadas nesse tipo de investigação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.09.20

Justiça Eleitoral entra na mira do “Gabinete do ódio”

O STF – mais precisamente o ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito das fake news – deverá investigar a onda de ataques conjuntos que têm sido feitos contra o TSE e, de roldão, a Positivo Tecnologia nas redes sociais. Há fortes evidências de que a Suprema Corte Eleitoral e a fabricante de computadores tornaram-se alvos do “Gabinete do ódio”. Nos últimos dias, a Positivo vem sendo
torpedeada com boatos de que teria sido vendida para a chinesa Lenovo.

Ao que tudo indica, o objetivo da fake news é atingir a Justiça Eleitoral, sob o comando do ministro Luis Roberto Barroso. Postagens já recolhidas pelo STF insinuam que os chineses vão controlar as eleições brasileiras, com o beneplácito do TSE. Mais uma vez, os autores da fake news valem-se do expediente de contar uma mentira falando verdades. Para construir o raciocínio, citam que a Positivo ganhou licitação do TSE para a produção de 180 mil urnas eletrônicas, o que de fato ocorreu. Segundo o RR apurou, alguns perfis chegaram a postar no Facebook e posteriormente apagar mensagens chamando a empresa de “laranja” do governo chinês e insinuando pagamentos ilegais no exterior.

Procurada, a Positivo reconhece as publicações nas redes sociais, mas “desmente o rumor de que foi vendida à Lenovo”. Sobre as investigações da procedência das postagens, a empresa diz que “não tem informações a respeito”. O rocambolesco enredo mistura sinofobia e  suspeições contra a Justiça Eleitoral e as urnas eletrônicas, sabidamente dois temas que habitam o ideário bolsonarista. Bem ao seu estilo, o próprio Jair Bolsonaro já afirmou ter provas de fraudes no sistema de votação, sem jamais apresentá-las.

Em tempo: há ainda um personagem que ajuda a colocar mais algum tempero nessa história: o híbrido de empresário e político Oriovisto Guimarães, fundador da Positivo. O senador, ressalte-se, costuma adotar uma postura crítica em relação a Bolsonaro. Na saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça, Oriovisto atacou o governo e a interferência política na PF e se disse “fã absoluto” do ex-superministro que virou adversário figadal de Bolsonaro. Perguntada se vê alguma conexão política nos ataques, a Positivo afirma que o senador “deixou em 2012 a gestão e a sociedade do grupo. Logo a empresa não pode afirmar o que gerou as postagens sobre as notícias falsas”. Mesmo após transferir suas ações para os filhos, a imagem de Oriovisto está visceralmente ligada à companhia. Talvez o “Gabinete do ódio” tenha unido a fome à vontade de comer ao juntar o TSE de Barroso e a Positivo no mesmo algoritmo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.07.20

Fake news

O deputado Artur Lira, uma espécie de secretário adjunto da Articulação Política do Palácio do Planalto, tem trabalhado dia, sim – e o outro também – para derrubar o projeto de lei das fake news no Congresso. Para ganhar tempo, estaria articulando com outras lideranças do Centrão para que o PL, já aprovado no Senado, somente seja votado na Câmara após a realização de uma série de audiências públicas. De preferência, que não terminem nunca.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.06.20

Verdade, matéria-prima da mentira

A “pandemia digital” consegue produzir mentiras até mesmo com verdades. A CPI das Fake News investiga a origem de um texto com 268 palavras, todas copiadas ipisis litteris por milhares de perfis no Facebook, atacando a imprensa por não publicar notícias favoráveis ao governo Bolsonaro. A mensagem, disseminada na semana passada, cobra da mídia a divulgação de quatro informações, entre elas a arrecadação de R$ 2,3 bilhões com outorgas de aeroportos e a assinatura do decreto que extinguiu 21 mil cargos comissionados no serviço público federal. De fato, todos os eventos ocorreram, mas em março.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.06.20

Brasil já foram 200

O Brasil 200 está perdendo fôlego. A exemplo de Flávio Rocha, herdeiro das Lojas Riachuelo, outros dois empresários teriam se afastado do movimento nos últimos dias. Em meio à acusação do STF de que integrantes do Brasil 200 seriam financiadores de uma rede de fake news, crescem também as divergências com o líder do movimento, Gabriel Kanner, sobrinho do próprio Rocha.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Tempos difíceis para Luciano Hang, dono da Havan e investigado por supostamente financiar uma rede de fake news. Funcionários da rede varejista em Santa Catarina teriam encaminhado ao Ministério Público do Trabalho denúncias de que empregados do grupo de risco, notadamente pessoas com mais de 60 anos, seguiriam trabalhando mesmo com as determinações em contrário das autoridades de saúde. Consultada, a empresa informa que “não recebemos qualquer notificação ou temos notícia de supostas denúncias”. Cabe lembrar que algumas lojas da Havan foram fechadas por descumprir decretos de quarentena. Além disso, a rede varejista de Hang, um dos empresários mais próximos a Jair Bolsonaro, também encontrou um jeitinho de seguir na ativa: passou a vender arroz e feijão para caracterizar serviço essencial.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.05.20

Fake news

Governadores do Nordeste estão montando um dossiê com as “fake news” de que têm sido alvo e os perfis propagadores de ataques nas redes sociais. O material será enviado ao ministro Alexandre de Moraes. É mais munição contra o “gabinete do ódio”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.