fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
13.05.20

Exames favorecem o presidente, mas vídeo de reunião ministerial será decisivo

Termômetro

POLÍTICA

Exames favorecem o presidente, mas vídeo de reunião ministerial será decisivo

Revelação de que exames do presidente Jair Bolsonaro para detectar a presença de coronavírus deram negativo ajudará a galvanizar sua base de apoiadores e fortalecerá seu discurso diante da mídia, amanhã, em meio ao embate com o ex-ministro Sergio Moro. Mas está longe de ser suficiente para tirar o fôlego de especulações acerca do vídeo de reunião ministerial na qual Bolsonaro teria mostrado querer intervir na PF.

O tema continuará a crescer nesta quinta, alimentando temor de impeachment e fazendo aumentar – e muito – a conta a ser paga ao Centrão. A não ser que o conteúdo do vídeo seja divulgado e se mostre aquém dos relatos bombásticos apresentados até o momento, o grande prejudicado no processo será o ministro Paulo Guedes. O que resta da política de controle de gastos – a começar pelo veto ao reajuste do funcionalismo público – seria sacrificado em negociações com parlamentares.

ECONOMIA

Retomada da indústria na China, desemprego nos EUA

Indicadores internacionais amanhã devem trazer panorama dúbio: por um lado, novos pedidos de seguro desemprego nos Estados Unidos (semanais) devem seguir altos, acima de 2 milhões; por outro estima-se que a produção industrial chinesa em abril apresente crescimento na faixa de 1,5%, após tombo em fevereiro (sobretudo) e março.

Ainda que haja receio de segunda onda de contaminação no país, o número representaria importante alento quanto a possibilidades de retomada econômica da Europa e dos EUA após o controle da disseminação da doença.

Também na China dados do varejo, ao que tudo indica, ainda trarão queda (em torno de – 7%), mas abaixo do registrado em fevereiro (- 20,5%) e março (- 15,8%).

No Brasil, destaque para os dados regionalizados da Pesquisa Industrial Mensal (IBGE) de março, que mostrarão os estados mais afetados pelo recuo de 9,1% já anunciado na produção para o mês, nacionalmente. A depender de como a queda se divida, pode ser um fator no embate político entre o presidente e os governadores (especialmente os de São Paulo e Rio de Janeiro).

INSTITUCIONAL

Ministro da Saúde no limbo

Nova crise na saúde se avizinha com desgaste crescente do ministro Nelson Teich, que não consegue se articular com estados e municípios nem agradar aos apoiadores do presidente. Se Bolsonaro aprofundar o discurso contra o isolamento social, nos próximos dias, tendência é de que o ministro seja jogado em um limbo político institucional, tonando-se quase uma figura de fachada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.05.20

Conflito com o STF e os governadores; Guedes ainda na corda bamba

Termômetro

INSTITUCIONAL

Conflito com o STF e os governadores; Guedes ainda na corda bamba

O Presidente Bolsonaro, ainda que busque aparências mais institucionais, aprofundará o conflito com o STF e os estados, nos próximos dias, ao mesmo tempo em que abrirá crescente espaço no governo para o Centrão e para os militares.

Será sua única alternativa diante do crescimento vertiginoso do impacto tanto econômico quanto de saúde pública do coronavírus, somado às investigações que o atingem. Nada aponta, no entanto, para a reabertura econômica “na marra”.

O presidente investirá na ampliação de serviços essenciais, mas não conseguirá reverter no Supremo a autonomia de estados – que já ensaiam lockdown, em alguns casos. E parece interessado em manter dubiedade no próprio governo federal, já que, apesar de suas movimentações, o ministério da saúde não caminha para nenhuma medida concreta de flexibilização no isolamento – pelo contrário, até o momento.

Em outro polo estratégico estará a posição do ministro Paulo Guedes. O presidente Bolsonaro, pelo alinhamento com o Centrão e a aproximação com ministro militares que defendem ampliação de investimentos públicos, terá dificuldade de manter apoio à linha do ministro da economia. A tendência é de que se ampliem, como tem ocorrido nas ultimas semanas, idas e vindas de Bolsonaro, ora enfraquecendo Guedes, ora o defendendo publicamente.

ECONOMIA

O desemprego nos EUA pode se aproximar da Grande Depressão

Serão divulgados amanhã os dados gerais para o emprego nos EUA em abril. Segundo previsões, os reflexos do coronavírus no mês serão devastadores, com a taxa de desemprego alcançando a faixa de 16%, próxima da Grande Depressão. Se confirmados, os números influenciarão o processo político eleitoral norte americano e tendem a alimentar as movimentações do presidente Trump visando acelerar a flexibilizarão do isolamento social.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.05.20

Governo mais forte no Congresso X Enfraquecimento de Paulo Guedes?

Termômetro

POLÍTICA

Governo mais forte no Congresso X Enfraquecimento de Paulo Guedes?

Projeto de auxílio aos estados se manterá como pauta política central nesta quinta, agora de volta ao Senado, após novas mudanças na Câmara. O presidente da Casa (e relator do projeto), Davi Alcolumbre, recuou da decisão de reincluir professores no congelamento de salários de servidores públicos por 18 meses, mas iniciativa parece, até o momento, mais ligada a negociações com o próprio governo do que com o presidente da Câmara Rodrigo Maia.

Nesse sentido, os próximos dias serão importantes para definir o equilíbrio de poder no Congresso e o avanço de iniciativa do presidente Bolsonaro, que busca isolar Rodrigo Maia com apoio do Centrão (que já começa a ganhar cargos no governo) e articulação com senadores.

O outro ponto importante serão as consequências de negociações acerca do projeto para o ministro Paulo Guedes. Ele pode perder terreno, novamente, para alas “desenvolvimentistas” do governo, que defendem aumento de gastos e tem como base os ministros militares, articulados com o ministro de Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e o próprio Centrão.

Paralelamente, aumentará a pressão sobre o presidente Bolsonaro com a curva ascendente de mortes por coronavírus. Pelo segundo dia seguido foram registrados mais de 600 óbitos no país.

ECONOMIA

Juros abaixo do esperado no Brasil; desemprego nos EUA

No Brasil, o dia será marcado pelo efeito – e análises – sobre o corte acima do esperado na taxa de juros, que foi para 3%.

Internacionalmente, terá impacto amanhã a divulgação dos pedidos de seguro desemprego nos EUA para a primeira semana de maio. Ainda que abaixo dos 3,838 milhões da semana passada, número deve se manter alto, na casa dos 3 milhões, o que levará o total de pedidos das últimas semanas a ultrapassar a marca de 30 milhões. Também nesta quinta está prevista a Balança Comercial da China para abril. Estima-se queda na faixa de 12% em importações e entre 12% e 15% em exportações.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.05.20

Corte da Selic e forte retração nos EUA e Europa em março/abril

Termômetro

ECONOMIA

Corte da Selic e forte retração nos EUA e Europa em março/abril

Sairá amanhã o resultado de reunião do Copom: expectativa é de corte de 0,5% na Taxa Selic, que iria de 3,75% para 3,25%, com sinalização de novo recuo em junho. Ainda que a medida perca impacto em função da crise econômica, deve ser bem recebida pelo mercado.

O panorama será prejudicado, no entanto, pelo anúncio de uma série de números negativos nos EUA e na Europa, caso se confirmem no patamar esperado. Destaque para o Relatório de Emprego Privado Não Agrícola (ADP) nos EUA em abril, que deve trazer queda pesada. O relatório é considerado uma prévia do balanço geral de empregos no país (payroll), previsto para sexta feira.

Na Europa, serão veiculados nesta quarta os números das Encomendas à Indústria na Alemanha e das Vendas no Varejo na zona do Euro, para março, e, para abril, do PMI de Serviços de Alemanha, França e zona do Euro e do PMI de Construção no Reino Unido.

A tendência é de retração vertiginosa de todos os indicadores, com corte pela metade, em média, nos PMIs de serviços e construção e recuo na casa de – 10% nas Vendas no Varejo e nas Encomendas à Indústria.

O contraponto deve vir de continuidade de recuperação nos números de serviços da China, cuja divulgação ficou para amanhã.

POLÍTICA

Intervenção na PF e jogo entre Câmara e Senado

Na política, atenções continuarão voltadas, nesta quarta, para dois temas centrais:

  • Troca de acusações entre o ex ministro Moro e o presidente, alimentada por liberação pelo STF de depoimento de ministro militares e de requisição de video de reunião na qual Bolsonaro teria solicitado relatório confidencial da PF; bem como por diligencias para apurar mudança na superintendência da PF no Rio;
  • Votação na Câmara de projeto de auxilio a estados alterado no Senado. Estará em jogo, nesse caso, a relação entre Maia e Alcolumbre, a atuação de um Centrão recentemente cooptado pelo governo e o posicionamento de estados do Sul e do Sudeste, prejudicados por mudanças implementadas no Senado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.20

Economia e isolamento social

Termômetro

POLÍTICA

Economia e isolamento social

Os próximos dias verão se aprofundar o debate sobre cronograma para afrouxamento de medidas de isolamento, visando retomada econômica, não somente no Brasil como nos Estados Unidos e na Europa.

O movimento terá como pano de fundo, no entanto – e fator decisivo – a curva do coronavírus. A aposta mais certa não é de nenhuma ação imediata ou mesmo no curto prazo e, sim, de diretrizes que apontem nesse sentido, como tenta fazer, com idas e vindas, o presidente Trump.

A Europa parece em estágio mais avançado, com recuos na curva de contaminação, enquanto os EUA tem batido recordes diários de mortes e, no Brasil, espera-se forte crescimento de casos ao longo do mês de abril, cenário que pode ficar patente já no final de semana e inicio da semana que vem. Permanece em aberto, ainda, qual será a linha adotada pelo novo ministro da saúde e como ele lidará com o conflito entre o presidente e a ampla maioria dos governadores.

Congresso unido?

Se união de Câmara e Senado no repúdio a ataques do presidente Bolsonaro a Rodrigo Maia se confirmar na votação de pautas importantes para o governo – como já ocorreu hoje com a MP do contrato verde amarelo – tendência é de que o Planalto perca o controle das medidas de estímulo econômico. O grande teste será a votação, no Senado, de projeto de auxílio a estados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.04.20

Os projetos de estímulo

Termômetro
ECONOMIA
 

Os projetos de estímulo

Pode ser aprovado ainda hoje no Senado o “Orçamento de Guerra”, que libera R$ 700 bilhões do orçamento de 2020 para gastos no combate ao coronavírus. Apesar de permitir a compra de créditos pelo Banco Central, senadores limitaram a autonomia do BC para esse tipo de operação. Em função dessa alteração, assim que aprovado o projeto voltará a Câmara – onde deve passar. Ao mesmo tempo em que vai ampliar capacidade de gastos federais, o orçamento de guerra dará forte poder de controle para o Congresso.
Em outro passo na disputa com o governo federal pela condução econômica durante a crise, estará em pauta na Câmara, nesta quinta, projeto que estende o benefício de R$ 600 a trabalhadores informais e intermitentes e prevê ainda o pagamento de três salários mínimos mensais a trabalhadores com carteira assinada, enquanto durar o estado de calamidade.

China, EUA e Alemanha

Nos Indicadores, destaque amanhã para a China, com expectativa pelos números do PIB Trimestral, de Vendas no Varejo (março) e da Produção Industrial (março). Queda deve ser generalizada, com forte tombo do PIB. Mas tudo indica que a atenção se voltará para os sinais positivos, com recuos bem menores que os de fevereiro (em torno de – 10% contra – 20,5% no varejo e de – 7,3% contra – 13,5% na produção industrial.
Já nos EUA, que puxaram mercados para baixo hoje, o índice de Atividade Industrial do FED da Filadélfia (abril), as Licenças para Constrição (março) e os Pedidos de Seguro Desemprego (balanço semanal) devem trazer novamente dados bastante negativos. O mesmo vale para o Índice Ifo de Clima de Negócios da Alemanha (abril), que deve apresentar recuo em torno de 10 pontos (de 86 para 77).
POLÍTICA

 

O nome para a saúde

Situação do ministro da saúde, em aberta divergência com o presidente, não terá como se sustentar, mas a grande questão, nesta quinta, serão os nomes aventados para substitui-lo. O jogo do presidente diminuiu a pressão dentro do governo e parte da mobilização social pela permanência de Mandetta, mas reação institucional – e no mercado – pode ganhar novo impulso a depender do caminho indicado. O nome do ex ministro Osmar Terra, por exemplo, seria desastroso.
Aposta, hoje, seria em escolha mais técnica, como o diretor-geral do Centro de Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês, Roberto Kalil Filho, ou o número dois do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis. Um ponto no entanto é certo: qualquer mudança causará turbulência política e tende a aumentar o desgaste do presidente, especialmente se os casos e mortes por coronavírus continuarem aumentando. Esse panorama será ainda alimentado por decisão no STF que dá a estados autonomia sobre medidas de isolamento social.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.04.20

O Senado e a liderança na reação ao coronavírus

Termômetro

POLÍTICA

O Senado e a liderança na reação ao coronavírus

 

A reação do Senado a projeto de ajuda a estados apresentado hoje pelo ministério da economia pode definir a relação entre o governo e o Congresso durante a pandemia de coronavírus. O Planalto oferece R$ 77 bilhões (R$ 40 bilhões em novos recursos e e R$ 27,4 bilhões em suspensão de dívidas) como tentativa de evitar a aplicação de medida aprovada ontem pela Câmara, que tem como peça central a reposição de perdas de arrecadação com ICMS e ISS.

Estará em jogo, na verdade, a condução do programa de estímulo econômico e a liderança em articulação com os estados.

 

ECONOMIA

Varejo e indústria nos EUA e panorama global

 

Nos indicadores, destaque amanhã para números dos EUA, com a divulgação das Vendas no Varejo para março (previsão de forte queda, na casa de -8%); da Produção Industrial também para março (recuo na ordem de -4%) e do índice Empire State de Atividade Industrial de Nova Iorque (deve vir em torno de -35 pontos, após -21,50 em março). Dados negativos já são esperados, mas terão impacto no mercado, especialmente se vierem acima do previsto, como tem ocorrido repetidamente desde o início da pandemia de coronavírus.

Os números alimentarão, ainda, debate crescente nos EUA sobre definição de um cronograma para diminuição de medidas de isolamento social e reativação econômica, aventado pelo presidente Trump. A ideia causa polemica e recebe críticas de governadores, especialmente o de Nova Iorque. Na área de infectologia, comandada pelo Dr. Anthony Fauci, o diagnóstico é de que o país, tanto pela curva do vírus quanto pela incapacidade de realizar testes em massa, ainda não tem condições de amenizar medidas de controle.

Paralelamente, situação deve evoluir na Europa: apesar do recorde de mortes na França, o número de internações no país diminuiu e os números gerais tendem positivamente na Espanha e na Italia. Na China, apesar de riscos de segunda onda de contaminação, tudo indica que a economia manterá recuperação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.04.20

Petróleo e energia

Termômetro

ECONOMIA

Petróleo e energia

 

A confirmação ou não de corte entre 10 e 15 milhões de barris de petróleo em acordo entre Arábia Saudita e Rússia, antecipada hoje pelo presidente Trump, deve ser o fator central nos mercados globais, amanhã. Se o corte for efetivado, impulsionará não somente o setor de Óleo & Gás (Petrobras à frente, no Brasil, e gás de xisto nos EUA) como o de biocombustíveis e energias renováveis. Ao mesmo tempo, alimentará tendência de interrupção no ciclo de baixa nos preços da gasolina, diesel e, mais recentemente, GLP, internamente. O impacto no mercado seria diluído ao longo da próxima semana, no entanto, em função de enorme queda no consumo mundial.

Medidas trabalhistas

 

Paralelamente, no Brasil o foco se aprofundará para o programa de proteção ao emprego, que prevê redução de jornada entre 25% a 70%, com compensação do governo federal para trabalhadores. Como no caso da bolsa de R$ 600 para informais, o ponto de interrogação será a capacidade que o governo terá para desenvolver o programa na mesma velocidade em que se fazem sentir os impactos da paralisação econômica, que já provoca rescisões de contrato e milhares de demissões.

No caso de medidas trabalhistas, o Judiciário será “parceiro” importante, assim como o Congresso, já que haverá questionamentos judiciais. O processo vai fortalecer a liderança de Rodrigo Maia, que terá papel importante na aprovação e na aplicação do “orçamento de guerra”, prevista para os próximos dias.

Nesta sexta feira o Senado votará, ainda, proposta que suspende prazos contratuais até 30 de outubro deste ano  devem ser excluídos, em negociações de última hora, os aluguéis residenciais.

O grau da retração econômica em março – EUA à frente

 

Sai amanhã um panorama das economias norte-americana e europeia já do mês de março, que deve refletir os duros impactos gerados pelo coronavírus  e parcialmente precificados pelo mercado.

O destaque será o Relatório de Emprego dos EUA, que deve registrar forte recuo. Estima-se uma perda na casa de 100 mil empregos (frente à criação de mais de 273 mil em fevereiro), mas se o número vier muito acima disso, o que não se pode descartar, efeito nas bolsas globais será mais forte ao logo do dia. Ainda nos Estados Unidos, teremos a taxa de desemprego, o PMI Composto (Markit) e o PMI de Serviços (ISM). A expectativa é de retração significava nos serviços e aumento de pelo menos 0,3% no desemprego (de 3,5% para 3,8%). Mas pode haver surpresas.

Já na Europa, serão divulgados nesta segunda o PMI Composto e de Serviços (Markit) para a Zona do Euro e Alemanha, fechados. Os números devem confirmar a pesada queda já antecipada no final de março. As Vendas no Varejo para a Zona do Euro também saem nesta sexta, mas ainda relativas a fevereiro. Estima-se crescimento de 0,1%, frente a 0,6% em janeiro.

Retomada na China e adaptação da indústria

 

Dois fatores centrais para expectativas econômicas, que terão efeitos de médio e longo prazos, mas acerca dos quais já haverá sinais importantes nos próximos dias, serão:

1) A capacidade da China  e de países como Coreia do Sul  para retomar a produção industrial e restabelecer algum tipo de normalidade, ainda que com medidas de distanciamento e controle social. Em termos industriais, as indicações são positivas, mas será preciso observar se a curva de contaminação voltará a subir com o relaxamento de medidas e a tentativa de impulsionar a economia. Esse fator se refletirá nas expectativas acerca da recuperação do restante do mundo;

2) Os movimentos, nos EUA, na Europa e no Brasil, para adaptar a produção industrial  tanto de grandes quanto de pequenas e médias empresas  para insumos médicos, como respiradores e máscaras. O efeito  imenso  será não apenas na saúde, mas na criação de uma válvula de escape para a indústria.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.03.20

Mandetta e um governo paralelo?

Termômetro

POLÍTICA

Mandetta e um governo paralelo?

 

Em termos político institucionais, a grande questão amanhã será a reação do presidente Bolsonaro – e da própria estrutura do governo – à primeira coletiva dada em novo formato, com seis ministros.

Ainda que o objetivo, especula-se, fosse diminuir o protagonismo do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o resultado será o inverso. Mandetta contrariou enfaticamente todas as diretrizes defendidas pelo presidente da República, sem negar o atrito entre eles, e pareceu assumir a liderança no planejamento do governo (mesmo que tenha sido o último a falar).

Fez questão de ressaltar, justamente, a articulação com os estados – no que foi secundado pelo ministro da Infraestrutura -,  chegou a dizer que, nessa hora, não há governo e oposição e enfatizou algumas vezes a situação dramática dos EUA,  cujo exemplo é caro ao presidente Bolsonaro, por sua proximidade com o presidente Trump.

As opções, nesta terça, são limitadas: ou Bolsonaro assume a difícil tarefa de demitir o ministro em meio à crise, ou recua – o que parece, hoje, quase impossível -,  ou estará em curso uma espécie de governo paralelo, no qual Mandetta e os ministros assumem a gestão, em articulação com o Parlamento e governadores, enquanto o presidente atuará apenas no campo da retórica.

 

INSTITUCIONAL

Aumento de casos, logística e apoios aos informais

 

Os próximos dias se voltarão para a implementação de apoio de R$ 600  para trabalhadores informais, aprovado hoje pelo Senado e que vai para sanção presidencial; para articulação entre governo federal e estados visando manter o funcionamento dos serviços essenciais; e para a forte ampliação na quantidade de testes do coronavírus, anunciada hoje.

Como ocorreu com os EUA, esta última medida deve elevar exponencialmente o número de infectados (ao mesmo tempo em que diminuirá o índice de letalidade da doença), o que terá impacto sobre a opinião pública e as percepções econômicas.

 

ECONOMIA

Os números de março  EUA em crise

 

Estão previstos para amanhã, no Brasil, a PNAD Contínua de fevereiro (IBGE), o Índice de Confiança Empresarial (ICE/FGV) e o Índice de Incerteza da Economia (IIE-Br/FGV), ambos de março. Já no exterior devem sair, também para março, a Confiança do Consumidor dos EUA, a taxa de desemprego na Alemanha e o PMI Industrial na China.

No caso do Brasil, estima-se que PNAD seja essencialmente um retrato pré-crise do coronavírus, sem uma oscilação mais forte. Já o ICE/FGV e o IIE-Br tendem a ser muito negativos, refletindo o momento atual  embora ainda não deem a medida da queda efetiva na atividade econômica, particularmente no setor de serviços, que será pesada em março.

Os efeitos no mercado devem vir mais fortemente dos números internacionais. Nos EUA, que viverão ciclo de intensa retração nos meses de março/abril, a expectativa é de que a Confiança do Consumidor desabe. Na Alemanha, o número de desempregados também deve apresentar crescimento significativo.

O contraponto  importante  pode vir da China, de onde se espera sinais de recuperação na produção industrial. Seria uma espécie de farol em momento no qual a economia ocidental está parcialmente paralisada. E com impactos para a saúde  diretos para o Brasil  já que o gigante asiático é exportador de máscaras e testes para o coronavírus.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.03.20

Volatilidade nos mercados

Termômetro

ECONOMIA

Volatilidade nos mercados

Após semana de recuperação em mercados globais, em função sobretudo do pacote de estímulo de US$ 2 trilhões dos EUA (que foi assinado hoje pelo presidente Trump), a queda nessa sexta-feira indica que a próxima semana começará com maior volatilidade.

A injeção de recursos tende a servir como âncora para evitar o descontrole que marcou as semanas anteriores, quando houve a realização dos drásticos efeitos da pandemia do coronavírus na economia global. No Brasil, inclusive, as medidas de maior escopo começaram a ser anunciadas nos últimos dias  como o “coronavucher”, a liberação de R$ 40 bilhões em crédito para pequenas e médias empresas pelo BC e a própria declaração do ministro Guedes, afirmando que, no total, serão injetados R$ 700 bilhões na economia para mitigar os efeitos do vírus. Terão impacto positivo internamente, no início da semana que vem, especialmente se o dinheiro começar a fluir.

A maior instabilidade, no entanto, deve vir:

1) De dados mostrando os pesados efeitos econômicos já auferidos. Na segunda-feira, dentre outros indicadores, saem as Vendas Pendentes de Moradias nos EUA em fevereiro, que devem trazer forte queda. Na Europa, o Indicador de Confiança na Economia de março também deve vir muito negativo. No Brasil, a Sondagem de Serviços de março (FGV) deve trazer pesado recuo, o Boletim Focus apresentará nova queda em projeções do PIB e há ainda os Resultados do Tesouro de fevereiro.

A possibilidade de contraponto seria a indicação de alguma retomada na China, com o anúncio, segunda-feira, do PMI Industrial de março;

2) Do avanço do vírus na Europa e, possivelmente até mais, nos EUA, com destaque para Nova York.

No contexto geral, o que se aguardará com mais ansiedade serão os primeiros sinais claros de que a curva de contágio começa a se arrefecer na Europa, o que teria efeitos mais duradouros na bolsa, ainda que a depender da evolução da doença nos EUA no final de semana e início da semana que vem.

 

INSTITUCIONAL

Guerra declarada deve preservar a economia

No Brasil, nada indica o arrefecimento da guerra institucional capitaneada pelo presidente Bolsonaro, que buscará ampliar o apoio popular para um plano ainda não muito claro do chamado “isolamento vertical”. As medidas econômicas não devem ser afetadas – no máximo haverá cobrança por maior injeção de recursos da parte de governadores e Congresso.

Mas tanto politicamente quanto na Saúde, os atritos tendem a se proliferar pela divergência de diretrizes públicas pregadas entre o Planalto e diversos estados e municípios; pelo aumento de matérias de teor mais “pessoal” na mídia, com foco em dificuldades de médicos, hospitais e pacientes; e pela dificuldade que o ministro Mandetta terá para se equilibrar entre o presidente e os secretários estaduais de saúde.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.