fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
15.10.21

Briga acirrada

Segundo o RR apurou, ainda no mês de outubro a EDP Brasil vai bater o martelo da venda das hidrelétricas Santo Antônio do Jari e Cachoeira Caldeirão, ambas no Amapá, e Mascarenhas, em Minas Gerais. Votorantim Energia e Eneva estariam na disputa. Consultada, a EDP não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.08.21

Tudo azul

A produção de gás no campo de Azulão, no Amazonas, está apresentando resultados acima dos estimados pela Eneva. A ponto de os franceses já cogitarem uma redução dos investimentos previstos para novas perfurações na área, comprada da Petrobras em 2017.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.09.19

Gás 2

A Eneva, antiga MPX, joga suas fichas no gás. Segundo o RR apurou, vai investir R$ 2 bilhões em geração térmica no Brasil ao longo dos próximos três anos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.10.15

Moreira Salles é o fiel da balança da Parnaíba Gás Natural

  O presidente do Conselho de Administração do Itaú Unibanco, Pedro Moreira Salles, utiliza hoje as instalações do banco mais para tratar dos seus negócios pessoais do que para qualquer outra coisa. Com a discrição que lhe é peculiar, o banqueiro está debruçado sobre uma articulação para a saída da Eneva da Parnaíba Gás Natural , empresa que controla por meio da Cambuhy Investimentos. A operação permitiria a chegada da franco-belga Engie, antiga GDF Suez. A própria Cambuhy abriria mão de parte de suas ações, passando a dividir o controle da Parnaíba com a Engie.  O ímpeto de Moreira Salles em desalojar a Eneva é proporcional à inapetência dos alemães, leia-se o Grupo E.On, em aportar novos recursos no negócio. A chegada da Engie traz a reboque a promessa de uma substancial capitalização da companhia. A injeção financeira é fundamental para a Parnaí- ba cumprir seu programa de investimentos da ordem de R$ 1,5 bilhão. A maior parte desta cifra se refere à exploração dos blocos na Bacia do Parnaíba, considerado o eldorado do gás natural. Moreira Salles quer reduzir a exposição da Cambuhy a um negócio de alto risco. Seus sócios na companhia de investimentos criada em 2011, com capital de US$ 1 bilhão – entre eles o ex-BC Pedro Bodin – agradecem.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.04.15

BTG vs. Eneva

Maior credor da Eneva, o BTG Pactual tem sido o principal empecilho a  operação de aumento de capital da empresa proposta pela alemã E.on, sua controladora. Não custa lembrar que o banco de André Esteves já provisionou em balanço quase R$ 300 milhões em créditos contra a companhia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.