fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
21.09.20

Desculpas que é bom, nem pensar

A Lava Jato terá um “cantinho” especial na campanha eleitoral do PT. A cúpula do partido tem orientado candidatos a prefeito a descarregar suas baterias no Ministério Público, em especial em Deltan Dallagnol. Os petistas querem se aproveitar do enfraquecimento da Operação e dos processos contra Dallagnol dentro do próprio MP para desqualificar a Lava Jato e a criminalização do partido, em especial de Lula.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.09.20

Um “levante” no Ministério Público

A punição disciplinar a Deltan Dallagnol, por postagens contra Renan Calheiros, aumentou a temperatura no Ministério Público. O RR apurou que um grupo de procuradores articula para os próximos dias a publicação de um manifesto de desagravo a Dallagnol e de apoio às forças-tarefas, especialmente a Lava Jato, e contra a “caça às bruxas” dentro do MP. A maior parte dos “insurretos” se concentra no Paraná, como não poderia deixar de ser, e em Brasília. Os artífices do movimento ainda discutem a dosimetria do protesto, especialmente no que diz respeito às menções ao PGR, Augusto Aras. No entanto, segundo um dos procuradores relatou ao RR, “é preciso reagir o quanto antes ao ‘macarthismo’” – ou seria “bolsonarismo”? – instaurado no Ministério Público. A mobilização teria ainda um caráter profilático: seria uma forma de constranger o Conselho Nacional do Ministério Público (CNPM) e evitar uma sucessão de punições a Dallagnol. O procurador é alvo de mais oito processos no CNPM. A pena de censura imposta a ele na última segunda-feira pode ser usada como agravante nas demais ações e levar até a suspensão de suas funções.

Em tempo: aliados de Deltan Dallagnol no Ministério Público enxergaram as digitais de Augusto Aras no voto do relator Otávio Luiz Rodrigues Júnior, do CNMP, favorável à sua punição. Procuradores ouvidos pelo RR chegaram a destacar trechos da peça e compará-los a entrevistas e discursos de Aras, a começar pelo mandamento do PGR de que “um membro do MPF só deve se manifestar sobre os processos em que atua no uso das suas atribuições.”

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.09.20

Pressão sob medida

O RR apurou que os 13 integrantes da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba cogitaram seguir Deltan Dallagnol e abandonar a operação. Blefe ou não, recuaram após a confirmação de que a força-tarefa será estendida por mais um ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.08.20

“Habeas corpus” para Dallagnol

Os “astros” parecem estar conspirando a favor de Deltan Dallagnol. Depois da decisão do ministro Celso de Mello, que suspendeu dois processos no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o chefe da força-tarefa da Lava Jato poderá também se livrar  da terceira ação contra ele. Segundo o RR apurou, há um entendimento no colegiado de que a ação contra Dallagnol por causa do famoso “Power Point” contra o ex-presidente Lula deve ser automaticamente arquivada sem ser julgada. O cancelamento seria uma consequência da prescrição das penas de advertência ou censura contra o procurador, uma vez que as acusações já têm mais de quatro anos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.08.20

Procuradoria Geral x Suprema Corte

Ontem, assessores diretos do procurador geral da República, Augusto Aras, disparavam críticas aos “dois pesos e duas medidas” de Celso de Mello. O motivo foi a decisão proferida pelo ministro do STF na última segunda-feira, suspendendo ações contra Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, no Conselho Nacional do Ministério Público. Colaboradores do anti-lavajatista Aras lembravam que, no ano passado, o mesmo Celso de Mello decidiu que não cabia ao Supremo, mas, sim, ao próprio Ministério Público, investigar a conduta de Dallagnol. Ou seja: Mello teria apagado o que escreveu, interferindo em um assunto da alçada do MP. Como se já não houvesse tensão institucional de sobra…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.08.20

Lava Jato 2

Diante dos sinais de fenecimento da Lava Jato, Alvaro Dias sonha em lançar candidatura de Deltan Dallagnol ao Senado pelo Podemos, em 2022. Dias tem obsessão pela República de Curitiba. Em 2018, durante a campanha, convidou Sergio Moro para o Ministério da Justiça. Levou um “não”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Deltan-Dallagnol
18.03.20

Da Lava Jato para as urnas?

A desolação de Deltan Dallagnol com o fade out da Lava Jato, expressa em recentes entrevistas, encheu Alvaro Dias de esperança. Dias está convicto de que agora consegue fisgar o procurador e convencê-lo a disputar a Prefeitura de Curitiba pelo Podemos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.12.19

O plano do MPF

A saúde de Deltan Dallagnol e cia. está garantida. O TCU avalizou uma dotação suplementar para cobrir o rombo do Programa de Saúde e Assistência Social do Ministério Público da União. O déficit do plano de medicina de grupo do MPF fechou 2018 com déficit de R$ 37 milhões. Para 2019, o resultado negativo projetado é de R$ 51 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.11.19

Pena sob medida

A dosimetria da punição a Deltan Dallagnol foi cuidadosamente calculada pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). A pena de advertência aplicada pelo CNPM mantém Dallagnol como um “ficha limpa”, apto a uma futura promoção por merecimento. Caso recebesse uma sanção de censura, ele perderia esse direito, de acordo com o Artigo 200, 1º e 2º parágrafos do estatuto do MPF

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.11.19

O último cartucho de Dallagnol

A Rádio Ministério Público informa que, ontem, até o início da noite, Deltan Dallagnol se movimentava junto ao TRF4 e ao STJ na tentativa de suspender o processo administrativo do qual é alvo no Conselho Nacional do MPF. Pouco provável que tenha sucesso. Além do tempo exíguo – o julgamento está previsto para hoje –, é difícil que uma instância inferior vá na contramão do STF. O ministro Luiz Fux derrubou a liminar que impedia a tramitação do processo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.