fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
13.12.21

Sangue latino

A Dasa avança a passos largos em seu processo de internacionalização. Após abrir laboratórios na Argentina e no Uruguai, a empresa prepara sua entrada no Chile e na Colômbia. É projeto para o primeiro semestre de 2022. Consultada, a empresa não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.10.21

Dinheiro novo na veia

A rede de laboratórios Dasa estaria preparando uma nova oferta de ações. Na mais recente, em abril, levantou R$ 3,3 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.06.20

Sangue quente

A rede de laboratórios Dasa estaria preparando uma nova oferta de ações. Se há um setor fervendo na pandemia é o de medicina diagnóstica.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.11.19

Mercosul na veia

A Dasa estaria em negociações para a compra de sua segunda rede de laboratórios na Argentina. Em junho, adquiriu o Diagnóstico Maipú. É o começo de um projeto de internacionalização que mira ainda o Chile e o Paraguai.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.09.19

Sangue latino

Nem bem desembarcou na Argentina, com a compra do Diagnóstico Maipu, o Dasa já prepara sua próxima investida internacional. Está em negociações para a aquisição de uma rede de laboratórios clínicos no Chile. O RR apurou ainda que a empresa também avalia ativos na Colômbia e no Peru

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.08.17

Hemograma completo

Os R$ 400 milhões que a Dasa vai captar com a emissão de debêntures já estão carimbados: serão usados para quitar três das mais recentes aquisições da empresa – o Laboratório Médico Santa Luzia, o Laboratório de Pesquisas Clínicas e Bromatológicas e a Usina de Diagnóstico e Alta Performance. Com isso, o caixa da companhia dos herdeiros de Edson Bueno fica como munição para as próximas compras.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.05.17

O esforço da Petros

Após sair do Iguatemi e da Dasa, a Petros avalia a venda da sua participação na Itaúsa. É o esforço para cobrir seu déficit atuarial.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.03.17

Veia entupida

A direção do Fleury promete suar sangue – e abrir o cofre – para adquirir redes de laboratórios no Rio de Janeiro, onde jamais conseguiu superar a rival Dasa. Procurada, a empresa confirmou a abertura de 25 unidades no estado, mas não se pronunciou sobre aquisições.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.09.16

Novo quadro clínico

 A Alliar, empresa de medicina diagnóstica controlada pela Pátria Investimentos e por 75 médicos, vai fazer uma oferta pública de ações para vender 30% do capital. A companhia fatura R$ 1 bilhão por ano, tem 100 unidades de atendimento, comprou 23 laboratórios desde 2011 e é a terceira maior do país, atrás apenas da Dasa e Fleury. Procurada, a Alliar disse que “ainda não se manifestou publicamente sobre o assunto”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.08.16

Maia serve um aperitivo do parlamentarismo branco

 Os principais empresários do país experimentaram as delícias de um semi-parlamentarismo, na última quarta-feira, em Brasília. O Instituto Talento, híbrido de centro de pesquisas e núcleo de articulação política dos dirigentes do setor privado, conduziu sua caravana para uma reunião histórica entre a nata do empresariado e o novo estamento pós-PT. As reuniões com Henrique Meirelles, na parte da manhã, e Michel Temer, à tarde, foram fartamente noticiadas. Pouco se falou, contudo, da reunião com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, esta, sim, a grande surpresa do dia. Antes de colocar tintas mais vivas no episódio, é bom situar quem estava presente na comitiva do Instituto Talento, em ordem decrescente por vulcanização dos neurônios – avaliação por conta e risco do RR: Luiz Carlos Trabuco (Bradesco), Beto Sicupira (Ambev), Pedro Moreira Salles (Itaú -Unibanco), Pedro Passos (Natura), Carlos Jereissati (Jereissati Participações), Vicente Falconi (Consultoria Falconi) Josué Gomes da Silva (Coteminas), Edson Bueno (Dasa) e Jorge Gerdau Johannpeter (Gerdau). O empresário José Roberto Ermírio de Moraes deveria estar presente, mas, por motivos de agenda, deixou ficar para outra oportunidade. Sim, porque deverão ocorrer outros encontros, inclusive para evitar que este inicial se caracterize como um espasmo tão somente.  A primeira das novidades foi a transferência da reunião formal que estava prevista com Rodrigo Maia, na sala da presidência da Câmara dos Deputados, para um almoço descontraído em sua residência oficial. O que estava por vir seria ainda mais surpreendente. Maia recebeu os presentes ao lado do deputado Orlando Silva (PCdoB), ex-ministro dos Esportes de Dilma Rousseff. Exatos dois minutos após as mesuras de praxe, adentrou ao gramado o deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA), uma das vozes mais aguerridas contra a presidente que vai ser julgada pelo Senado Federal, mas também envolvido em caso de propina. O desfile dos líderes seguiu embalado e com intervalos curtos de chegada: André Moura (PSC-SE), líder do governo na Câmara; Heráclito Fortes (PSB-PI); Weverton Rocha (PDT-MA); Rubem Bueno (PPS-PR); e, pasmem, Vicente Cândido (PT-SP). O líder do PT na Câmara é assim e assado com Luiz Inácio Lula da Silva. Os empresários interpretaram sua presença no evento como uma representação do próprio Lula. Mas Maia foi quem deitou e rolou.  Jorge Gerdau, o mais escolado nas práticas de Brasília, disse em bom tom que nunca viu um presidente da Câmara dos Deputados que tivesse convidado todas as lideranças partidárias para uma reunião com empresários – algumas só faltaram porque o convite foi feito de véspera. “No máximo, chamavam uma ou duas”. Não houve conversa de pé de ouvido. Todos sem exceção fizeram uma breve exposição. Os empresários foram convocados a se fazer mais presentes em debate de mérito. Estes, por sua vez, anunciaram que entendem não ser possível reduzir a carga tributária nesse cenário e defendem a preservação das políticas sociais como premissa no ajuste fiscal. O ponto mais alto: os líderes se comprometeram a apoiar todos os projetos voltados a suspender a recessão que assola o país. Depois do almoço, a sensação dos presentes era que o clima seco de Brasília tornou-se arejado, civilizadíssimo. Pelo menos por um dia. Não entrou em pauta a tão almejada revogação de direitos constitucionais em prol da eficiência e da produtividade empresarial. O resultado já estava de bom tamanho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.