fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
29.05.19

Nota alta

A gestora norte-americana CVC Partners, que administra mais de US$ 80 bilhões, estaria em negociações para a compra da Uniasselvi. A rede de ensino, que fatura cerca de R$ 350 milhões por ano, pertence ao trio Carlyle, Vinci Partners e Neuberger Berman. A CVC quer porque quer entrar no mercado brasileiro de educação: recentemente sondou também a Ser Educacional, do empresário Janguiê Diniz.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.11.17

Impasse na venda da Uniasselvi

O impasse em torno de uma dívida de aproximadamente R$ 400 milhões com a Kroton tem adiado a venda da Uniasselvi. O fundo de private equity norte-americano CVC já teria apresentado uma oferta para ficar com as participações do Carlyle e da Vinci Partners na rede de ensino, mas há arestas em relação à assunção do passivo e ao tempo de quitação. A fatura é uma herança da venda da Uniasselvi para o Carlyle e a Vinci. À época, a própria Kroton, então controladora da empresa, financiou parte da negociação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.04.17

O arco-íris da CVC

Jair Bolsonaro que não nos ouça, mas diversidade é a palavra da vez na CVC, seja na estratégia de negócios, seja no target. A companhia pretende investir no segmento de intercâmbio para o público LGBT, inclusive com aquisições. Um dos seus alvos seria o site Viajay. Procurado, o Viajay informou “não ter contrato firmado com a CVC”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.02.17

Carlyle sai às compras no varejo

A estada do Carlyle no capital da CVC chegou ao fim. A gestora norte-americana concluiu a venda em mercado dos 5% que ainda lhe restavam em ações da operadora de turismo. Antes já havia retirado seus dois representantes do Conselho de Administração. Boa notícia para as empresas de varejo que querem um sócio com mais de US$ 180 bilhões em carteira. Segundo o RR apurou, o Carlyle quer usar os recursos amealhados na CVC para aproveitar a baixa dos ativos na área de consumo no Brasil. São aproximadamente R$ 700 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.09.16

Adoecendo

 Corre pelo mercado a informação de que as negociações para a venda da Qualicorp às gestoras norte-americanas CVC e Carlyle emperraram. Não por acaso, nas últimas duas semanas a ação da operadora de plano de saúde caiu 14%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.09.16

Carlyle e Guilherme Paulus em clima de fim de viagem

 O clima entre o Carlyle e Guilherme Paulus, os dois principais sócios da CVC , está de mal a pior. Se antes, ambos divergiam sobre os planos de investimentos para a expansão da operadora de turismo, agora o pomo da discórdia tem a ver com a rede de atendimento. A influência de Paulus na empresa é cadente, verdade seja dita, principalmente após a recente oferta de ações que reduziu ainda mais o seu quinhão societário. Mas o empresário possui o capital simbólico de ter sido o fundador da CVC. O encolhimento no número de pontos de venda no Rio de Janeiro, com a decisão de 22 lojistas de saírem da rede da operadora de turismo, acendeu ainda mais a chama das desavenças em função do impacto na receita. Não é para menos. O número equivale a 30% do total de pontos de venda no estado, o terceiro maior mercado da companhia, atrás de São Paulo e de Minas Gerais. A debandada tem grande potencial de inflamar a relação entre a direção da operadora de turismo e a sua rede de revenda justamente em um momento no qual o setor sofre com o baixo crescimento da demanda. Há um risco de que outros lojistas sigam o roteiro do que está acontecendo no Rio de Janeiro.  Guilherme Paulus estaria creditando à atual gestão da CVC, comandada pelo Carlyle, uma política asfixiante com os lojistas, com direito a metas de desempenho draconianas. A empresa tem exigido expansão de, pelo menos, 10% nas vendas de cada ponto, o mesmo de dois anos atrás, quando o crescimento do setor era de 20%, e independentemente do endereço de atuação, o que torna o negócio assimétrico. A definição dos locais de abertura de lojas também é um problema porque a CVC tem permitido o funcionamento de algumas lojas perto uma da outra, o que acaba gerando concorrência entre elas. O Carlyle não tem dado ouvidos ao sócio e segue usando o torniquete. A operadora de turismo, inclusive, ameaça aplicar multas e até recorrer à Justiça com a alegação de rompimento do contrato de franquia desses lojistas. O Carlyle estaria pagando para ver o que Paulus, lojistas e quem mais for podem fazer. Está em pleno comando da situação e aposta que os resultados virão com a prevista recuperação da demanda no fim do ano. • Procuradas, as seguintes empresas não se pronunciaram ou não comentaram o assunto: CVC.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.08.16

De saída

 Guilherme Paulus está ultimando os preparativos para sair de vez da CVC. Vendeu ações esse mês e reduziu sua participação de 24% para 8% na operadora de turismo. Segundo fonte de uma instituição financeira que participou do negócio, o empresário deverá se desfazer de novos lotes na Bovespa até o fim do ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.01.16

Espelho

 Jean-Marc Etlin, que deixou o Itaú BBA para asssumir o comando da CVC Capital na América Latina, teria recomendado aos norte-americanos a contratação do ex-colega Alberto Fernandes. Curiosamente, Fernandes, vice-presidente comercial do banco de investimentos do Itaú, assumiu provisoriamente as antigas fun- ções de Etlin na instituição.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.10.15

Carlyle e Priceline duelam na primeira classe

O Carlyle e o também norte-americano Priceline Group estão travando um duelo particular em um mercado que movimenta quase R$ 14 bilhões por ano no Brasil. Em disputa, a compra de plataformas de comercialização de bilhetes aéreos e hospedagem. O Carlyle, que recentemente adquiriu o Submarino Viagens por R$ 80 milhões, está em tratativas para a compra do Webviagens. Fundado pelo investidor Leandro Cesar Silva, o site ainda é um negócio relativamente pequeno para os padrões do setor: deve faturar cerca de R$ 100 milhões neste ano. No entanto, o Carlyle entende que este valor pode ser razoavelmente multiplicado com a venda integrada de pacotes com o próprio Submarino e a CVC, também controlada pelos norte-americanos. A investida do Carlyle sobre o Webviagens pode ser interpretada como uma resposta ao movimento feito recentemente pelo Priceline Group, que aportou R$ 185 milhões na agência de turismo online Hotel Urbano. Pois o contra-ataque do contra-ataque não deve tardar. Segundo o RR apurou, o Priceline já tem um novo alvo em seu radar: o Voopter, aplicativo de busca de passagens aéreas. O controle pertence aos investidores Pettersom Paiva e Tales Tommasini e ao fundo Global Founders Capital

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.07.15

Bilhete de ida

O Hotel Urbano olha com lupa para os números da WebViagens, site com faturamento anual na casa dos R$ 100 milhões. Seu objetivo é responder o quanto antes aos recentes movimentos da concorrente CVC, que comprou a B2W Viagens e o Submarino Viagens. Consultada pelo RR, a WebViagens garante que não está a  venda.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.