fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
assuntos

Cristiano Ronaldo

Relacionados

24.02.22

Era só o que faltava

Por intermédio dos agentes do técnico português Paulo Sousa, o Flamengo está monitorando a situação de Cristiano Ronaldo no Manchester United. Há uma crescente pressão entre os torcedores pela saída do atleta.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.06.21

Coca-Cola borbulha com o efeito Cristiano Ronaldo

A atitude de Cristiano Ronaldo, jogador da seleção portuguesa e um dos maiores do mundo, de tirar uma garrafa de Coca-Cola de cima da mesa após uma partida da Euro, trocando-a por uma água mineral, viralizou, tornou-se cult e corre o risco de ser seguida por outros jogadores, para desespero da multinacional. O assunto é motivo de discussão permanente nas áreas de estratégia e marketing da empresa. O monitoramento das redes é intenso na companhia. Uma das principais preocupações da Coca-Cola é o risco de utilização por concorrentes do marketing inverso, ou seja, atletas serem patrocinados por outras marcas para repetirem o gesto de Cristiano Ronaldo ou algo similar.

Na Coca-Cola, mesmo que como chiste, chegou a ser citado o “modelo Gerson” como um jeito de contra-atacar. Para quem não lembra, nos anos 70, o super meio-campo da seleção canarinho gravou anúncio defendendo a marca de cigarro Vila Rica e o próprio tabagismo. O slogan do filme publicitário – “Gosto de levar vantagem em tudo, certo?” – foi admirado e detestado por milhões de brasileiros. A Coca-Cola poderia convidar um Romário ou um Ronaldo Fenômeno, só para dar dois nomes.

Ambos os craques poderiam tomar o refrigerante na frente das câmeras. Em tempo: ressalte-se, a título de curiosidade, que Romário é apaixonado por Coca-Cola. Analistas financeiros dissociam o episódio Cristiano Ronaldo da perda de US$ 4 bilhões em valor de mercado sofrida pela Coca-Cola no mesmo dia. Ainda assim, mesmo que não exista uma relação direta de causa e consequência, o fato é que uma coisa impulsionou a repercussão da outra. Ou seja: a atitude de Cristiano Ronaldo resultou não em uma, mas em duas crises de imagem para a companhia. O RR enviou nove perguntas à assessoria da Coca-Cola, mas a empresa disse que “não está comentando o assunto”.

A multinacional limitou-se a reproduzir um comunicado da UEFA, organizadora da Euro: “A Coca-Cola oferece uma variedade de bebidas para atender a diferentes gostos e necessidades, que estão disponíveis para os jogadores durante todo o torneio. Isso inclui águas, bebidas isotônicas e sucos, café e chá, bem como Coca-Cola.” O posicionamento prossegue com outras platitudes: “Os jogadores recebem água, juntamente com Coca-Cola e Coca-Cola Zero Sugar, na chegada em nossas conferências de imprensa e podem escolher sua bebida preferida”.

O gesto de Cristiano Ronaldo e sua eventual repetição por outros jogadores, inclusive brasileiros, pode estimular um tributo que está no gatilho do ministro Paulo Guedes. Trata-se do “imposto do pecado”, que penalizaria os produtos açucarados, além do fumo e das bebidas. Como se sabe, a Coca-Cola tem uma vasta linha de refrigerantes. De certa forma, toda essa onda de críticas aos produtos açucarados pode levar a empresa a uma revisão de procedimentos, como redução da doçura, e até mesmo a retirada de alguns itens da sua linha de bebidas. Vai ser difícil ser uma empresa ESG se o “imposto do pecado” for mesmo sancionado. As garrafas de Coca, a exemplo das cenas horríveis em maços de cigarro, seriam obrigadas a cumprir com a exigência de mensagens publicitárias similares. Guedes não está sozinho na intenção de fechar o cerco aos fabricantes de junk products.

Na semana passada, por exemplo, o Reino Unido anunciou restrições para a publicidade de alimentos não saudáveis na TV e na internet. Antes da afirmação de que Coca-Cola perdeu essa parada, é bom que  saiba que a companhia é PhD em lidar com viralizações. Não faz muito tempo teve de enfrentar versões de corpos estranhos no interior das suas embalagens – ver RR edições de 18 de dezembro de 2019 e 9 de janeiro de 2020. Talvez a empresa, acostumada a se defender de acusações desde os primórdios, quando usava cocaína na sua fórmula química, faça do limão – ou da bola de futebol – uma Coca bem gelada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.