fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
19.07.22

Uma “criptobolsa” para a negociação de commodities

Imaginem café, minério e petróleo sendo citados em moeda digital. Pois esta novidade está sendo aventada entre os agentes do comércio exterior. Trata-se da comercialização de commodities em uma bolsa de criptomoedas. Apenas mais uma ação disruptiva nos mercados a partir da ascensão do novo “meio de pagamento”.

Por ora, há uma disputa no mercado mundial de criptomoedas sobre quem vai regulamentar as operações com o ativo digital. No Brasil, de um lado estão o Banco Central, CVM e Susep, entre outros menos votados; do outro, Ambima e Abrapp, favoráveis à autorregulamentação. Outras entidades estão de olho nesse debate, querendo meter sua colher na definição das regras desse novo mercado. Todos querem fincar sua bandeira no mar revolto das criptomoedas, que, ao contrário dos fatos pretéritos, têm sido tratadas pelas consultorias e bancos espertos como águas plácidas de um estuário de lucros esplêndidos.

Os Bancos Centrais do mundo consideram que as criptomoedas são uma questão monetária dos Estados nacionais, na medida em que discutem as bases para criação de moedas digitais oficiais. Os autorreguladores, porém, entendem que a iniciativa é dar murro em ponta de faca, pois a tecnologia do blockchain torna no mínimo improvável que os BCs consigam deslocar a “soberania do mercado” sobre o livre trânsito desses ativos. A depender dessa contenda está a maior ou menor inserção dos bancos comerciais nas criptomoedas, hoje os maiores perdedores com a expansão das moedas digitais, desreguladas, deslastreadas e mal tributadas.

O que está em jogo é uma expansão, mais ou menos arriscada, das criptomoedas, com ou sem um marco regulatório, no mercado de aplicações financeiras. É desse caldo que surgirão novas fronteiras para negociação com as cripto, a exemplo das commodities. Por enquanto, corretoras que criaram o seu próprio limbo, como a XP e a QR Asset e agora também o Banco Itaú, seguem vendendo fundos em moeda digital sem medo de ser feliz. Os investidores que se cuidem. Entre os dois pontos que ligam a festa dos lucros e a ressaca dos prejuízos há uma linha reta que pode ser muito curta.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.07.22

O rigoroso inverno das criptomoedas

Entre os analistas de mercado de capitais há quem preveja dias ainda mais tenebrosos para as empresas de criptomoedas. A relação é simples: sobe a taxa de juros no mundo caem as cotações dos bitcoins e dos altcoins. A questão é que o patamar dos preços das criptos já está extremamente baixo. Se a desabada das moedas de última geração prosseguir, o valor pode chegar, no limite, a zero. Seria o crash das criptomoedas. Não é há à toa que os BCs do mundo inteiro estão de olho nessa queima de riqueza. Em tempo: no último mês, as cotações dos bitcoin, por exemplo, caíram 30%. O que a XP e o BTG Pactual vão dizer aos seus clientes depois de prometerem maravilhas com a rentabilidade das criptos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.06.22

Cripto-Neymar

Neymar mantém conversações para se tornar parceiro de uma das maiores plataformas de criptomoedas do Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.06.22

O lado disruptivo da GP Investimentos

A G2D, braço de investimentos “disruptivos” da GP, planeja investir em projetos de créditos de carbono na Europa. De acordo com a mesma fonte, os aportes devem se dar em parceria com a gestora inglesa The Craftory, da qual é uma das acionistas. Em  tempo: é uma forma da G2D compensar a maré de prejuízos, com a queda das cotações das criptomoedas. A gestora é uma das principais investidoras da 2TM, leia-se Mercado Bitcoin.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.11.21

“Cripto-lavagem de dinheiro” pressiona CVM e Banco Central

A Comissão de Valores Mobiliários e o Banco Central estão se contorcendo com a regulamentação das criptomoedas. Trata-se de uma discussão de alcance mundial. As corretoras desse mercado de moedas alternativas estão crescendo barbaramente. O passo natural seguinte será o underwriting, com a capitalização das empresas em bolsas de valores.

Entre essas companhias, há candidatas a se tornarem as maiores instituições financeiras mundiais. Só que o mundo do blockchain ainda é um labirinto. São dezenas de criptomoedas, com operações de compra e venda desreguladas. Existem complicações tremendas para a prática do disclosure dessas corretoras.

Por outro lado, há uma pressão do Grupo de Ação Financeira contra a Lavagem de Dinheiro e o Financiamento do Terrorismo (Gafi) para que essas operações sejam disciplinadas por lei. Se for possível “para ontem”. Procurada pelo RR, a CVM informa que “nos termos da Lei 6.385/76 os criptoativos não são, a princípio, considerados valores mobiliários.”. A autarquia, no entanto, afirma que “tem acompanhado e participado de diversas discussões a respeito dos criptoativos, debates esses que podem gerar eventuais aprimoramentos na legislação que disciplina o mercado de capitais brasileiro.”

O BC, por sua vez, foi lacônico: disse ao RR que “está acompanhando o andamento dos projetos de lei sobre o tema no Congresso”. O recado do Gafi é peremptório na cobrança da regulamentação do mercado de criptoativos para evitar ilícitos financeiros. O risco de vendas sem lastro algum, com a formação de “pirâmides”, é crescente, vide o caso do corretor da região de Cabo Frio que movimentou mais de R$ 30 bilhões em poucos meses. A mensagem foi para a CVM e, no caso, especialmente para o Banco Central. Os BCs planetários estão debruçados sobre como controlar as plataformas abertas e sem um controlador central. Por enquanto, as autoridades monetária e de valores mobiliários estão patinando. E as criptomoedas crescendo como provavelmente nenhum outro ativo “financeiro” no mundo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.