fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos

O ex-presidente da Petrobras Ivan Monteiro está muito bem cotado entre os acionistas da Eletrobras para assumir a presidência da empresa. Monteiro, hoje no Credit Suisse, já foi indicado para o Conselho da companhia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.05.19

Bancos disputam a pole position no Autódromo do Rio

Três grupos financeiros disputam a condição de financial adviser do projeto de construção do novo autódromo no Rio de Janeiro: Credit Suisse, Santander e Rothschild. A negociação em curso com a Liberty Media previa que o circuito estivesse pronto no início do ano que vem, para uso a partir de 2021. Mas, diante da demora do prefeito do Rio, Marcelo Crivella, em topar a empreitada – as conversas com os governos estadual e federal foram mais fluídas), os organizadores brasileiros reviram as projeções. Estimam que o autódromo ficará pronto no segundo semestre de 2020. O investimento é de R$ 850 milhões. A construtora que tocará a obra é a espanhola Acciona.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.07.18

Mesmo fora da jogada, Lula vai chutar o dólar por cima da arquibancada

BTG, XP, Itaú, SPX, UBS, Credit Suisse… A grande maioria do mercado financeiro está apostando que a partir de 15 de agosto, quando finda o prazo para homologação das candidaturas à Presidência no TSE, o cenário será de stress elevado. A expectativa majoritária é que Lula seja confirmado como inelegível e, então, indique seu substituto com a “faca entre os dentes”. Ou seja: empurre para cima do seu escolhido um discurso anti-mercado do tamanho do seu incômodo.

O grau de tensão dependerá de quem for o candidato de Lula. Por exemplo: se for Fernando Haddad, estaria de bom tamanho um dólar entre R$ 3,80 e R$ 4,50 no período que vai até as eleições; se for Ciro Gomes, que já  encarna o discurso anti-mercado, o dólar pode ir até R$ 5,50. Segundo estimativas do fundador da gestora SPX, Rodrigo Xavier, em conferência no BTG, o dólar circulará na faixa de R$ 4,90 a R$ 5,30. As projeções de Xavier são puxadas e estão longe de serem sancionadas pelas instituições que participam do Focus. No boletim de 25 de junho, a mediana do dólar em 2018 subiu um tiquinho, de R$ 3,63 para R$ 3,65.

O RR ouviu traders e analistas de cinco empresas que participam do Focus. Todas as previsões em off the records são superiores ao valor do boletim. Ou seja: segundo a mediana do dólar no Focus, o futuro presidente será Henrique Meirelles, Álvaro Dias, Geraldo Alckmin, Marina Silva ou alguém que ainda não se apresentou. Por enquanto, os nomes pró-mercado são tão improváveis quanto um dólar a R$ 3,65. A corrida das instituições do mercado por pesquisas de intenção de voto deverá crescer ainda mais depois da última sondagem do CNI/ Ibope, de 24 de junho.

O levantamento contrariou as expectativas de diversas instituições, que apostavam na queda do ativo eleitoral do ex-presidente. A resiliência de Lula continua absoluta. O ex-presidente ainda aumentou um pouquinho o seu quinhão, para 33%. E cresceu expressivamente em São Paulo, berço de origem do PT que sempre recusou a apoiar o filho bastardo. Se as pesquisas acusarem o aumento da capacidade de transferência de votos de Lula, não haverá jeito, o mercado externará o descontrole que já digere internamente. E aí não há porque duvidar de um dólar superior a R$ 4,5, no barato, e uma Selic, de lambuja, entre 7% e 7,5%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.01.18

Temporada de IPOs

O Credit Suisse é um bom termômetro do reaquecimento dos IPOs na bolsa brasileira. Entre ofertas de ações prestes a sair do forno e prospects bem engatilhados, o banco está envolvido com oito operações. A fila deverá ser puxada com a abertura de capital da RiHappy, rede de lojas de brinquedos controlada pelo fundo norte-americano Carlyle.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.12.17

Ciro no páreo

O Credit Suisse, em seu Cenário 2018, chama a atenção para um resultado das pesquisas pouco explorado: nas simulações do segundo turno, Geraldo Alckmin e Ciro Gomes estão empatados tecnicamente. Tudo bem que uma final de campeonato difícil. Mas o “Cirão” está mais vivo do que os coveiros pensam.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.07.17

Um raro sinal de otimismo com a economia

Credit Suisse pretende ampliar sua operação de investment banking no Brasil, na expectativa de reabertura da temporada de IPOs nos próximos meses.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17

Aluga-se

Mais um sinal da crise no mercado imobiliário: um quarto dos imóveis da carteira do CSHG II, fundo de real estate do Credit Suisse no Brasil, está vago.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A Forno de Minas, do empresário Helder Couto Mendonça, estaria fechando a contratação do Credit Suisse. Dessa fornada, deverá sair a venda de parte do capital da companhia. Aliás, esse pão de queijo já foi e voltou no balcão: na década passada, Mendonça vendeu a empresa para a fabricante de alimentos norte-americana General Mills, recomprando-a alguns anos depois. Desta vez, pretende ficar no negócio como majoritário. • Procuradas pelo RR, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Forno de Minas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.06.16

Oxigenação

 A Hapvida, maior empresa de medicina de grupo do Nordeste, busca um só- cio. Já teria contratado o Credit Suisse para garimpar candidatos a comprar uma participação na empresa, dona de uma carteira de três milhões de clientes. Em 2015, aliás, o próprio banco trabalhou na modelagem do IPO da Hapvida, mas a operação ficou pelo caminho por conta das condições adversas do mercado. Procurada pelo RR, a Hapvida não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.02.16

Jogando a toalha

 Um dos maiores credores da Imcopa, o Credit Suisse praticamente jogou a toalha. Diante do fracasso das tentativas de recuperação da trading agrícola, o banco deverá fazer a baixa contábil dos seus créditos contra a empresa, um espeto da ordem de R$ 100 milhões. No total, a dívida da Imcopa com bancos e fornecedores passa de R$ 1 bilhão. O próprio Credit Suisse tentou buscar um sócio para a empresa, sem sucesso. Procurada pelo RR, a Credit Suisse não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.