Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
15.08.19

Comperj é um caso de polícia

A Petrobras fez um segundo pedido ao governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, para que tome as medidas de combate ao tráfico na região do Comperj, no município de Itaboraí. A exemplo das regiões próximas do Jardim Catarina e Salgueiro, o Comando Vermelho (CV) domina a área, impedindo a construção de projetos estruturantes. A estrada UHOS, que liga o píer, na Praia da Beira, ao Complexo Petroquímico, tornou-se uma via expressa do crime.

Por onde deveriam ser transportadas milhares de toneladas de peças, são encontrados grupos paramilitares que lembram as FARCs. Em Itaoca, São Gonçalo, a 18 quilômetros do píer, vasos pressurizadores, torres e reatores, entre outros, aguardam a liberação para atravessar o percurso em direção ao Comperj. Quem manda na região não é o estado, mas o CV. Para Wilson Witzel esse tem sido o pior dos mundos. O governador tem assistido aos investimentos de US$ 13 bilhões já realizados no Complexo Petroquímico se depreciarem, ao mesmo tempo em que os aportes de US$ 57 bilhões ainda a serem realizados ficam cada vez mais distantes.

Segundo uma fonte do RR, Witzel é favorável ao enfrentamento para resolver a situação. Só que o aparelho de segurança do estado não tem poder de fogo e tampouco capacidade de ocupação para evitar que os traficantes, uma vez expulsos, retornem posteriormente. Uma das hipóteses seria chamar os militares novamente para uma “intervenção tópica”, restrita e mais duradoura. Mas é necessário verificar sua viabilidade à luz da Constituição. Enquanto o CV manda e desmanda, os chineses, que já confirmaram sua participação no investimento, vão exercendo a arte da paciência milenar. E dezenas de milhares de empregos ficam voando. Só não vão faltar maconha, cocaína e crack.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.10.18

Custo Comperj

Petrobras e China National Petroleum Corporation (CNPC) vão ter de gastar mais do que o previsto para terminar as obras do Comperj. Segundo o RR apurou, a própria estatal já trabalha com uma estimativa da ordem de US$ 3,5 bilhões para a conclusão das obras. As projeções iniciais orbitavam em torno de US$ 2,5 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.10.18

Ressurreição do Comperj

O RR apurou que o plano de investimentos da China National Petroleum para o Comperj chega a R$ 6 bilhões. A Petrobras agradece.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.09.18

Três em um

As negociações entre a Petrobras e a China National PetroleumCorporation (CNPC) vão além do Comperj. Segundo informações filtradas da própria estatal, a CNPC tem interesse em outros ativos da companhia na área de refino. Entram neste rol a unidade Landulpho Alves, na Bahia, e a notória Abreu Lima, em Pernambuco.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.07.18

Quanto custa o Comperj?

As tratativas entre a Petrobras e a PetroChina para a entrada dos asiáticos no Comperj têm esbarrado nas cifras do projeto. Ou melhor, na indefinição dos valores. Em poucos meses, as estimativas de custo da estatal para a conclusão do projeto petroquímico já passaram de US$ 2,5 bilhões para quase US$ 3,5 bilhões. A cada hora surge um puxadinho não orçado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.06.18

Rumo ao Comperj

A PetroChina estaria em conversações com a Petrobras para a compra de uma participação de 30% no Comperj. As cifras giram ao redor de US$ 3 bilhões. A conterrânea China National Petroleum Corporation (CNPC) também tem interesse no negócio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.18

Chuva de empregos

A chinesa Shandong Kerui, que assumiu as obras do Comperj, acena com quatro mil contratações.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.02.18

Consulado chinês

Estão bem avançadas as negociações para que a China National Petroleum Corporation (CNPC) compre um pedaço do Comperj, projeto da Petrobras. A operação seria da ordem de US$ 2 bilhões. O acordo, segundo o RR apurou, poderá ser anunciado em março, conjuntamente à assinatura do contrato com a Shandong Kerui Petroleum. A empresa vai retomar a construção da Unidade Produtora de Gás Natural do Comperj.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.12.17

Pacote de refinarias

Além do Comperj, a China National Petroleum já teria feito uma proposta à Petrobras para comprar também uma participação nas refinarias Landulpho Alves e Alberto Pasqualini. A operação envolveria mais de US$ 500 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.11.17

Premium II

Só dá China National Petroleum. Além do Comperj, o grupo asiático faz planos para retomar a construção da refinaria Premium II, no Ceará.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.