fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
assuntos

Coimex

Relacionados

26.03.20

Tegma Logística trafega em uma sinuosa estrada

A Tegma Logística – associação entre a Coimex, da família Coser, e Mario Sergio Moreira Franco, dono do Grupo Itavema – vive seu inferno astral, que combina uma investigação policial e uma abrupta e intrigante troca de comando. Há cerca de duas semanas, Gennaro Oddone deixou a presidência da empresa. Para todos os efeitos, renunciou ao cargo, enviando uma carta ao Conselho. Mero teatro. Segundo informações filtradas da própria companhia, Oddone teria sido pressionado a se afastar da gestão após entrar em rota de colisão com os acionistas.

Talvez o tempo do executivo tenha mesmo chegado ao fim; talvez os sócios da empresa queiram criar um bode expiatório para eventuais malfeitos. A saída de Oddone se dá no momento em que a PF e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público de São Paulo (Gaeco) avançam nas investigações contra a Tegma no âmbito da Operação Pacto. A PF e o MP têm evidências da participação da Tegma em um cartel no transporte de cargas, notadamente de automóveis. De acordo com as investigações, o esquema se estenderia a outros estados, além de São Paulo.

A manipulação de preços teria elevado os custos de frete em até 40%. Consultado, o MP-SP informa que “o Inquérito Policial Federal ainda está tramitando” e o “material apreendido está em análise pelo Cade”. A Tegma confirma as investigações e se diz vítima de “falaciosas acusações” feitas por uma “empresa concorrente que fechou acordo de leniência parcial”. Garante que outros “procedimentos iniciados por esta leniente foram arquivados por ausência de fundamentos.”

Sobre a troca de comando, confirma a saída de Oddone e assegura que o executivo renunciou ao cargo. O assunto cala fundo nos sócios da Tegma. Há três meses, o vice-presidente da empresa, Evandro Luiz Coser, acionou a Justiça na tentativa de evitar a divulgação de dados e notícias sobre as investigações. Teve o pedido rechaçado. Se a família Coser, que fez fortuna no mercado de café, prima pelo estilo low profile e quer discrição, o empresário Mario Sergio Moreira Franco, então, praticamente “não” existe. É homem de raríssimas aparições públicas e quase nenhuma exposição na mídia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.