fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
27.07.22

O asset management do Palácio do Planalto

O ministro Ciro Nogueira tem provocado a ira de prefeitos da base aliada. A Codevasf, uma das vacas leiteiras do “orçamento secreto”, vem dando prioridade à contratação direta de obras, com a consequente redução do repasses a municípios. A mudança de rota é atribuída a Nogueira. Quanto mais se aproxima a eleição mais o ministro da Casa Civil concentra a gestão das verbas do orçamento em suas mãos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.07.22

Prudente distância

Assessores políticos de Jair Bolsonaro identificaram mais um sinal de defecção na base aliada. Prefeitos têm evitado referência ao governo federal em placas e outdoors propagandeando obras públicas financiadas com recursos da União. O ministro Ciro Nogueira já recebeu a missão de enquadrar os desertores.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.07.22

A roleta gira

Representantes do Macau Resources, um dos grandes grupos de cassinos do país asiático, têm cercado o ministro Ciro Nogueira e parlamentares por todos os lados. Jogam fichas altas pela aprovação do jogo no Brasil. O “adversário” a ser batido é a bancada evangélica.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.07.22

A “boiada” das agências vai passar

O presidente Jair Bolsonaro prepara a “farra” das agências reguladoras. Bolsonaro quer aumentar o número de vagas na diretoria desses órgãos, a começar por Anatel e Aneel. A iniciativa não ficará restrita aos altos cargos. Segundo o RR apurou, o governo pretende ampliar também o total de funções gratificadas nas agências.

Tudo em uma canetada só, por meio de uma única Medida Provisória. O que é uma ou outra agência reguladora para um governo que está rasurando a Constituição a torto e a direito? A ideia de fortalecimento do arcabouço regulatório nem sequer é mencionada nas conversas entre Jair Bolsonaro e aliados sobre o tema. Pelo contrário. Por uma lógica reversa, ampliar o número de assentos, com o devido aparelhamento, seria uma forma de diluir por dentro o poder dessas instituições.

Desde a campanha, Bolsonaro tem mostrado pouco apreço pelos órgãos reguladores. Mais recentemente, disse que as agências “criam dificuldades para vender facilidades”, o que, inclusive, rendeu uma nota de repúdio da Associação Brasileira de Agências de Regulação (Abar). A proposta surge como um afago ao Centrão. Às vésperas das eleições, o Palácio do Planalto terá um punhado de cargos a mais para distribuir entre partidos da base governista. O ministro Ciro Nogueira já teria sido encarregado de mapear indicações para os novos postos. Há cerca de dois meses, o PP, do próprio Nogueira, e o PL, de Valdemar da Costa Neto, foram os principais contemplados na leva de 21 nomeações feitas para agências reguladoras e autarquias.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.07.22

A cozinha bolsonarista não se entende

O ministro Ciro Nogueira comprou o barulho de Duda Lima, o marqueteiro de Jair Bolsonaro. Nogueira tem defendido uma participação mais ativa de Michelle Bolsonaro na campanha. Uma das propostas é uma live semanal estrelada pela primeira dama. O problema é que Carlos e Eduardo Bolsonaro são contra.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, entrou na linha de tiro do Centrão. O motivo é a discordância de Sachsida em participar do estupro da Petrobras que está sendo praticado por políticos da base aliada. O ministro acha que a estatal é quem define os preços dos combustíveis, o que vai contra Ciro Nogueira e Arthur Lira, além dos palacianos de quatro costados. Em princípio, Paulo Guedes é quem segura Sachsida. A pergunta que não quer calar é se Guedes ainda consegue segurar alguém.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.06.22

BR-153 e Fiol lançam dúvidas sobre o programa de concessões

Parafraseando Pedro Malan, no que diz respeito ao programa de concessões de infraestrutura do governo Bolsonaro, até o passado é incerto. Segundo o RR apurou, a Bahia Mineração (Bamin) e a Ecorodovias estudam pleitear o reequilíbrio dos contratos de concessão, respectivamente, da Fiol (Ferrovia de Integração Oeste Leste) e da BR-153. O duplo movimento seria um duro golpe para o Ministério de Infraestrutura.

A pressão de investidores para renegociar dois acordos firmados há menos de um ano lança mais dúvidas sobre o futuro do programa de concessões, no momento em que o governo cancela leilões por falta de candidatos, a exemplo da BR-381. No caso da Fiol e da BR-153, o que está em jogo é um pacote de investimentos somados da ordem de R$ 11 bilhões. O problema é que a conta não fecha e bastaram poucos meses para o estudo de viabilidade das duas operações ficarem defasados. A disparada dos preços de insumos, como aço e cimento, está jogando por terra a projeção de rentabilidade das duas operações vis-à-vis os investimentos exigidos por contrato.

A Bamin, leia-se o Eurasian Resources Group (ERG), do Cazaquistão, terá de desembolsar cerca de R$ 3,3 bilhões na Fiol. Em relação à BR-153, a conta é ainda mais pesada: a Ecorodovias precisará investir quase R$ 7,8 bilhões. Procuradas pelo RR, as duas empresas não quiseram se pronunciar. No caso da Fiol, a preocupação na Pasta da Infraestrutura é ainda maior: as obras, originalmente a cargo da Valec, seguem praticamente paradas. De acordo com a mesma fonte, ainda não haveria garantias de que serão retomadas no segundo semestre, conforme previsto.

Por sinal, o legado de Tarcísio Freitas no governo parece estar cheios de pontos de interrogação. O desmonte passa também pelos homens de confiança de Freitas. O ministro Ciro Nogueira trabalha nos bastidores para derrubar o diretor-geral do DNIT,  general Antonio Leite dos Santos. O oficial foi levado para o governo pelas mãos do ex-ministro. Ressalte-se que recentemente Rodrigo Cruz, também ligado a Freitas, foi demitido do cargo de secretário executivo do Ministério da Saúde.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Ex-diretor da Codevasf, Davidson Tolentino está cotado para um cargo no Ministério do Desenvolvimento Regional. Línguas ferinas em Brasília dizem que é a recompensa de Ciro Nogueira pelo silêncio de Tolentino, citado em investigações da PF por supostas irregularidades no Ministério da Saúde.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.05.22

Militares batem em retirada da área de Minas e Energia

A área de Minas e Energia está sofrendo um processo de “desmilitarização”. A próxima baixa deverá ser o presidente de Itaipu, almirante Anatalicio Risden Junior. A troca no comando da estatal completaria uma trilogia de demissões de militares,juntando-se às recentes saídas do general Joaquim Silva e Luna da presidência da Petrobras e do também almirante Bento Albuquerque do próprio Ministério. Risden, cabe ressaltar, está no cargo como uma indicação direta e pessoal do colega de farda e ex-ministro.

Procurado, o Ministério de Minas e Energia não se manifestou. O governo já analisa nomes para a presidência de Itaipu. O RR apurou que o mais cotado é o da ex-governadora do Paraná Maria Aparecida Borghetti, atualmente no Conselho de Administração da hidrelétrica. As articulações não passam exatamente pelo gabinete do novo ministro de Minas e Energia, Alfredo Sachsida. A costura para a indicação de Maria Aparecida estaria sendo conduzida por Ciro Nogueira. Ou seja: Centrão na veia. A ex-governadora é mulher do deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara e correligionário de Nogueira.

A possível troca na presidência de Itaipu coincide com um momento de razoável tensão bilateral. O RR teve a informação de que o governo do Paraguai já enviou ao Itamaraty o pedido formal para o início da renegociação do Tratado da hidrelétrica, que vence em 2023. Os paraguaios acenam, desde já, com algumas exigências, como o pagamento de um valor fixo e mensal à província de Canindeyu. Seria uma indenização tardia para cobrir prejuízos econômicos causados pelo desaparecimento de Sete Quedas, ainda nos anos 80.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.05.22

Dobradinha

Augusto Aras ganhou mais um aliado dentro do Palácio do Planalto: o PGR está cada vez mais próximo do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.