Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
01.09.16
ED. 5446

Chinês no páreo

 Além do Itaú e do Santander, o China Construction Bank entrou na disputa pelos ativos do Citi no Brasil. O grupo já tem um pé no país desde 2013, quando comprou 72% do BicBanco. Independentemente do vencedor do páreo, o Citi espera anunciar a operação até o fim de setembro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.11.15
ED. 5242

Só Miguel Rossetto para salvar os empregos do ERG

 Os empregados da Usiminas criaram jurisprudência. O Sindicato dos Metalúrgicos do Rio Grande do Sul também se mobiliza para reivindicar ao ministro do Trabalho, Miguel Rossetto, a intervenção do governo federal na grave crise do Estaleiro Rio Grande (ERG). O objetivo é estancar a sangria de demissões em curso desde o início do ano e salvar o pescoço dos mais de seis mil trabalhadores da empresa, controlada pela Ecovix – leia-se Engevix. Uma a uma, todas as tentativas de garantir a sobrevivência da empresa e dos postos de trabalho estão fazendo água. No momento, mais uma dessas “soluções” caminha sobre a corda bamba, com poucas chances de se equilibrar lá no alto. As negociações em torno do arrendamento do estaleiro para um consórcio de companhias japonesas liderado pela Mitsubishi Heavy Industries recuaram algumas casas. A operação depende de um complexo acordo entre os asiáticos e os credores da empresa em relação ao passivo do ERG. Do ponto de vista jurídico, as dívidas da companhia se encontram numa zona cinzenta em que ninguém quer pisar. Os bancos, entre eles o China Construction Bank, se opõem ao arrendamento do estaleiro por entender que ele mais dificulta do que facilita o recebimento dos cré- ditos. O temor é que a encalacrada Engevix se aproveite deliberadamente da operação para se esquivar da responsabilidade legal pelas dívidas da empresa, empurrando o caso para uma conveniente – e interminável – batalha jurídica. Os credores do ERG sabem bem com quem estão lidando.  A Mitsubishi também está com os dois pés atrás em relação ao arrendamento do estaleiro. Os japoneses sabem que os credores do ERG esperam apenas a assinatura do contrato para saltar na sua jugular. Segundo o RR apurou, dois renomados escritórios de advocacia contratados pela Mitsubishi desaconselharam o fechamento do negócio. De acordo com o parecer dos advogados, ainda que a operação não contemple a transferência efetiva do controle acionário e, sim, o arrendamento das instala- ções, são grandes as probabilidades de que o pool de investidores japoneses – formado ainda pelos estaleiros Imabari, Namura e Oshima Shipbuilding – seja obrigado pela Justiça a assumir os passivos do ERG. A herança em questão é uma dívida de quase R$ 100 milhões, número que não leva em consideração o passivo trabalhista, por ora uma caixa preta. No caso específico da Mitsubishi, a ameaça é ainda maior pelo fato de o grupo ter uma participação direta de 30% na Ecovix, – os 70% restantes pertencem à Engevix.  Enquanto isso, os empregados do ERG seguem entre o rochedo e o mar. Desde abril, o estaleiro teria demitido mais de 800 funcionários. Boa parte destes trabalhadores ainda não teria recebido integralmente as verbas rescisórias. O desfecho desta história é previsível: no fim das contas são eles, e mais ninguém, que ficarão boiando em alto-mar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.