fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
30.03.17

“Prêmio fusão”

BM&F Bovespa e Cetip prometem reduzir suas tarifas em até 30% na esteira da economia de R$ 100 milhões/ano que terão após sua fusão. O afago tem endereço certo: os grandes bancos, que resistiram à associação sob a alegação de que o negócio criaria um monopólio. O que não deixa de ser verdade…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.02.17

BM&F e Cetip jogam seu naipe de ases

Por mais paradoxal que possa soar, ao pedir ao Cade a prorrogação do prazo por mais 60 dias, BM&F Bovespa e Cetip lançaram uma cartada na tentativa de antecipar o julgamento da fusão entre ambas. Explica-se. O dead line está previsto para o próximo dia 23 de fevereiro, mas as duas empresas identificaram a disposição do próprio Cade de estender a análise do processo por mais 90 dias – conforme antecipou o RR na edição de 27 de janeiro. Se isso acontecer, o veredito só sairá no fim de maio. Daí a manobra da dupla. Se o pedido de adiamento feito pelas companhias for aceito pelo Cade, o calendário muda automaticamente e o julgamento ocorre até o fim de abril quem sabe até mesmo antes da antes da assembleia geral de acionistas da BM&F Bovespa, prevista para o dia 28 do mês? Não custa tentar…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17

A longa espera pelo Cade

O presidente da BM&F Bovespa, Edemir Pinto, está perdendo as esperanças de que o Cade julgue a fusão da Bolsa com a Cetip no prazo estipulado de 240 dias, ou seja, até a última semana de fevereiro. O receio é que o órgão antitruste use a prerrogativa de estender o processo de análise da operação por mais 90 dias. Caso se confirme, a medida praticamente aniquilaria todo o planejamento feito pela BM&F para concluir ainda neste ano o complexo processo de integração dos sistemas operacionais das duas empresas. Isso tudo, claro, se a fusão for aprovada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.08.16

Bilheteria fraca

  A T4F, de Fernando Alterio, tem um duplo problema. A Renault, às voltas com grandes problemas financeiros, e a Cetip, comprada pela BM&F, não deverão mais manter suas marcas em duas das cinco casas de espetáculo sob gestão da empresa no Brasil. As perdas se somarão à que foi provocada com a saída do Citibank, no Rio de Janeiro. • Procuradas pelo RR, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: T4F.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.04.16

Bovespa e Cetip levam monopólio às bolsas

 A fusão entre a BM&F e a Cetip, um negócio da ordem de R$ 12 bilhões, terá de enfrentar uma dura resistência no mercado de capitais. Agentes do setor – incluindo grandes corretoras de valores, traders autônomos e empresas e investidores dispostos a criar uma nova bolsa eletrônica – estão se mobilizando contra a operação. Segundo o RR apurou, a Ancord (Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos) já protocolou um ofício na CVM e no BC, por conta do poder da nova empresa de tomar decisões unilaterais sobre o funcionamento do mercado. A pressão maior se dará no Cade. Juntas, BM& Bovespa e Cetip terão o monopólio no registro e negociação de ativos no mercado brasileiro de capitais. A dupla vai controlar 100% das operações, o que lhes permitirá arbitrar as taxas que quiser por serviços como custódia e liquidação de compra e venda de títulos mobiliários.  O objetivo das instituições do mercado é pressionar o Cade a só aprovar a operação mediante uma série de restrições. Neste caso, BM&F e Cetip seriam forçadas a manter alguns de seus serviços separadamente, como, por exemplo, a custódia dos contratos de compra e venda e atividade de central depositá- ria de títulos privados. O que corretoras e agentes autônomos querem evitar é o último capítulo da crônica do monopólio mais do que anunciado. A associação com a Cetip é a culminância de uma série de movimentos nesta direção, notadamente a compra da Bolsa do Rio pela de São Paulo e a posterior fusão entre a BM&F e a Bovespa. Procurada pelo Relatório Reservado, a BM&F Bovespa não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.03.16

Novela sem fim

  A BM&F Bovespa apresentará, até o fim do mês, uma nova proposta de compra da Cetip. Desta vez, irá com menos sede ao pote. Conforme o RR antecipou no dia 15 de janeiro, os sócios da Cetip rejeitaram a oferta pela totalidade de suas ações. Querem manter uma participação minoritária no negócio. Procurada pelo RR, a BM&F Bovespa não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.01.16

BM&F Bovespa

 Em meio ao enrosco nas negociações para a aquisição da Cetip – ver RR edição de 15 de janeiro –, a BM&F Bovespa tem um novo alvo: a compra de uma participação na Bolsa de Buenos Aires. Aliás, se depender da excitação reinante na BM&F, ela vai acabar comprando a Nyse .

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.01.16

Escorreu

 Entrou água na venda da Cetip para a BM&F Bovespa. A oferta apresentada pela bolsa brasileira não agradou aos sócios norte-americanos da empresa, notadamente a ICE Overseas , segundo maior acionista individual, com 12% do capital.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.11.15

Previsão certeira

 A fusão com a BM&F foi uma derrota pessoal do presidente da Cetip, Gilson Finkelsztain. Ele teria trabalhado até o último momento para evitar a negociação com o argumento de que a empresa seria engolida pela BM&F e os executivos, defenestrados. Tem toda a razão, a começar por ele. Consultada sobre as articulações de Finkelsztain, a Cetip não se pronunciou a respeito.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.10.15

Cetip

 A decisão do Detran de São Paulo de abrir o mercado de registro de contratos de financiamento de veículos está fazendo escola para desespero da Cetip, a dona do pedaço. Minas Gerais, Bahia e outros estados nordestinos deverão seguir na mesma direção, o que deverá tirar nacos importantes da receita da companhia norte-americana.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.