fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
10.02.17

Legado olímpico

A Vila Olímpica encalhou. Até agora, a Carvalho Hosken só conseguiu vender um terço dos mais de 3.600 apartamentos que hospedaram os atletas da Rio 2016.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A Carvalho Hosken jogou a toalha e está atraindo um novo sócio para o imóvel no qual está instalado o Hilton Barra. O investimento de R$ 500 milhões está muito longe de dar retorno. A construtora tem tratado do assunto com a Kinea, gestora do Itaú. A entrada no negócio deverá ser feita por intermédio do fundo Kinea Renda Imobiliária FII, dono de dois grandes edifícios comerciais no Centro do Rio. • As seguintes empresas não se pronunciaram ou não comentaram o assunto: Carvalho Hosken.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.02.16

Olimpíada é a linha de chegada ou de partida do Hilton no Brasil

 O Hilton Worldwide está aguardando o suspiro da Olimpíada para tomar a decisão de encolhimento das suas operações no Brasil. Quem garante é uma fonte histórica do RR que conhece cada centímetro quadrado do grupo no país. Os norte-americanos ancoravam todas as suas expectativas de recuperação dos resultados no mercado brasileiro nos Jogos Olímpicos. Mas, a julgar pelos números à mão até o momento, a medalha do aumento da rentabilidade não virá. No centro do problema, o hotel da Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, bairro que receberá boa parte das competições da Rio 2016. A menos de seis meses dos Jogos Olímpicos, o índice de reservas fechadas para agosto seria de apenas 50% – o Hilton esperava chegar a fevereiro com uma taxa de ocupação projetada acima dos 70%. A decepcionante performance da unidade da Barra da Tijuca é mais um problema de um empreendimento que já nasceu torto e começou a dar prejuízo antes mesmo de abrir as portas. O valor de construção ficou 20% acima do orçamento original, de R$ 150 milhões. Em apenas dez meses após a inauguração, os custos operacionais cresceram 25%. O cenário é tão preocupante que a Carvalho Hosken , dona do imóvel onde está instalado o hotel, já cogita até mesmo a hipótese de romper o contrato com a rede norte-americana. Segundo o RR apurou, a receita da construtora com o aluguel do edifício varia em função dos resultados do hotel.  Com mais de 4,3 mil hotéis em 100 países e um faturamento de US$ 10 bilhões/ano, o Hilton não consegue replicar nem uma fração desse poderio no mercado brasileiro. Sua operação no país vem encolhendo seguidamente. Nos últimos cinco anos, os norte-americanos desativaram hotéis em Belém, São Paulo e Minas Gerais. Sobraram apenas a operação da Barra da Tijuca e o Hilton São Paulo Morumbi. As promessas de duplicar o número de quartos no Brasil até 2017 ficaram no passado. À exceção da Barra da Tijuca, os novos projetos não saíram do papel, a maioria pela inapetência do próprio Hilton, quando não por golpes inusitados do destino. Em 2013, por exemplo, o grupo assinou um contrato com a HDauff, incorporadora de J. Hawilla, dono da Traffic e hoje “exilado” em Miami, para a construção de um hotel em São José do Rio Preto (SP). No entanto, o Hilton rompeu o acordo depois que Hawilla foi incriminado pela Justiça americana no escândalo do “Fifagate”. As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Hilton e Carvalho Hosken.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.03.15

Carvalho Hosken, Hilton e o hotel da discórdia

 A parceria continua de pé, como o prédio que a Carvalho Hosken está erguendo na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. No entanto, já foi maior o grau de entendimento entre a construtora e o Hilton, futuro operador do hotel cinco estrelas que funcionará no imóvel. O motivo da divergência é o valor dos royalties que o grupo norte-americano pagará a  Carvalho Hosken, calculados a partir dos resultados da própria operação hoteleira. O RR entrou em contato com a Carvalho Hosken, que disse apenas “desconhecer o assunto”. Já o Hilton garantiu que não há desentendimentos com a construtora. Vai ver que os norte-americanos não chamam de “desentendimento” as discussões com a Carvalho Hosken para rever os termos da parceria. O Hilton alega que o acordo foi fechado com base numa projeção de despesas operacionais e de rentabilidade que não mais se adequa a s atuais circunstâncias da economia. Pelos seus cálculos, os custos para a administração do hotel já subiram quase 20%. Um dos maiores problemas são os gastos trabalhistas. Não custa lembrar que a hotelaria foi um dos setores afetados pela revisão dos benefícios para a desoneração da folha de pagamento. É bom que a Carvalho Hosken e o Hilton acertem logo os ponteiros: a inauguração do hotel está prevista para este ano, a tempo, claro de surfar na onda esportiva. O empreendimento ficará a poucos metros do parque olímpico, onde serão realizadas boa parte das competições da Rio 2016.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.