fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos

A Camil Alimentos, um gigante do setor que fatura mais de R$ 10 bilhões por ano, vai acelerar seu projeto de internacionalização. O RR tem a informação de que a empresa pretende entrar, ainda neste ano, no México e na Argentina, por meio de aquisições. De acordo com a mesma fonte, há conversações avançadas para a compra de uma processadora de arroz argentina. A Camil, ressalte-se, já atua no Chile, Uruguai e Peru – neste último, é dona da maior fabricante de arroz do país, a Costeño. A decisão da Camil de apertar o ritmo dos seus investimentos internacionais se dá em um momento nevrálgico do ponto de vista geoeconômico. Entre outros segmentos duramente atingidos, a guerra entre Rússia e Ucrânia está chacoalhando o setor de alimentos, com elevação dos preços e risco de desabastecimento.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.12.21

Energia financeira

Fundos internacionais rondam a Camil Alimentos. Querem se associar à subsidiária de empresa renovável recém-criada pelo grupo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.12.17

Arroz para chineses

A Camil, uma das maiores produtoras de arroz do mundo, está na mira de investidores chineses do setor agrícola. A empresa da família Quartiero fez recentemente um IPO que movimentou R$ 1,3 bilhão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.08.16

Camil in USA

A Camil Alimentos sonha alto após a entrada do Warburg Pincus em seu capital. A empresa enxerga na associação um passaporte para a compra de fabricantes de alimentos nos Estados Unidos. Ao lado da Angra Holdco, o Warburg comprou 31,75% da Camil que pertenciam ao Gávea. • Procuradas pelo RR, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Camil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.01.15

Gávea Investimentos enjoa do repetitivo cardápio da Camil

Houve um momento em que a família Quartiero, dona da Camil Alimentos, sentiu o gostinho de ser sócia do futuro ministro da Fazenda. Efêmero sabor. Ficou sem o ministério e agora deverá perder o parceiro: o Gávea Investimentos, de Armínio Fraga e do JP Morgan, procura um comprador para a sua participação de 32% na empresa. Os atritos entre a gestora de recursos e os acionistas controladores da Camil chegaram ao seu limite. A maior das divergências diz respeito a  política de aquisições conduzida pelos Quartiero. Em quatro anos, a companhia comprou quase uma dezena de ativos, inclusive no exterior. Com isso, aumentou receita, ganhou peso e consolidou- se com um dos maiores conglomerados da área de alimentos. Em contrapartida, o lucro da Camil tem caído seguidamente nos últimos dois anos. Na ótica financista do Gávea, um efeito colateral imperdoável, tanto quanto o impacto das aquisições sobre o balanço da empresa. Desde 2012, o passivo subiu quase 50% e já beira a marca de R$ 1 bilhão. Há dois anos, a dívida equivalia a aproximadamente 60% do patrimônio líquido. Hoje, esta relação é de um para um. Já há algum tempo o Gávea Investimentos defendia uma freada de arrumação na Camil, com a suspensão de novas aquisições e o foco na renegociação da dívida – ver RR edição nº 4.876. Foi voto vencido. A gota d’água, ou melhor, os dois pingos que fizeram o copo transbordar vieram em dezembro passado. No início do mês, a Camil fechou a compra da trading peruana Romero, especializada na comercialização de cereais e outros produtos agrícolas. No mesmo período, teria iniciado negociações para a compra da Copagro, produtora de arroz de Santa Catarina. Entre se confrontar ainda mais com a família Quartiero ou arrumar as malas, o Gávea preferiu seguir a velha máxima de que “os incomodados que se mudem”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.