Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
assuntos

Brumadinho

Relacionados

16.04.19
ED. 6095

O “valor” das vidas de Brumadinho

O RR teve acesso a termos do acordo assinado entre a Vale e a Defensoria Pública de Minas Gerais no dia 5 de abril, guardados a sete chaves pela companhia. De acordo com a fonte, a empresa ofereceu a título de dano moral o equivalente a 500 salários mínimos para pai, mãe, cônjuge ou filho das vítimas na tragédia de Brumadinho. No caso de irmãos e netos, a indenização proposta é, respectivamente, de 150 e 20 salários mínimos. O acordo é importante pelo seu caráter de firmar jurisprudência. Ele poderá servir como balizador para outras ações contra a Vale. Procurada pelo RR, a companhia não quis se pronunciar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.04.19
ED. 6092

Lamas de Brumadinho

A investigação da maior catástrofe ambiental do Brasil parece não ter essa importância toda para alguns parlamentares. As constantes ausências nas sessões dos senadores mineiros Rodrigo Pacheco e Antonio Anastasia têm chamado a atenção na CPI de Brumadinho. No caso de Anastasia, não tardará a aparecer algum desafeto disposto a lembrar, maldosamente, que a Vale foi uma importante financiadora da sua campanha ao Senado em 2014.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.19
ED. 6088

Profilaxia

A assessoria jurídica do Senado vai entrar com recurso no STF para evitar que depoentes da CPI de Brumadinho compareçam ao Congresso munidos de habeas corpus. Até o momento, está uma farra. Só na última quarta-feira, três convocados compareceram na CPI com um HC debaixo do braço.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.03.19
ED. 6081

No rastro da lama

Estudos feitos pela Federação das Indústrias de Minas Gerais apontam que toda a cadeia da indústria da mineração no estado deverá perder quase R$ 25 bilhões no rastro da tragédia de Brumadinho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.03.19
ED. 6080

Valerianas

A CPI de Brumadinho vai despachar uma comitiva de deputados para a região do Alto São Francisco, com o objetivo de averiguar o impacto do rompimento da barragem da Vale na região. Os parlamentares deverão ser escoltados por técnicos da Fundação SOS Mata Atlântica. Tudo, claro, com o devido barulho na mídia.

Por falar em Vale, todas as atenções da companhia estarão voltadas para a ANTT. A diretoria da agência deverá decidir hoje sobre o pedido de renovação antecipada da concessão da ferrovia Vitória- Minas. A negociação sobre a mesa envolve a extensão da licença até 2057, em troca da construção da Ferrovia de Integração Centro-Oeste.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.03.19
ED. 6077

Kramer vs. Kramer

O senador Carlos Vianna (PSD-MG), relator da CPI de Brumadinho, pretende realizar uma acareação entre dirigentes da Vale e os engenheiros Makoto Namba e André Yassuda, contratados pela empresa de auditoria alemã Tüv Süd. Ambos assinaram uma declaração de estabilidade da barragem, informando que as estruturas se adequavam às normas de segurança. Por todas as circunstâncias, o encontro frente a frente promete ser um dos momentos de maior tensão da CPI. Desde a tragédia, que provocou 206 mortes até agora confirmadas, Vale e Tüv Süd têm se acusado mutuamente, uma tentando criminalizar a outra.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.02.19
ED. 6061

CPI de Brumadinho

A lama da Vale vai chegar ao Congresso. O RR apurou que o senador Otto Alencar (PSD-BA) trabalha para instalar a CPI de Brumadinho na próxima semana. O presidente da empresa, Fabio Schvartsman, será o primeiro convocado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.02.19
ED. 6050

Sequelas de Brumadinho

A lama de Brumadinho respingou, três mil quilômetros ao norte, na tríade Alcoa, Rio Tinto Alcan e South 32 (spin off da BHP Billiton). Autoridades da área ambiental e parlamentares do Maranhão estão colocando foco sobre os chamados largos vermelhos, onde são despejados resíduos de bauxita do complexo da Alumar, controlado pelas três multinacionais. Segundo o RR apurou, pressionado por ONGs locais, o Ibama vai apertar a fiscalização nos reservatórios. Na Assembleia Legislativa do Maranhão, por sua vez, articula-se uma comissão para averiguar a situação da barragem. Consultada, a Alumar disse desconhecer as medidas do Ibama e da Assembleia maranhense.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.