fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
23.11.20

A bela, o marombeiro e o torrão de açúcar

Mesmo o “imortal” empresário Abílio Diniz começa a considerar que o seu tempo está passando mais depressa. Diniz tem conversado com seus filhos, especialmente Ana maria e João Paulo, sobre a sucessão no comando dos negócios da empresa, a holding Península Participações, que hoje abrange todos os ativos dos Diniz. Os outros filhos, Adriana e Pedro Paulo, estão fora do game. Adriana por nunca ter tido a menor vocação para empresária.

Já Pedro Paulo, que demonstrava tino empreendedor – chegou a discutir com Eike Batista, a criação de um hotel-boate em Angra dos Reis, em que a rave rolaria dia e noite, sem fim – deu uma “guinada odara” (apud Caetano Veloso) em sua vida. Partiu para viver em uma fazenda bucólica e plantar alimentos orgânicos. João Paulo lembra o pai no estilo bonapartista, e até na obsessão por esportes. Namorador, triatleta, com formação na London Business School, ficou marcado pela morte da modelo Fernanda, sua namorada, em um acidente de helicóptero, em Angra dos Reis. Realmente triste.

O primogênito, apesar de tentar imitar o pai em quase tudo, não é considerado por Abílio como o mais talhado para ocupar suas funções. Os filhos Miguel e Rafaela, do segundo casamento, são novos demais para entrar na disputa. Sobrou para belíssima Ana Maria, a mais perfeita tradução de Abílio, do ponto de vista do interesse nos negócios. Ana Maria também tem uma pegada corporativa de participar do terceiro setor, meio ambiente e educação. Entre os jovens Diniz, sempre foi a primeira alternativa para assumir o comando na visão do pai.

No Pão de Açúcar, trabalhou em marketing, RH e Operações. Noves fora, é mulher, o que conta ponto nos dias de hoje. Em um determinado momento, comentou-se que Abílio gostaria que Pedro Parente, ex-chairman da empresa BRF, um dos investimentos da Pensilvânia, fosse o coach da moça. Conversa fiada. Ana Maria está para lá de escolada. E quem seria um melhor coach do que o próprio pai, que a treinou por toda a vida. O fato é que Abílio permanece com a saúde de touro que sempre teve. Mas, não é nada, não é nada, está com 83 anos. A hora de fazer as escolhas é para ontem.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.20

Cofco instala uma colônia de proteína no Brasil

O RR apurou que banco de investimentos recebeu mandato da chinesa Cofco para estudar diversas alternativas de negociação com a BRF, desde participação minoritária até uma joint venture com o controle da empresa. Maior demandante global de commodities brasileiras, a China passaria a ter uma posição privilegiada em uma empresa que figura entre as cinco maiores produtoras de carne de frango do mundo. A BRF soma aproximadamente 9% de todas as exportações globais de proteína animal.

É responsável por cerca de 12% de todos os embarques de carne de frango brasileira para o exterior, algo como 500 mil toneladas/ano. O apetite chinês pelo produto é considerável: a demanda do país asiático por frango brasileiro vem crescendo à média de 30% ao ano. Ressalte-se ainda o peso da BRF no mercado de suínos: a companhia concentra praticamente um terço das vendas brasileiras do produto para a China. A associação permitiria ainda à Cofco ampliar sua presença nos países árabes. As vendas para o chamado mercado halal (cerca de R$ 8  bilhões) representaram aproximadamente 25% da receita da BRF em 2019.

Se for considerado o valor de mercado da BRF, trata-se de um negócio sob medida para o tamanho da Cofco. A empresa brasileira está avaliada em Bolsa em R$ 15 bilhões. Para se ter uma ideia da diferença de peso entre uma e outra, a receita da Cofco é mais de 10 vezes superior à da BRF. No ano passado, o grupo chinês, que tem negócios em mais de 50 países, faturou quase US$ 80 bilhões, o equivalente, portanto, a mais de R$ 400 bilhões.

Já a receita da empresa brasileira em 2019 foi de R$ 34 bilhões. Qualquer tratativa envolvendo a BRF passa, ainda que indiretamente, pelo governo brasileiro. Os dois maiores acionistas individuais da companhia são Petros e Previ, respectivamente com 11,4% e 9,3%. A investida da Cofco poderia ser uma porta de saída para os dois fundos de pensão. Até porque os chineses não são muito afeitos a democratizar gestão e mando. Se bem que, se Donald Trump baixar em Jair Bolsonaro, é possível que a Cofco tenha problemas para avançar em suas pretensões. Guardadas as de- vidas proporções, do ponto de vista estratégico a cadeia da proteína está para o Brasil assim como a tecnologia para os Estados Unidos – não custa lembrar que Trump baniu a Huawei do país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.10.20

De saída da BRF

Informação ouvida pelo RR nos corredores da Previ: a fundação prepara-se para vender sua participação de 9% na BRF.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.06.20

Relaxamento

A BRF tem usado os resultados dos testes de coronavírus em suas unidades de Concórdia (SC) e Lajeado (RS) junto à Justiça do Trabalho para evitar o fechamento de fábricas. O índice de trabalhadores contaminados nas duas operações foi, respectivamente, de 1% e 3,2%. Pode parecer pouco, mas basta um infectado não diagnosticado a tempo para fazer um estrago.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.02.20

Arábia Saudita deixa avicultura brasileira em estado de alerta

A decisão da Arábia Saudita de suspender as compras de frango de dois frigoríficos da BRF pode ser apenas a ponta do iceberg de um problema comercial de maior proporção. O Ministério da Agricultura tem razões para acreditar que os árabes estão criando uma narrativa para subir o tom e impor restrições mais amplas e rigorosas ao produto brasileiro. Na Pasta, já se discute, inclusive, a possibilidade de envio de uma missão ao país.

A preocupação é proporcional ao peso da Arábia Saudita para a indústria avícola nacional: trata-se do maior importador de carne de frango do Brasil, com embarques anuais superiores a US$ 1 bilhão. Até o momento, o caso é uma caixa preta: os árabes não informaram os motivos do “mini-embargo” às fábricas da BRF. Sabe-se apenas que a decisão partiu da Saudi Food and Drug Authority (SFDA), a autoridade sanitária do país.

O receio do Ministério da Agricultura é que a Arábia Saudita coloque sob suspeição outros frigoríficos brasileiros. Ressalte-se que o histórico recente de relações comerciais entre os dois países, notadamente no setor econômico em questão, é conturbado. Em outubro de 2018, uma missão saudita esteve no Brasil e visitou três dezenas de granjas, frigoríficos e fábricas de ração, atestando a excelência das condições fitossanitárias de todas elas. Três meses depois, sem mais nem porquê, a Arábia Saudita suspendeu as importações de frango de cinco dos 30 produtores.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.02.20

Previ vende ativos

O novo diretor de Investimentos da Previ, Marcelo Wagner, vai acelerar a venda de participações societárias. Deve começar pela BRF e pela BR Distribuidora, nas quais o fundo de pensão detém, respectivamente, 9,4% e 3,5% do capital total.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.01.20

Prioridade

Prioridade na Previ: vender a participação de 9,4% na BRF.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.12.19

A carne da BRF é fraca

A BRF mantém uma resiliente e estranha relação com a União Avícola, do ex-senador Cidinho Santos. A empresa do Mato Grosso é investigada no âmbito da Operação Carne Fraca pelo suposto pagamento de propina a fiscais do Ministério da Agricultura. Mesmo após zerar todo o seu compliance, rever velhas práticas e purgar os mal feitos do passado, a BRF segue comprando toda a produção de frango do frigorífico mato-grossense. O mais curioso é que as acusações contra a União Avícola teriam partido da própria gigante da proteína, em seu acordo de cooperação com o Ministério Público.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.11.19

BRF leva uma casca vazia para a Arábia

A instalação de uma fábrica de processados de frango na Arábia Saudita anunciada pela BRF está mais para uma obra cenográfica do que para um investimento real. Segundo o RR apurou, o projeto foi montado às pressas não necessariamente como uma decisão estratégica da companhia, mas para atender a uma encomenda do Palácio do Planalto. Foi a contrapartida apresentada por Jair Bolsonaro ao governo local na tentativa de liberar as exportações de frango brasileiro para os sauditas. Noves fora o valor divulgado, US$ 120 milhões, o projeto ainda não tem prazo de execução, volume de produção, estrutura de capital e sequer local escolhido. Em tempo: a “parceria” serviu para a BRF reconstruir pontes com o Poder – uma relação abalada pela Operação Carne Fraca e pela frustrada fusão com o Marfrig, negociada à revelia dos fundos de pensão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.10.19

Método no arrependimento

Parece haver método no arrependimento da BRF. Todos os malfeitos que vêm sendo confessados pela empresa à PF se concentram na gestão do ex-CEO, Pedro Faria, um dos sócios da Tarpon.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.