fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos

A Trígono Capital estaria ampliando sua posição na Fundição Tupy, com seguidas compras em mercado. A gestora já é o terceiro maior acionista da companhia, atrás apenas da BNDESPar e da Previ. Em tempo: coincidência ou não, corre no mercado que o fundo de pensão pretende reduzir ou vender integralmente sua participação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.12.21

Luz apagada

A BNDESPar estaria preparando a venda da sua participação de 8% na AES Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.04.21

Bye, bye, Granbio?

A BNDESPar avalia a venda, em mercado, da sua participação de 14% na Granbio, a empresa de biotecnologia da família Gradin. Cansou de esperar por uma oferta de ações que nunca chega.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.04.21

Porta de saída

A BNDESPar prepara a venda da sua participação de 28% na Fundição Tupy. Tomando-se como base apenas a cotação de mercado da empresa, a fatia acionária está avaliada em aproximadamente R$ 1,1 bilhão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.02.21

Pé no freio

O RR apurou que a BNDESPar não vai acompanhar o aporte de capital na Iguá Saneamento, capitaneado pelo fundo canadense Canada Pension Plan Investment Board. Com isso, sua participação acionária deverá cair de 11% para algo em torno de 8,5%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.09.20

O calendário do BNDES

Segundo o RR apurou, após concluir a venda da sua participação na Suzano, a BNDESPar vai se desfazer da sua fatia de 28% no capital da Fundição Tupy.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.05.20

Reforma patrimonialista pode ser o respirador da economia no pós-coronavírus

Há razões e mais razões para que o governo se dedique à montagem de uma reforma patrimonialista. O lançamento de um amplo programa de desmobilização de ativos da União seria o pé de apoio para a retomada econômica no pós-pandemia. A medida seria acompanhada de soluções engenhosas. O governo poderia criar um orçamento específico para investimentos, notadamente em infraestrutura, a partir do funding obtido com concessões, privatizações e venda de imóveis.

Os recursos ficariam circunscritos ao financiamento de projetos novos. Outro ponto importante seria a modelagem do plano, que ganha ainda mais relevância no momento em que o mercado pode até estar líquido, mas com pouco apetite e uma dose maior de aversão ao risco. O êxito do programa dependeria da utilização de sofisticados instrumentos financeiros, como recebíveis e debentures com garantias públicas, combinados com a garantia de participação nos leilões de agentes indutores ligados ao próprio Estado, como BNDESPar e os fundos de pensão.

Em algum momento, a ideia de uma reforma patrimonialista já transitou pelas cabeças da equipe econômica, mas, assim como o imposto sobre transações financeiras, ficou pra trás, em alguma esquina. A pandemia e a grave crise econômica colocam o assunto mais uma vez sobre a mesa, com novas possibilidades. A medida, vinculada a investimentos e geração de empregos, abriria caminho, por exemplo, para a venda de uma grande estatal, trazendo para o game empresas cuja simples menção nesse contexto já costuma ser um anátema. Não custa relembrar que, no início do governo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a mencionar estudos para a privatização do Banco do Brasil. O rompante de Guedes em relação ao BB, flagrado no vídeo da polêmica reunião ministerial do dia 22 de abril, deixa claro que seus planos em relação ao banco não mudaram.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.04.20

BNDES para todos

A indústria têxtil brasileira, que vive em “confinamento” há bem mais de uma década, está pleiteando ao ministro Paulo Guedes a entrada do BNDESPar em cena para salvar as empresas do setor. Melhor esperar na fila.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.03.20

O pouso de emergência da BNDESPar

A BNDESPar poderá ser convocada de novo, na contramão do que queriam o ministro Paulo Guedes e cia. A ideia é que o braço do BNDES compre ações de companhias aéreas, seguindo o modelo do Reino Unido. Seria um esforço para reduzir os efeitos econômicos e sociais da Covid-19 em um dos setores mais afetados pela pandemia. Ressalte-se que a aviação civil gera mais de 850 mil empregos diretos, somando-se apenas as empresas aéreas e as atividades de infraestrutura portuária – sem contar o impacto sobre toda a cadeia do turismo. O cenário atual é tenebroso para o segmento: os voos internacionais já foram reduzidos 85%; os domésticos, caíram à metade; 90% e 70%, respectivamente, das frotas da Gol e da Latam estão paradas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.11.19

Acordo de paz entre Klabin e BNDES

Mais do que somente um movimento financeiro, a decisão da Klabin de antecipar o pagamento de R$ 2,4 bilhões em empréstimo ao BNDES teve um forte componente “político”. Com o gesto, os Klabin esperam ter celebrado, de vez, a pax societária com o banco. Em fevereiro deste ano, a BNDESPar, acionista da companhia, entrou com uma queixa na CVM questionando o acordo feito pela fabricante de papel e celulose com os seus próprios controladores. Na ocasião, a Klabin comprometeu-se a pagar aos Klabin R$ 344 milhões para encerrar um contrato de pagamento de royalties pelo uso do sobrenome/marca.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.