fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
08.06.22

Investidores não engolem derrota na Kraft Heinz

A “rebelião do ketchup” está apenas começando. Segundo uma das fontes que se sente lesada, um grupo de acionistas da Kraft Heinz contratou dois grandes escritórios de advocacia norte-americanos para tentar reaver parte das perdas sofridas com o mico da década. Os investidores reclamam de má gestão por parte de Bernardo Hess e Alexandre Behring, respectivamente ex-CEO e ex-chairman da companhia.

Não é difícil imaginar que algo saiu da rota com uma perda pela empresa de mais de US$ 60 bilhões em valor de mercado. Hess e Behring carregavam ainda outro chapéu: eram gestores dos fundos da 3G Capital – de Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles – responsáveis pelos investimentos na Kraft Heinz. Ou seja: são responsáveis em dose dupla pelo fracasso da companhia, talvez o maior vexame da vitoriosa trajetória de Lemann. No fim das contas, a 3G repassou a maior parte do prejuízo para os acionistas: há cerca de duas semanas, transferiu metade da sua participação direta – cerca de 88 milhões de ações, ou US$ 3,5 bilhões – aos investidores.

Hess e Behring não têm do que reclamar. Ganharam sucessivos fees como administradores dos fundos da 3G. Isso inclui o fundo V. Criado em 2016, o veículo de investimento captou US$ 10 bilhões para o deal da Unilever, que acabou não ocorrendo. O fundo só viria a comprar uma empresa – a fabricante de persianas Hunter Douglas – em 2021. Nesse intervalo de cinco anos, Hess e Behring ganharam fees supermilionários pela gestão dos recursos.

A eventual ação dos investidores na Securities and Exchange Commission (SEC) contra atuais e ex-gestores da Kraft Heinz já vai encontrar a companhia em uma posição de fragilidade no órgão regulador norte-americano. No ano passado, a SEC moveu um processo contra a empresa sob a acusação de má conduta contábil entre o último trimestre de 2015 e o fim de 2018. Segundo a SEC, a Kraft Heinz tinha como prática o reconhecimento de descontos não ganhos de fornecedores e a manutenção de contratos de fornecedores falsos e enganosos. A empresa teve de pagar uma indenização de US$ 62 milhões para encerrar a ação. E Jorge Paulo Lemann, como ficou nisso? Entrou mudo, saiu calado e com menos dinheiro no bolso.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.02.22

Alta voltagem 2

O RR tem a informação de que a Light está montando um braço para a compra de startups na área de energia. O principal artífice da operação é Beto Sicupira, dono de 10% da empresa, que joga de dobradinha no projeto com o acionista principal, Ronaldo Cezar Coelho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.05.21

Minoritários no caminho da Americanas e da B2W

Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles terão de enfrentar alguns percalços para concluir a fusão entre a B2W e a Lojas Americanas. Minoritários pesos-pesados da Americanas, a exemplo do BlackRock – uma das maiores gestoras do mundo, com quase US$ 9 trilhões em ativos -, estariam se mobilizando para entrar com um recurso junto à CVM com questionamentos à operação. Segundo fonte de mercado, o ponto central da contestação seria a relação de troca das ações vis-à-vis o esvaziamento da empresa. Pelo acordo, para cada papel que detêm da Americanas, os atuais acionistas da companhia receberão 0,18 ação da B2W. O entendimento é que essa proporção não compensaria as perdas impostas pela transferência de todos os ativos da Americanas para a B2W – o chamado “acervo cindido”, no valor de R$ 6,2 bilhões. Na avaliação dos minoritários, também não se trata de uma relação de troca justa considerando-se a redução do capital social da rede varejista, de R$ 12,5 bilhões para R$ 7,3 bilhões. Bom mesmo só para o trio Lemann/Sicupira/Telles, que manterá o controle da B2W, inflada pelos ativos da Americanas, somando 53,4% entre participações diretas e indiretas.

Procurada pelo RR, a CVM comunicou que, “até o presente momento, não recebeu denúncia ou reclamação a respeito do tema”. E aos olhos do órgão regulador, a engenhosa arquitetura societária é prejudicial aos minoritários? A CVM diz que a operação “está sendo analisada no âmbito do processo 19957.003703/2021-51″. Também consultado, o BlackRock disse que não comenta sobre casos específicos. A Americanas não quis se pronunciar. Ressalte-se que a contestação ao órgão regulador poderá se estender aos Estados Unidos após a já anunciada listagem da nova companhia no mercado norte-americano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.11.17

Burger King parte no encalço do McDonald’s

O trio Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles quer deixar o McDonald ́s comendo poeira no Brasil. Segundo o RR apurou, o plano de expansão do Burger King traçado com os sócios da operação local – à frente, a Vinci Partners, de Gilberto Sayão – tem como meta atingir a marca de mil restaurantes em dois anos. Hoje, são aproximadamente 640 lojas, contra pouco mais de 900 do McDonald ́s.

O ritmo em slow motion da concorrente favorece os planos do Burger King de assumir a dianteira do setor. Nos últimos dois anos, o McDonald ́s puxou o freio de mão e abriu, em média, apenas 17 restaurantes no Brasil. Mantida esta toada, a troca de liderança no mercado brasileiro de fast food se dará até o fim de 2019.

O condimento financeiro para o projeto de expansão do Burger King virá do IPO previsto para dezembro. De acordo com informações filtradas do Burger King, a expectativa dos acionistas é colocar em mercado todo o volume de papéis ofertado, alcançando pouco mais de R$ 4 bilhões. Em tempo: não obstante tantos números superlativos, os financistas que comandam a cozinha do Burger King ainda quebram a cabeça para colocar o negócio no azul. Provavelmente não será neste ano: a subsidiária brasileira acumulou um prejuízo de R$ 18 milhões entre janeiro e setembro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

A São Carlos, incorporadora controlada pelos herdeiros de Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles prepara uma oferta de ações para 2018.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.