fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
18.04.22

Lula põe o “Vale Comida” na mesa do brasileiro

Em meio à partida da campanha eleitoral, Lula quer arrancar um benefício social do governo Bolsonaro. O candidato do PT vai defender um “Vale Comida” urgente. Com o brutal encarecimento da maior parte dos alimentos da cesta básica, os salários dos mais pobres e da classe média e o próprio Auxílio Emergencial estão sendo corroídos. A inflação parece mais resiliente do que o previsto pelo governo. Ela vem de fora para dentro, movida pelos altos preços internacionais dos alimentos. Com isso, a remarcação nas gôndolas dos supermercados retornou, furiosa. A maioria dos analistas considera que a tendência é de continuidade das elevadas cotações dessas mercadorias no exterior.

O BC, por sua vez, enxerga uma inflação de demanda e usa o receituário clássico de taxas de juros nas alturas e sangria desatada da economia. Mas a carestia parece ser de outra origem. Portanto, o remédio pode matar o paciente. No momento, a família brasileira quer ouvir uma única frase: comida mais barata. A oposição pretende bater bumbo propondo que o governo institua algum subsídio para reduzir o impacto da inflação no preço da comida. A bandeira é boa e pode pegar. O governo, se não for insensível e tiver bom senso, poderia se antecipar às intenções de Lula e do PT e implementar rapidamente alguma medida que incluísse uma redução dos preços de itens da cesta básica, como galinha, feijão, açúcar, macarrão etc.

Ou fazer a seleção em função daqueles alimentos que tiveram maiores aumentos. Há controvérsias na medida. O dinheiro dado direto ao cidadão não resolve o problema da corrosão da renda, pois os preços dos alimentos continuarão subindo. Outra hipótese, conceder um subsídio direto para o congelamento dos preços mais estapafúrdios, em combinação com os supermercados, não seria aceita por Paulo Guedes. Além do mais, as experiências anteriores com os supermercados nunca deram certo.

Lembrai-vos dos fiscais do Sarney. Mas a racionalidade de pensar na compensação do descalabro dos alimentos é grande. O ganho popular seria enorme. Nesse momento, o povo não quer outra coisa. A lentidão de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes poderá permitir que Lula e o PT tenham o tempo necessário para fazer um fuzuê capaz de “takeoverizar”, ainda no ventre das boas intenções, um bem-vindo “Vale Alimento”. Em linhas gerais, é factível fazer chegar o pão à boca homem com política de rendas, pelo menos até que a inflação arrefeça. E nunca foi tão elementar tirar o pão da boca de um governo que corre para sanar problemas depois que o mal já está feito. Deixem estar, que o PT vai fazer o barulho e comer o pão sozinho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.03.22

Desembarque

No momento em que o BC finalmente exige mais garantias das fintechs, a colombiana D ́Una, voltada à área de crédito, ensaia sua entrada no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.10.21

Por que tanta histeria com um teto que já tinha caído?

A tentativa do mercado de capturar o governo é o óbvio ululante, como diria Nelson Rodrigues. As discussões sobre a busca de recursos adicionais para financiar o Auxílio Brasil – extensão do Auxílio Emergencial, Bolsa Família ampliada ou coisa que valha – vêm sendo feitas publicamente desde o início do ano. Portanto, ninguém deveria ter sido surpreendido com o pedido de waiver ao Congresso para liberação dos recursos fora do teto. Ainda mais com o advento dos precatórios. O fato é que o teto sempre esteve jurado de morte desde que nasceu. Era só uma questão de tempo.

E o valor de R$ 30 bilhões para pagar a assistência aos mais pobres está a milhões de anos luz de arranhar o equilíbrio fiscal. Talvez a medida fosse mais bem aceita se estivesse associada a algum lastro com realização futura, incluindo na conta os precatórios que ficarão fora do espaço aberto no teto. No lugar do condicionamento à aprovação da reforma do IR, que não vingou, o funding estaria vinculado, por exemplo, à securitização da dúvida ativa. A medida exigiria uma nova Emenda Constitucional para evitar judicialização futura.

Mas, a aprovação dessa PEC seria bem mais fácil, pois estados e municípios têm interesse em transformar sua dívida ativa em moeda de pagamento. De qualquer forma, o mercado rugiria. Como dizia o saudoso engenheiro Eliezer Batista, não contem com a compreensão do capital financeiro para uma política econômica soberana porque ele é covarde, apátrida e cruel. Não é bem a questão dele ser bom ou mal. É a sua natureza. O mercado interpreta os fundamentos da economia. O ponto é quando ele se manifesta em função de análises racionais ou quando seu posicionamento carrega fortes dosagens de manipulação.

Na última sexta-feira, alguns celerados de instituições financeira previam que já na próxima reunião do Copom (dias 26 e 27 de outubro), o BC vai dobrar a aposta em relação ao aumento da taxa Selic. A majoração da taxa de juros saltaria de um ponto para dois pontos percentuais, atravessando a já ousada projeção de 1,5 ponto percentual que algumas casas bancárias vinham praticando. A Selic dispararia, portanto, de 6,25% para 8,25% em uma única reunião do Copom.

As candinhas do mercado buzinam que cresceu muito a percepção de insolvência. Ora, insolvência de quem? Do Estado brasileiro? Com mais de US$ 320 bilhões de reservas cambiais? Além de ativos físicos com qualidade internacional, no valor de mais de R$ 1 trilhão. Coisa de louco. A circunstância exige parcimônia e coragem do presidente do BC, Roberto Campos Neto. Os próximos dias serão histéricos. Se a área econômica se deixar ser conduzida, aí, sim, a herança de Paulo Guedes será a condescendência. Mesmo que tenha feito apenas uma migração suave do regime fiscal de forma a atender gastos emergenciais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.06.21

Chico Lopes já calcula mais de 1.000.000 de mortes

O ex-dirigente do BC Francisco Lopes, exímio econometrista, tem dito aos clientes da sua consultoria que o número de óbitos de Covid-19 corre o risco de passar de 1.000.000 até o primeiro trimestre do ano que vem, quando a vacinação dos adultos deve, enfim, se encerrar (projeção também do economista). Lopes chocou a todos quando previu que a tragédia levaria a “até” um milhão de mortes. Está indo além. Em tempo: o ex-presidente do BC foi o autor da banda diagonal endógena, uma fórmula excêntrica de flutuação do câmbio em um espaço delimitado, que não deu nada certo. Espera-se que sua previsão sobre o número de funéreos seja igualmente diagonal e endógena.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.11.20

DEM que não tem II

A equipe econômica está irritadíssima com o forfait que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, está fazendo para aprovação da autonomia do BC. Trata-se de um projeto que está mofando no Congresso há quase duas décadas. E já foi inclusive aprovado pelo Senado. A acusação mais suave é de que Maia só está pensando em 2022.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.09.20

Os recados do Fed para o Banco Central

O posicionamento do Federal Reserve (Fed) em relação à fantasia de uma “inflação ótima” emitiu um sinal para o BC de que não há uma política monetária ortodoxa única. Ou seja: a ortodoxia tem também suas subdivisões. A posição do Fed é de que a autoridade monetária deve buscar não somente a queda da taxa de inflação, mas também o pleno emprego, além de suportar uma carestia mais alta se essa variável for uma condicionante para o alcance da meta dupla (o índice dos preços controlado e a taxa de ocupação de mão de obra elevada). Um recado sob medida para o BC de Roberto Campos Neto, que não fala uma vírgula sobre desemprego no seu forward guindance.

Campos Neto está pensando dentro de uma caixinha: meta de inflação mais baixa, juros mais baixos, curva de juros longos represada e o resto entregue a Deus e ao ajuste fiscal. Não é que o conjunto da obra esteja errado. Mas não quer dizer que não haja outra forma de pensar a política monetária. A meta de inflação poderia estar mais alta, na faixa de 4,75%, conforme defende o “pai do sistema de metas”, Sérgio Werlang, ex-diretor do BC. Hoje a meta se encontra em 4%, mas, irá cair para 3,75% no próximo ano, estreitando o espaço para o manejo da política monetária.

Outra lição do Fed: se há meta para inflação, tem de se ter também uma meta explícita para o emprego, e são ambos que devem regular a política da autoridade monetária. Apesar de toda a sofisticação dos modelos econométricos, há muito do “assim é se lhe parece” na política de metas. Um exemplo é o cálculo da inflação que interessa ao sistema de metas. Em agosto, por exemplo, o Índice Geral de Preços – Mercado (IGPM) voltou a ganhar tração, subindo no mês 2,74%.

Passou a acumular alta de 13,02% em 12 meses e de 9,64% em 2020. O IPCA de agosto ainda não foi divulgado, mas os números conhecidos apontam um índice de 0,36% para o mês de julho, com um acumulado de 2,31% em 12 meses. Em julho de 2019, a taxa havia ficado em 0,19%. Há índice para todos os gostos. Como diria Max Planck, “tudo é relativo”. Não é o caso de se dizer que o BC esteja errado. Mas nada impossibilita que ele siga o exemplo das autoridades monetárias de países centrais. É provável que acerte mais. Afinal, se juros baixos não estimulam investimento em nações desenvolvidas, que venha a pressão pela demanda com pleno emprego e pelo aumento de salários, o que pode ajudar a puxar a inflação e colaborar com o fiscal.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.08.19

O case às avessas de Ilan Goldfajn

O ex-presidente do BC Ilan Goldfajn encabeça a lista de palestrantes coroados do seminário “Futuro do Trabalho”. O evento será realizado pelo Massachusetts Intitute of Technology (MIT), no dia 29 de agosto, em São Paulo. A esfinge, ávida leitora de dilemas cognitivos, apresentaria de bate pronto enigma: o que faz Goldfajn palpitando sobre uma categoria que, muito antes do porvir, sofreu seus golpes de foice enquanto autoridade monetária. O ex-presidente do BC sempre digladiou contra a tese de que o banco deveria ter uma dupla meta: a emissão de moeda e a geração do emprego. Com sua política de juros desnecessariamente altos, a taxa de desocupação da mão de obra escorreu como água do balde de roupa suja chamado Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.07.19

O orgulho falou mais alto

O ex-presidente do BC Gustavo Franco voltou atrás em sua desistência em assumir o comando do Conselho do BNDES, decisão antecipada pelo RR na edição de 19 de junho. Franco continua inelegível por diversos fatores, inclusive conflito de interesses. Uma das exigências, contudo, incomoda o pai do Plano Real por ser descabida: a cobrança de pagamentos atrasados à instituição. Franco considerou que abdicar da candidatura antes da burocracia terminar seu serviço faria com que a emenda se tornasse pior do que o soneto. A desistência evidenciaria o medo do resultado das averiguações. Portanto, Franco fica candidato até o fim. Se for o caso, pede para sair depois de tomar posse. Parece bem pensado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.06.19

Paulo Guedes apela aos remédios que sua medicina proíbe

O ministro Paulo Guedes decidiu seguir as lições do mundo e adotar estímulos monetários. Anunciou que aumentará a liquidez do mercado de crédito em R$ 100 bilhões, diminuindo a alíquota do recolhimento compulsório dos depósitos bancários. O próximo passo será a redução da taxa Selic na reunião do Copom, de julho, provavelmente em um ponto percentual – e não haverá BC autônomo que diga o contrário. Boas notícias? Sim e não.

As medidas são favoráveis pela ótica de que, sob severa austeridade fiscal, o caminho dos juros e do crédito é a alternativa restante para propiciar algum refresco na economia. O BC e o Ministério da Economia já trabalham, internamente, com a hipótese de uma recessão neste ano. O BC, que projetava quase 3% de crescimento do PIB, no início do ano, já despencou suas estimativas para 0,8%. No mercado, várias instituições projetam taxas na faixa de 0,5%. Nesse ritmo, cair para – 0,1%, digamos assim, é bastante crível. Detalhe: em todas as previsões sobre o PIB é tida como certa a aprovação da reforma da Previdência.

O relaxamento da liquidez, portanto, é uma receita padrão para a circunstância. Por outro lado, talvez não haja tantos tomadores assim para os recursos disponibilizados ao setor bancário. O principal motivo são os spreads escorchantes da ordem de 19,2 pontos percentuais, que subiram mais de dois pontos percentuais em relação a 2018, mesmo com a taxa básica de juros descendo a ladeira. A projeção da LC Consultores é de que o saldo total de crédito cresça 6,6% em 2019 para um aumento do PIB de 1%. É bom, mas é pouco. Na margem, a redução do compulsório ajuda. Mas o RR mantém a sua aposta de que Paulo Guedes “vai ter de aprovar algum gasto”. Ordens do andar de cima. É o que se diz nas internas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.09.18

Copom cenográfico

A diretoria do BC pode combinar de fazer um piquenique no Lago Sul ou bater uma bola no Brasília Tênis Clube, hoje e amanhã. Nessas datas ocorrerá a reunião do Copom, que o mercado está chamando de “não evento”. Em meio aos folguedos poderiam liberar mais uma fatia dos depósitos compulsórios para mitigar a inadimplência.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.