Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
16.08.19

German nas nuvens

German Efromovich confidenciou a uma fonte do RR os planos de montar uma companhia aérea na Costa Rica. Só não disse de onde sairá o combustível financeiro para tirar o projeto do chão. Efromovich vem de dois reveses: a perda da Avianca na Colômbia e a recuperação judicial da Avianca Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.08.19

Risco Passaredo

A decisão da ANAC de entregar à Passaredo 14 dos antigos slots da Avianca em Congonhas foi mal recebida por outros órgãos públicos do setor aéreo. As áreas técnicas da Infraero e do Decea (Departamento de Controle do Espaço Aéreo) têm preocupação quanto à capacidade financeira da empresa de operar as estruturas e voos no aeroporto. Não bastasse ser uma companhia pequena, a Passaredo ainda traz as sequelas de quem enfrentou um processo de recuperação judicial há dois anos.

O RR apurou que a Passaredo tem planos de operar três voos diários de Congonhas para cidades do interior de Minas Gerais. Procurada, a empresa diz que está “trabalhando na elaboração de uma malha para iniciar operações em 27 de outubro”. Informa ainda que “irá se adequar aos requisitos operacionais exigidos para atuação no aeroporto.”

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.07.19

Guerra aérea

A ANAC vai despejar ainda mais munição no imbróglio da Avianca. Já dispõe de parecer da AGU corroborando que o leilão de slots da companhia aérea realizado na semana passada é ilegal. Na sexta-feira, a agência obteve decisão favorável no STJ.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.07.19

As tempestades de Neeleman

David Neeleman enfrenta turbulências dos dois lados do Atlântico. No Brasil, a Azul pulou fora do atribulado leilão da Avianca; em Portugal o governo, sócio de Neeleman na TAP, tem questionado duramente a política de remuneração da companhia. As autoridades deverão vetar novos pagamentos de bônus a executivos da empresa ao longo deste ano. Em maio, a TAP desembolsou 1,2 milhão de euros em bonificações a 180 funcionários em cargos de gerência e direção. A decisão desencadeou fortes críticas à gestão da TAP, leia-se o CEO Antonoaldo Neves, ex-presidente da própria Azul. Ao se referir a Neeleman, o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, falou em “quebra de confiança” na relação com o sócio privado. Não é pelo 1,2 milhão de euros, cifra que está longe de ser uma fortuna. Ocorre que a remuneração extra aos executivos soa como um elogio ao fracasso. No ano passado, a TAP teve um prejuízo de 118 milhões de euros.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.07.19

Contrastes

Na última segunda-feira, a Avianca Brasil demitiu cerca de 40 funcionários. Pior: segundo a fonte do RR, mais da metade descobriu que a companhia não depositava seu FGTS há aproximadamente um ano. No mesmo dia, a imprensa italiana trazia a inusitada notícia de que German Efromovich poderá investir 240 milhões de euros na compra de 30% da Alitalia. Nem parecia se referir ao mesmo Efromovich que lançou a Avianca numa recuperação judicial, com R$ 2,8 bilhões em dívidas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.06.19

Pane seca

Chamada em janeiro para pilotar a reestruturação da Avianca, a Galeazzi já considera fazer o write off do contrato. Até agora não teria recebido sequer um centavo pela consultoria. As duas empresas não se pronunciam sobre o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.06.19

Leilão da Avianca enfrente nova turbulência

Segundo informações filtradas junto à ANAC, a Swissport prepara um novo recurso judicial com o objetivo de barrar a venda de ativos da Avianca. É mais uma ameaça ao leilão, já suspenso, postergado e agora remarcado para 10 de julho. O grupo suíço, que presta serviços para companhias aéreas e é um dos principais credores da empresa de German Efromovich, já havia entrado com uma ação no TJ-SP, mas foi derrotado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.05.19

A última cartada de Efromovich

Germán Efromovich vai entrar com uma ação na Justiça norte-americana na tentativa de retomar o controle da colombiana Avianca Holdings. Na última sexta-feira, Efromovich perdeuo cargo de chairman e sua participação majoritária de 78% no capital por não ter honrado uma dívida de US$ 456 milhões com a United. Mais do que a companhia norte-americana, o grande vitorioso foi o investidor salvadorenho Roberto Kriete, desafeto de Efromovich, que fez um acordo com a United e assumiu o controle da Avianca Holdings. Pedra mais do que cantada. Na edição de 18 de janeiro, o RR noticiou que Kriete se articulavacom acionistas e credores para tomar o comando da companhia. A ação na Justiça dos EUA deverá ser a última cartada de Germán Efromovich para evitar o desmoronamento definitivo de seus negócios no setor – a brasileira Avianca já pode ser considerada página virada no seu folhetim: ou vai a leilão ou fecha de vez.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.05.19

Pouso forçado

A alemã Fraport, que administra o Aeroporto de Fortaleza, cogita uma atitude drástica em relação à Avianca: impedir os pousos e decolagens da companhia no terminal. Procurada, a Fraport informou que, para operar no aeroporto cearense, a “Avianca tem que efetuar o repasse das taxas de embarque com antecedência”. A dívida da empresa de German Efromovich com a concessionária gira em torno dos R$ 9 milhões, segundo a própria Fraport confirmou ao RR.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.04.19

As duas viagens de David Neeleman

Em meio às turbulentas negociações para a compra da Avianca, David Neeleman, dono da Azul, se dedica à outra operação razoavelmente complexa: discute com a parceria Atlantic Gateway a necessidade de um aporte de capital na TAP. O busílis é saber se o governo português, sócio da empresa, participará e, mais do que isso, concordará com a possível capitalização da companhia, que, no ano passado, amargou um prejuízo de 118 milhões de euros.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.