Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
13.03.19
ED. 6071

O pouso da Azul

O RR apurou que a Azul vai sacramentar até amanhã o pagamento de US$ 40 milhões à Avianca. Trata-se do valor máximo acertado com German Efromovich como adiantamento pela compra dos ativos da companhia. Procurada, a Azul nega o pagamento. Está feito o registro. No entanto, de acordo com a fonte do RR, os últimos detalhes do acordo foram pactuados ontem à tarde.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.02.19
ED. 6057

Fortes turbulências

O plano de demissão voluntária da Avianca não deu sequer para encher um Airbus 330-200 da companhia. Segundo o RR apurou, cerca de 210 funcionários aderiram ao programa, muito abaixo da meta de 600 trabalhadores. Mau sinal. O resultado aumenta a pressão sobre a companhia de German Efromovich. Hoje, os tripulantes da Avianca se reunirão para apurar se a proposta de
redução de salários feita pela empresa foi aprovada – a votação, aberta na última quinta-feira, atravessou o fim de semana.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.01.19
ED. 6037

Azul e United cobiçam Avianca em fatias

A Azul e a United Airlines estão conversando para destrinchar a Avianca e dividirem entre si os pedaços da companhia aérea. Há pouco mais de seis semanas as duas aerolíneas se reuniram em Nova York com os donos da Avianca, José Efromovich e German Efromovich. O encontro teve a tutela da United.

A ideia original da Azul, de David Neeleman, era ficar com a operação brasileira da Avianca por inteiro. A companhia norte-americana ajudaria a costurar a colcha de retalhos aéreos, aportando recursos na Avianca Colômbia, por meio de um fundo que já detém ações da empresa. Àquela altura, a aerolínea dos Efromovich ainda não tinha entrado em recuperação judicial, o que ocorreu em dezembro passado. De lá para cá, a situação piorou drasticamente.

Na quinta-feira passada, a Anac chegou a cancelar o registro de dez aeronaves Airbus A320, o equivalente a 20% da frota da Avianca. No dia seguinte, a medida foi suspensa depois que a companhia aérea fechou um acordo com a GE Capital Aviation Services, empresa de leasing proprietária dos aviões. Ainda assim, a companhia dos Efromovich corre o risco de perder outras aeronaves. A Avianca já está tendo que reacomodar seus passageiros em voos de outras empresas aéreas. David Neeleman, dono da Azul, trabalha para ficar com os slots da Avianca Brasil. É o que interessa. O resto, deixa quebrar…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.01.19
ED. 6036

Inferno astral

Em meio à recuperação judicial e à delicada situação financeira da Avianca, o empresário German Efromovich ainda tem pela frente um motim societário. O investidor salvadorenho Roberto Kriete, minoritário da companhia e desafeto de Efromovich, estaria se articulando com outros acionistas na tentativa de tomar o comando da companhia aérea.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.12.18
ED. 6018

Custo ambiental pesa sobre as companhias aéreas

Como se não bastassem as turbulências do setor – vide o pedido de recuperação judicial da Avianca e os seguidos prejuízos da Gol –, as companhias aéreas brasileiras terão pela frente um fator adicional de custos. A fatura diz respeito à necessidade de adequação ao Mecanismo de Redução e Compensação das Emissões de Carbono da Aviação Internacional (Corsia). Trata-se do protocolo de conduta ambiental lançado pela Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) para garantir a neutralização do lançamento de CO2 na atmosfera. Estima-se que os custos para compensação de carbono vão variar de 0,5% até 1,4% da receita com voos internacionais. Apenas como exemplo, tomando-se por base, o faturamento da Gol no ano passado, a partir de 2021 a companhia terá uma despesa extra da ordem de R$ 30 milhões na compra de créditos de carbono. Até 2026, a adesão ao Corsia será voluntária. A partir do ano seguinte, todos os países que compõem a OACI terão de cumprir as novas normas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.12.18
ED. 6015

Medida Provisória taylor made?

Poucos minutos após a assinatura, a MP editada ontem por Michel Temer liberando a venda de 100% das companhias aéreas ao capital estrangeiro já era chamada nos corredores do Congresso de “Lei Efromovich”. A Medida Provisória parece ter sido feita sob encomenda: caiu dos céus justo na semana em que a Avianca, do empresário German Efromovich, entrou com pedido de recuperação judicial.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.09.18
ED. 5959

Ave de rapina

Tem um abutre na turbina da Avianca. O fundo Elliot Management, credor da companhia aérea, tem sido um entrave ao fechamento da joint venture entre a empresa de German Efromovich e a United.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18
ED. 5932

Tríplice aliança

As negociações entre a Avianca e a United Airlines não apenas foram retomadas, como contam com um terceiro tripulante. Segundo o RR apurou, a panamenha Copa Airlines também deverá aterrissar na parceria estratégica que vem sendo costurada entre German Efromovich e a companhia norte-americana.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.05.18
ED. 5859

Pouso forçado

German Efromovich, dono da Avianca, está vendo a parceria com a United Airlines escapar entre seus dedos. As negociações entre as duas companhias teriam esfriado nas últimas semanas. A United está mais interessada em aumentar sua participação na Azul, por meio da compra da participação da chinesa HNA. A suspensão do processo de fusão da Avianca Holdings com a Avianca Brasil também teria pesado no recuo dos norte-americanos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.04.18
ED. 5841

“Aviancas” não se encaixam

O nome é o mesmo, o controlador é um só, mas a Avianca Holdings e a Avianca Brasil parecem ter decolado de planetas diferentes. Os estudos para a fusão entre as duas companhias aéreas de German Efromovich já teriam estourado todos os cronogramas: a cada momento surge um ponto de incompatibilidade entre elas. O desencaixe vai desde o modelo de governança às dificuldades de integração entre os respectivos sistemas de venda de passagens. Para completar, há ainda divergências com o investidor salvadorenho Roberto Kriete, acionista minoritário da colombiana Avianca Holdings.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.12.17
ED. 5763

Voo em ziguezague

O anúncio da Avianca de que o contencioso com o empresário panamenho Robert Kriete, seu minoritário e desafeto de German Efromovich, está encerrado não corresponde exatamente à realidade dos fatos. Kriete declarou à imprensa da Colômbia, onde está a sede da Avianca Holdings, que apenas suspendeu temporariamente as ações contra a companhia na Justiça de Nova York. Se as negociações para a parceria com a United não derem certo, Kriete promete voltar à carga contra Efromovich.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.08.17
ED. 5682

Nas asas de um abutre

Os dois grandes inimigos de German Efromovich na Avianca agora são um só. O fundo-abutre Elliot, de Paul Singer, e o salvadorenho Roberto Kriete, dono de 22% da companhia aérea, se uniram para barrar a fusão da Avianca Holdings com a Avianca Brasil e a venda de parte da nova empresa para a United. O Elliot é um dos principais credores de Efromovich.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.17
ED. 5600

Os inimigos de German

German Efromovich terá de enfrentar dois duros adversários para levar adiante a fusão entre a Avianca Holdings e a Avianca do Brasil. O fundo abutre Elliot, credor da companhia colombiana, e o investidor salvadorenho Roberto Kriete, sócio e desafeto de Efromovich, se mobilizam para barrar a operação. Um quer receber seus créditos primeiro; o outro luta para não ser diluído na fusão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.04.17
ED. 5595

Bilhete unitário

Com a fusão entre a colombiana Avianca Holdings e a Avianca Brasil, German Efromovich espera aumentar seu cacife na venda de uma participação na nova companhia. As ofertas que recebeu separadamente não o animaram.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.01.17
ED. 5539

Sob medida

A MP que vai liberar de vez a participação do capital estrangeiro no setor de aviação já é chamada em Brasília de “Lei Germán”, em referência ao empresário Germán Efromovich, que procura um novo dono para a Avianca. Maldade! A lei serve a todos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.01.17
ED. 5530

Air Force Two

Dificilmente German Efromovich seguirá na cabine de comando da Avianca. As três propostas de associação que recebeu – Delta, United e Copa Airlines – preveem a transferência de participação majoritária do Sinergy Group, a holding colombiana que controla a companhia aérea.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.10.16
ED. 5486

Pressurização

 Os credores de German Efromovich, a começar pelo fundo norte-americano Elliot Management, pressionam pela fusão da Avianca Brasil e da Avianca Holdings, sediada na Colômbia. Vocalizam os interesses do empresário Roberto Kriete. Com a fusão, o empresário colombiano, que é acionista apenas da Holdings, passaria a ter participação em todos os negócios dos irmãos German e José Efromovich no setor aéreo. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Avianca.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.10.16
ED. 5473

Asas cortadas

 German Efromovich negocia a venda de uma participação da Avianca para um grupo de investidores chineses. “Negocia” é mera força de expressão. A operação é uma imposição do fundo-abutre Elliot Management, que, no ano passado, fez um empréstimo à Sinergy, holding de Efromovich – uma operação, aliás, cercada de mistérios. • A seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Avianca.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.06.16
ED. 5381

Carta de voo

Os irmãos Efromovich buscam um desafogo para a crise. A Avianca planeja criar uma empresa de voos charters, segmento que tem sofrido menos os efeitos da crise do que a aviação regular. * A Avianca preferiu não se pronunciar sobre o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.04.16
ED. 5350

“Aviancas” se encontram à espera do embarque da Advent

 José e German Efromovich têm muitas dúvidas sobre o futuro da Avianca e uma certeza. A convicção custou caro. Foram necessários muitos milhões em perdas financeiras para finalmente concluírem que operar separadamente a Avianca Holdings e a Avianca Brasil é rasgar dinheiro. A primeira companhia tem sob o seu radar toda a América Latina, enquanto a Avianca Brasil é uma estrela isolada da constelação. Juntas deram um prejuízo líquido de US$ 150 milhões em 2015 ao grupo Sinergy. Os resultados previstos para este ano não são muito diferentes. Os irmãos Efromovich, famosos pela sagacidade nos negócios, demoraram para entender o significado da palavra sinergia. Além dos ganhos operacionais e financeiros, a fusão das duas empresas está relacionada a uma negociação de José e German com a gestora Advent para o ingresso no capital da Avianca Holdings. Os norte-americanos querem um aumento da escala da empresa para tornar-se sócia. O ponto de maior fricção entre as partes é justamente a separação dos ativos. Com a inclusão da operação brasileira, a companhia, com sede em Bogotá, aumentaria em 15% a sua receita líquida de aproximadamente US$ 5 bilhões.  Segundo a fonte do RR, a gestora de recursos argumenta que a fusão também serviria para compensar o rombo no caixa provocado pelas perdas da operação venezuelana da Avianca. A empresa reconheceu perdas de US$ 240 milhões em função da política cambial restritiva do governo de Nicolás Maduro. Até agora, as tratativas com a Advent seguem bem. A gestora entrou em 2015 no capital da LifeMiles, empresa de milhagem da Avianca, por intermédio de um fundo regional lançado há pouco mais de um ano. Essa associação é vista pelos Efromovich como o primeiro passo de uma estratégia maior de ter a Advent como sócia da companhia aérea. A parceria abriria portas para que novos investidores entrem no negócio. Em função das restrições da lei brasileira, a Avianca Holdings deverá ter 49% do capital da empresa brasileira. O restante permanecerá com José e German. Procurada pelo RR, a Avianca não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.02.16
ED. 5303

Voo baixo

 A Avianca pretende reduzir em 20% as 200 decolagens diárias da companhia, incluindo a supressão de destinos no Nordeste, como Juazeiro do Norte (CE). Procurada, a Avianca informou que eventuais ajustes dependem do comportamento do mercado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.09.15
ED. 5215

Turbulência avista

A Avianca, do empresário German Efromovich, estaria passando por turbulências financeiras.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.05.15
ED. 5128

David vs. German

 David Neeleman e German Efromovich travam uma disputa cada vez mais acirrada. Além do duelo pela TAP, a Azul vai ampliar o número de voos para capitais latino-americanas, a começar por Bogotá e La Paz. Trata-se de uma região onde a Avianca, do boliviano Efromovich, tem expressiva atuação. Oficialmente, a Azul desconversa e garante que, no momento, sua prioridade é aumentar os voos para os Estados Unidos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.