fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
01.02.21

Ninguém enxerga que a indústria está morrendo?

O RR apurou que a Secretaria do Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação do Ministério da Economia monitora, com preocupação, a situação da Audi no país. O receio é que a montadora alemã seja a próxima a encerrar sua produção no Brasil. Os movimentos recentes reforçam essa percepção. Em dezembro passado, a empresa suspendeu a fabricação do A3 Sedan, único modelo que era montado na unidade de São José dos Pinhais (PR). Ouvida pelo RR, a Audi foi diplomática. Afirmou que estuda um novo modelo para ser produzido no Brasil. Diz ainda que “boa parte dessa decisão passa pela definição do que irá ocorrer com os créditos de IPI acumulados durante os anos de Inovar Auto, que não foram integralmente devolvidos”.

O RR, contudo, reitera que a empresa estuda cair fora do país. Caso atravesse a porta de saída, a Audi se juntará a Ford, Ford Caminhões, Roche, Eli Lilly, Sony, Mercedes-Benz e Nikon, empresas que encerraram suas atividades industriais no Brasil desde o início do governo Bolsonaro. Diante do crescente êxodo de multinacionais, talvez tenha chegado a hora de rever o “super” Ministério da Economia. A “sub-pasta” da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação, colocada sob o guarda-chuva de Paulo Guedes tornou-se um apêndice menor e ineficaz, com graves reflexos para a economia, geração de empregos, retenção de talentos e mesmo estímulo à educação mais sofisticada no país. Com Guedes não vai haver policy para o segmento. O ministro despreza qualquer tipo de política industrial. Há uma bifurcação de motivos para esse “bye, bye, Brazil”.

De um lado, existe uma variável estrutural: o elevado Custo Brasil, uma questão que exige tempo para ser equacionada. Por outro, há um forte componente conjuntural. A gestão Bolsonaro não acena com PIB crescente, aumento de investimentos e muito menos incentivos – que não precisam, necessariamente, ser fiscais. O Chile, por exemplo, exige o compromisso de permanência de uma empresa por 10 anos para a concessão de benefícios. Por aqui, o governo Bolsonaro adota a política do “cada um por si”.

O BNDES hoje é tudo: estruturador de operações financeiras, adviser de privatizações, trem pagador do Tesouro, menos banco de fomento. Paulo Guedes diz que a indústria está crescendo. Como de hábito, ergue suas verdades sobre um terreno arenoso. Esse crescimento ao qual ele se refere se deve a três variáveis. Em primeiro lugar, a base de comparação usada – o mês imediatamente anterior – é baixa. Em novembro de 2020, a atividade industrial avançou 1,2% em relação a outubro. Por esse critério, foi a sétima alta consecutiva. No entanto, quando a comparação se dá com o mesmo período em 2019, foram 10 meses seguidos de baixa. Apenas em outubro e novembro de 2020 a indústria voltou a crescer frente aos mesmos meses no ano anterior.

Além disso, o auxílio emergencial e as políticas de cobertura de pagamento de salários dos trabalhadores durante a pandemia tiveram um impacto positivo circunstancial. Ressalte-se ainda o divórcio de boa parte dos brasileiros com as regras sanitárias: mais da metade da população determinou, com o apoio do presidente Bolsonaro, que o isolamento não precisava ser cumprido, o que antecipou a retomada da economia – ao custo de milhares de mortos a mais. Hoje, a indústria de transformação responde por 11% do PIB, o menor nível desde 1947. Há estimativa que chegue a 9% em 2024.

Segmentos vitais vão recuar ainda mais. A formação bruta de capital fixo deve cair 2,3% no quarto trimestre de 2020 em comparação com o terceiro, segundo projeção do Boletim Macro do Ibre-FGV. A construção civil, que tem peso no cálculo do PIB industrial, deu um piparote em dezembro, com a maior utilização de capacidade operacional desde 2014. Mas, a previsão da Câmara Brasileira da Indústria da Construção é de uma queda de 2,8% do PIB do setor em 2020. Esse cenário provoca efeitos colaterais que podem demorar anos para serem curados. Há uma crescente exportação de talentos no país, notadamente para países como Estados Unidos, Alemanha e Suécia. São profissionais de alta formação que potencialmente teriam de ser absorvidos pela indústria nacional. E daí.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.11.18

Tucuruí

A quem interessar possa: o e-Tron, carro elétrico da Audi, deverá chegar ao Brasil em 2019 a um preço na casa dos R$ 400 mil. A montadora confirma a venda do modelo, mas informa que “o preço ainda não está definido”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.05.17

Novo regime automotivo causa um racha entre as montadoras

Às vésperas da publicação do Inovar – Auto 2, regime automotivo que deverá ser anunciado no início do segundo semestre, há um racha sendo disputado nos gabinetes de Brasília. As fabricantes de veículos de luxo, à frente Jaguar Land Rover, BMW e Audi, têm feito uma carreata nos Ministérios da Indústria e da Fazenda na inglória tentativa de sensibilizar o governo a afrouxar o torniquete fiscal. O objetivo é eliminar ou, ao menos, reduzir consideravelmente a alíquota extra de 30% cobrada sobre os veículos importados que excedem a cota à que cada montadora tem direito.

Por ainda terem uma produção incipiente, restrita a poucos modelos, estas empresas dependem mais das importações do que suas concorrentes. Na contramão, ouve-se o ronco dos motores de Volkswagen, GM, Ford e Fiat, que fazem o lobby pela manutenção e – se possível – aumento dos impostos sobre os importados. No setor, a aposta é que as “big four” vencem a disputa, não só pela força da sua representação política, mas pelas circunstâncias. Difícil convencer a Fazenda de que um imposto não faz sentido quando o “que não faz sentido” é um déficit primário de R$ 147 bilhões.

De toda a forma, as montadoras de luxo argumentam que o imposto extra perdeu sua razão de ser. A alíquota foi criada para frear as importações e punir as montadoras que não investiam em produção local. De 2011 para cá, Jaguar e BMW instalaram fábricas no Brasil; a Audi retomou a montagem de automóveis em São José dos Pinhais (PR) após um hiato de nove anos. As empresas, portanto, cobram a conta dos investimentos recentes no país. Procurada, a Jaguar informou que as tratativas da nova política automotiva estão sendo conduzidas pela Anfavea. Audi e BMW não quiseram comentar o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.04.16

Roda contra roda

 A Audi vai processar a BMW e seu ex-nº 1 no Brasil, Artur Piñeiro, hoje em Nova York. Em dezembro, às vésperas de deixar o país, Piñeiro acusou a Audi de praticar dumping no mercado brasileiro. Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Audi e BMW.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.03.16

Guinada

 A Audi Brasil encontrou uma estrada vicinal onde seus amortecedores não são tão maltratados pela crise da indústria automobilística. A montadora alcançou o topo do ranking de carros de luxo no país com a venda para locadoras e empresas de transporte de passageiros, segmentos que já respondem por 20% do seu faturamento.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.01.16

BMW troca de piloto em busca de uma direção mais segura

  A BMW não tolera a menor derrapagem em sua trajetória no Brasil. Mesmo com crescimento de 6% nas vendas do ano passado, seu melhor resultado nos últimos anos, a matriz alemã não aceitou a perda histórica do primeiro lugar no ranking do mercado de carros de luxo. Suas concorrentes Mercedes-Benz e Audi cresceram respectivamente 56% e 36% no mesmo período, o que é surpreendente porque se trata de montadoras que importavam os veículos até o ano passado. Tiraram a liderança da BMW mesmo com a alta de 50% do dólar e ainda pagando taxas de importação. Para tornar a perda ainda mais indigesta, a mudança no ranking aconteceu justamente no primeiro ano de funcionamento da fábrica de Araquari (SC), um investimento de aproximadamente R$ 600 milhões da BMW. O próprio presidente demitido da companhia no país, Arturo Piñeiro, que deixará o cargo no mês que vem, fez questão de declarar publicamente que a fábrica está sendo subaproveitada e a BMW parou de expandir sua rede de concessionárias.  É por essas e outras que Piñeiro deixará a operação brasileira, uma das mais importantes do grupo no mundo, para ser o executivo responsável pela BMW of Manhattan, com apenas quatro lojas próprias em Nova York. A transferência é vista dentro do grupo como uma espécie de aposentadoria de luxo. Talvez seja também uma forma de evitar que Piñeiro prossiga dando declarações constrangedoras e prejudiciais aos negócios da montadora no Brasil. Helder Boavida, que assumirá a presidência da subsidiária, terá trabalho duplo. Além de recuperar a liderança perdida, terá a missão de apagar os incêndios provocados por seu antecessor, com arranhões na imagem institucional da BMW. Piñeiro conseguiu arrumar problemas nas mais diversas direções. Teve atritos com outros executivos da companhia, tanto no Brasil quanto na Alemanha, bateu de frente com fornecedores e revendedores e, ao perder a dianteira do mercado, subiu no meio-fio e acusou publicamente a Audi de promover dumping no país, o que jamais se confirmou. Boavida pretende marcar o início de sua gestão com um pacote de boas notí- cias. Estão nos planos do executivo uma redução nos preços dos veículos, que viria acompanhada de uma nova campanha publicitária, o lançamento de dois modelos no mercado brasileiro e o projeto de produção do carro elétrico i3 na fábrica de Araquari. A BMW não retornaou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.12.15

Fumacê

 A Audi está na mira do Ibama. O órgão investiga se os veículos da montadora também usam motores fora das especificações ambientais. É o efeito Volkswagen. Controlador da Audi, o grupo alemão está envolvido em uma das maiores fraudes corporativas da história, depois de falsificar os resultados de emissões de poluentes de seus veículos. No Brasil, já foi multado pelo Ibama em R$ 50 milhões. A seguinte empresa não retornou ou não comentou o assunto: Audi.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.10.15

Audi

 Jörg Hofmann, presidente da Audi no Brasil, tem sentido o peso do envolvimento da Volkswagen no escândalo mundial da fraude nos testes de emissões de poluentes dos carros da montadora alemã. Apesar de não ter relação direta com o problema, a Audi, controlada pela Volkswagen, deverá ser espremida para dar lucro no país e compensar perdas da controladora. O problema é que a Audi investiu recentemente R$ 542 milhões para construir uma fábrica em São José dos Pinhais (PR).

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.08.15

Zero quilômetro

A Audi vai inaugurar sua fábrica no Paraná com 50% da produção já comercializados. Na atual conjuntura, é para erguer as mãos ao céu. Procurada, a empresa informou que, primeiro, atenderá ao mercado com importados em estoque, mas não entrou em detalhes sobre as vendas da fábrica.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.