fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
14.06.22

Tartaruga

Ontem, no fim de tarde, a Receita trabalhava internamente com a estimativa de que a circulação de cargas entre Brasil e Argentina será reduzida à metade hoje e amanhã. Saldo da paralisação  de advertência convocada pelos auditores fiscais agropecuários.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.06.22

Semente na terra

O El Tejar, um dos maiores grupos do agronegócio na Argentina, está buscando investidores brasileiros para se associar a operações na área de soja no país vizinho. No ano passado, os argentinos venderam seus negócios no Brasil para a Amaggi, de Blairo Maggi.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.06.22

Embaixador do business

Segundo informações que circulam no Itamaraty, o governo Alberto Fernández quer indicar um empresário para o posto de embaixador da Argentina em Brasília. O atual titular, Daniel Scioli, está deixando o cargo para assumir o Ministério do Desenvolvimento Produtivo da Argentina.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.06.22

Canto da sereia

O embaixador da Argentina em Brasília, Daniel Scioli, está acelerando  para cima de montadoras. Acena com um generoso pacote de incentivos a empresas que transferirem investimentos do Brasil para o país vizinho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.02.22

Lítio é mais uma oportunidade perdida

A incompetência do governo Bolsonaro em valorizar os principais ativos brasileiros no exterior se manifesta agora no mercado de lítio. Na edição da última segunda-feira, o Financial Times revelou que, entre os países detentores de grandes reservas, Argentina e Chile são os mais avançados na atração de investimentos internacionais. A Bolívia, por sua vez, está começando agora a buscar parceiros para o negócio.

O trio forma uma espécie de “Opep do lítio”, com o equivalente a 70% das reservas globais. O Brasil, que soma aproximadamente 8% das jazidas mundiais, poderia muito bem fazer parte desse bloco. No entanto, o país sequer é citado na reportagem. Pudera.

O governo não está movendo nem uma palha para potencializar a produção do mineral. Tampouco tem buscado oportunidades conjuntas com os países vizinhos. Ou seja: a um só tempo, o Brasil está perdendo a corrida pelo dinheiro e pela afirmação no exterior de uma nação comprometida com a redução de poluentes e o uso de um insumo vital para a produção de baterias de veículos elétricos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.12.21

Sangue latino

A Dasa avança a passos largos em seu processo de internacionalização. Após abrir laboratórios na Argentina e no Uruguai, a empresa prepara sua entrada no Chile e na Colômbia. É projeto para o primeiro semestre de 2022. Consultada, a empresa não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.12.21

Encontro marcado

Segundo fonte do Itamaraty, Jair Bolsonaro e o presidente da Argentina, Alberto Fernández, terão um encontro reservado, em  Brasília, na terceira semana de dezembro, durante a reunião de cúpula do Mercosul. Uma das pautas será a construção de um gasoduto para ligar as jazidas de gás de Vaca Muerta ao Rio Grande do Sul.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.11.21

Lusco-fusco bilateral

Mais uma faísca nas relações entre Brasil e Argentina: a sincronização das hidrelétricas de Itaipu e Yaciretá, que estava prevista para este ano, deve ficar para 2022. Será o segundo adiamento em um ano e meio. No governo brasileiro, os atrasos são atribuídos à estatal  argentina do setor elétrico Cammesa. A cada momento, a empresa apresenta uma nova exigência. É como se a Argentina não quisesse mais sincronizar os ciclos de produção das duas usinas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.11.21

Al mare

A reivindicação dos governos da Argentina e do Uruguai (ver RR de 25 de outubro) surtiu efeito. Para alívio do setor turístico, o governo brasileiro vai baixar uma portaria estendendo a rota dos cruzeiros que circulam pela costa do Brasil aos dois países. A travessia está suspensa por conta da pandemia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Segundo fonte do Itamaraty, os governos da Argentina e do Uruguai estão reivindicando ao Brasil que libere a circulação de cruzeiros marítimos internacionais. Por conta da pandemia, a travessia de navios de passageiros está restrita a águas territoriais brasileiras, notadamente em cidades do Sudeste e do Nordeste. Por tabela, a medida tem atingido duramente o setor turístico na Argentina e no Uruguai: historicamente, os dois países recebem muitos cruzeiros internacionais que partem ou passam pelo Brasil. Procurado, o Itamaraty não se pronunciou. Já a Pasta do Turismo informou que “os Ministérios da Saúde, Infraestrutura e Justiça, juntamente com a Anvisa, seguem definindo os critérios técnicos e protocolos, de modo a possibilitar uma retomada gradual e segura (dos cruzeiros) para todos.”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.