fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
05.10.21

A nova flechada de Alexandre de Moraes

De acordo com informações filtradas do STF, o ministro Alexandre de Moraes estaria prestes a deflagrar uma nova ação policial no âmbito do inquérito das fake news. O alvo seriam operadores de uma rede de perfis falsos nas redes sociais usados para atacar integrantes da CPI da Covid. No dia do depoimento do empresário Luciano Hang, por exemplo, as postagens contra os senadores, notadamente Renan Calheiros e Omar Aziz, dispararam. Procurado pelo RR, o ministro Alexandre de Moraes não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.09.21

STF e CNJ pressionam tribunais contra o crime organizado

O presidente do STF, Luiz Fux, e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) estão travando uma queda de braço dentro do Judiciário. Segundo o RR apurou, o ministro e o CNJ pressionam os 11 dos 27 Tribunais de Justiça estaduais que ainda não criaram varas especializadas contra o crime organizado a tirar o projeto do papel. De acordo com a mesma fonte, o Conselho deverá, inclusive, expedir um ofício formal a essas Cortes cobrando a implantação da nova estrutura.

Entre as Cortes estão os TJs do Amazonas, Roraima e Amapá, estados dominados pela Família do Norte, considerada hoje uma das mais violentas facções criminosas do país. Nos bastidores do Judiciário, a demora na criação das varas é atribuída não apenas à burocracia ou à falta de recursos orçamentários, mas, em alguns casos, a divergências e disputas de poder entre TJs e o próprio CNJ. Procurados, Luiz Fux e o Conselho Nacional de Justiça não se pronunciaram.

De acordo com a mesma fonte, Luiz Fux, que veste o duplo chapéu de presidente do STF e do CNJ, tem um importante aliado na pressão sobre os TJs: o ministro Alexandre de Moraes. O magistrado se dedica ao assunto desde a sua passagem pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. Em 2018, quando esteve à frente do Ministério da Justiça, Moraes chegou a encaminhar uma proposta ao Congresso determinando a implantação de varas específicas para processos contra organizações criminosas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.09.21

Quem te viu, quem te vê

O ministro do STJ Luis Felipe Salomão, que chegou a ser cotado para uma vaga no STF quando da aposentadoria de Celso de Mello, no ano passado, virou persona non grata no Palácio do Planalto. Na condição de corregedor-geral da Justiça Eleitoral, tem tocado de ouvido com Alexandre de Moraes no inquérito das fake news e dos atos antidemocráticos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.09.21

Efeito bumerangue

Alexandre de Moraes e Luiz Fux seriam os ministros do STF mais arredios à indicação de André Mendonça para a Corte. Não por acaso, trata-se da dupla que tem sido mais atacada por Jair Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.09.21

A hora do Carluxo está chegando?

De uma fonte cinco estrelas do Supremo: o ministro Alexandre de Moraes já teria elementos de sobra para convocar Carlos Bolsonaro a depor no inquérito das fake news. A decisão, digamos assim, é mais política do que jurídica. Consultado, o ministro não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.09.21

Independence day

Há um zunzunzum no STF de que o ministro Alexandre de Moraes poderá autorizar ainda nesta semana uma operação contra blogueiros e influenciadores pró-Bolsonaro. O Supremo e a PF estariam monitorando perfis nas redes sociais que têm feito convocações para atos antidemocráticos no dia 7. Consultado pelo RR, o ministro não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.08.21

Dueto anti-Bolsonaro

Há uma grande sintonia entre o ministro Alexandre de Moraes e o corregedor-geral da Justiça Eleitoral, Luis Felipe Salomão, na condução dos inquéritos sobre fake news e sobre atos contra a democracia. Colegas de Salomão, inclusive, enxergam a influência de Moraes na sua recente decisão de suspender a monetização de canais e perfis nas redes sociais acusados de propagar informações falsas e ataques ao STF. A dobradinha, no entanto, tem prazo de validade: 29 de outubro, quando se encerra o mandato de Salomão no TSE.

Em tempo: o presidente Jair Bolsonaro deverá solicitar ao STF acesso ao inquérito que investiga a realização de atos não democráticos. Parece sugestão de mau conselheiro. O movimento tem tudo para gerar mais uma zona de fricção com o Supremo e, ao mesmo tempo, uma nova derrota para o presidente. Recentemente, Luis Felipe Salomão negou pedido semelhante de Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.07.21

O Moraes do STF blinda o Moraes do TSE

Pessoas próximas ao ministro Alexandre de Moraes enxergam um movimento estratégico de “autodefesa” na sua decisão de abrir um novo inquérito contra a disseminação de fake news. Pelas regras de sucessão do Superior Tribunal Eleitoral (TSE), Moraes será o presidente da Corte durante a eleição de 2022. Caberá a ele, portanto, enfrentar o gabinete do ódio e as suspeições contra as urnas eletrônicas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.06.21

A difícil volta ao Ibama

Enquanto a vaga no STF não vem, uma missão a mais para André Mendonça: a AGU prepara um recurso ao STF requisitando a reintegração de Eduardo Bim à presidência do Ibama. Bim foi afastado do cargo por decisão do ministro Alexandre de Moraes. Ele é investigado no âmbito da Operação Akuandaba, que apura um suposto esquema de contrabando de madeira na Amazônia. Curiosamente, Bim é funcionário de carreira da Advocacia Geral da União.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.03.21

Rastros de ódio

O ministro Alexandre de Moraes está investigando a origem de uma nova onda de ataques ao STF nas redes sociais após a prisão do deputado federal Daniel Silveira. Como sempre, há método por trás da loucura, com repetições de frases e imagens em centenas de perfis. Consultado, o Supremo disse se tratar de “inquérito sigiloso”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.