Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
07.02.19
ED. 6050

Sequelas de Brumadinho

A lama de Brumadinho respingou, três mil quilômetros ao norte, na tríade Alcoa, Rio Tinto Alcan e South 32 (spin off da BHP Billiton). Autoridades da área ambiental e parlamentares do Maranhão estão colocando foco sobre os chamados largos vermelhos, onde são despejados resíduos de bauxita do complexo da Alumar, controlado pelas três multinacionais. Segundo o RR apurou, pressionado por ONGs locais, o Ibama vai apertar a fiscalização nos reservatórios. Na Assembleia Legislativa do Maranhão, por sua vez, articula-se uma comissão para averiguar a situação da barragem. Consultada, a Alumar disse desconhecer as medidas do Ibama e da Assembleia maranhense.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.06.16
ED. 5385

Triste aniversário

 A Alcoa no Brasil deverá comemorar um ano de desativação da sua unidade de fundição de alumínio primário de Poços de Caldas (MG) com o encerramento das atividades de mineração, refino, refusão e pó de alumínio nesse complexo industrial. Consultada, a empresa nega a suspensão das operações.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.11.15
ED. 5253

Fim de linha?

  A deficitária Alumar caminha rumo ao seu inevitável destino. Nove meses após desativar toda a fundição, o trio Rio Tinto, BHP e Alcoa não consegue enxergar outra saída se não partir para a solução final: fechar a refinaria de alumínio e encerrar definitivamente as atividades da empresa. São 1,5 mil trabalhadores com a cabeça a prêmio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.15
ED. 5229

Baixa voltagem

  A CBA, produtora de alumínio da Votorantim, teria oferecido à Alcoa sua participação de 15% na hidrelétrica gaúcha Barra Grande. Procurada, a CBA não confirmou a venda.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.04.15
ED. 5092

Laminação a frio

A Alcoa, que, a cada ano, perde mais de R$ 100 milhões no Brasil, deverá suspender definitivamente suas atividades na fábrica de Poços de Caldas. Formalmente, a Alcoa garante que fica na cidade mineira. Não custa lembrar que, no ano passado, a empresa já desativou três linhas de produção de alumínio primário na cidade mineira. Restaram apenas uma fábrica de pó de alumínio e uma fundição, com cerca de 400 empregados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.01.15
ED. 5034

Perdas da Alcoa

Até onde vai o definhamento da Alcoa no Brasil? A companhia fechou, em 2014, o sexto ano seguido no vermelho. As perdas acumuladas no período somam aproximadamente R$ 700 milhões. Só no ano passado, os prejuízos teriam beirado os R$ 100 milhões. Procurada, a Alcoa informou estar em período de silêncio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.