fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
21.09.21

Kepler Weber na mira da AGCO

Corre no mercado que a norte -americana AGCO, uma das grandes fabricantes mundiais de implementos agrícolas, está fazendo uma nova investida para a compra da Kepler Weber. Em 2017, o grupo lançou uma oferta para a aquisição das participações do BB e da Previ, à época acionistas da fabricante de silos. No entanto, a operação foi questionada pela CVM, e a AGCO acabou retirando a proposta. Hoje, qualquer tratativa para a compra da Kepler Weber passa obrigatoriamente pela Tarpon, dona de 25,8% das ações. Outros acionistas de peso são a família Heller e o BNDES, respectivamente, com 11,4% e 6,5%. Procuradas, Kepler Weber, Tarpon e AGCO não se pronunciaram.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.01.21

Entressafra

A pandemia e a estiagem na Região Sul formaram a tempestade perfeita para o setor de máquinas agrícolas: gigantes como AGCO e John Deere já estariam revisando planos de investimento no Brasil na esteira da queda das vendas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.11.17

Kepler Weber entra no radar dos chineses

A fila andou e a chinesa Zeng Chang surge no caminho da Kepler Weber. Segundo o RR apurou, dentro da própria Previ e do Banco do Brasil, acionistas da fabricante de silos, o grupo asiático é apontado como forte candidato à compra da companhia. A bola está quicando à sua frente depois que a norte-americana AGCO supreendentemente desistiu de adquirir as participações do fundo de pensão e do Banco do Brasil – Banco de Investimentos (BBBI) na Kepler Weber – a operação já havia sido, inclusive, aprovada pelo Cade. Uma das grandes indústrias de equipamentos de armazenagem da China, a Zeng Chang já tem uma fábrica em Curitiba, na qual investiu pouco mais de R$ 100 milhões. A compra da Kepler Weber daria outra dimensão à operação dos asiáticos, que passariam a ter massa crítica para atender a toda a América do Sul.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.06.17

Compra casada

Após fechar acordo com Previ e BB, a AGCO tenta selar a compra da participação da Geração Futuro na Kepler Weber. Com isso, chegaria a 45% do capital. O grupo norte-americano só ficará com a fabricante de silos se conseguir raspar mais de 60% das ações.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.03.16

Santal é a salvação da lavoura da AGCO

 A AGCO vai vender a Santal, sua fabricante de equipamentos para a indústria sucroalcooleira. Trata-se de uma medida desesperada. A empresa será alienada com o preço na bacia das almas, pois o mercado de etanol vive um momento de agrura – vide o caso da maior concorrente da Santal, a tradicionalíssima Dedini, que entrou em recuperação judicial.  As circunstâncias do mercado são péssimas para a venda da Santal, mas a AGCO não tem outra saída se não colocar o ativo na prateleira. O momento do grupo norte-americano no Brasil é tenebroso. Em 2015, as vendas de tratores caíram 30%. As de colheitadeiras, 40%. A situação chegou a tal ponto que a AGCO virou uma espécie de Casas Bahia da indústria de máquinas agrícolas: em uma estratégia comercial de guerra, começou a fechar vendas com pagamento apenas em 2017, uma prática totalmente fora dos seus padrões. O Brasil é um mercado estratégico para a AGCO. Trata-se de uma das três maiores operações do grupo em todo o mundo. Mas, de dois anos para cá, tem perdido importância relativa nos resultados da companhia. A subsidiária brasileira chegou a responder por 15% da receita global do grupo, em torno de US$ 10 bilhões. É provável que este índice caia para 10% até 2017. Procurada pelo RR, a AGCO não comentou o assunto.  A AGCO procurou o RR para dar o esclarecimento abaixo. Reiteramos que a empresa foi procurada antes da publicação da matéria, mas não obtivemos resposta.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.