fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
27.12.21

Águas cearenses

A BRK Ambiental e a Aegea já fizeram chegar ao governo do Ceará sua firme disposição de disputar a privatização da Cagece. A companhia de saneamento deve ser privatizada no primeiro semestre de 2022. Procurada, a Aegea disse que “está sempre atenta às novas oportunidades”. Já a BRK não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.07.21

Duelo no Amapá

No BNDES, Aegea e BRK Ambiental são apontadas como nomes certos no leilão da Caesa, empresa de saneamento do Amapá. A licitação está marcada para 2 de setembro. Procurada, a Aegea diz que “está sempre atenta às novas oportunidades”. A BRK, por sua vez, não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.06.21

Águas do Amapá

A Aegea, que arrematou recentemente um dos lotes da Cedae, é tida dentro do BNDES como forte candidata a ficar com a concessão de saneamento do Amapá. O leilão está previsto para 2 de setembro. Procurada, a Aegea diz que “está sempre atenta às novas oportunidades”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.01.20

Mais sinergia, impossível

A Aegea é tida pelo próprio governo gaúcho como candidata à compra de uma participação na Corsan – a abertura de capital está programada para este ano. Consultada, a empresa diz “desconhecer a informação”. Ressalte-se que a Aegea já participa de uma PPP na área de saneamento em Porto Alegre.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.08.19

Água barrenta

A OAS saiu em busca de um novo comprador para a sua participação na concessão de saneamento de Guarulhos. Até agora, só ouviu “não”, mesmo tendo baixado a pedida para a casa dos R$ 40 milhões. A Aegea, que pagaria cerca de R$ 50 milhões pelo ativo, desistiu na Hora H.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.04.18

Risco jurídico trava privatizações na área de saneamento

O programa de privatizações no setor de saneamento é um rio que está passando na vida do BNDES, arrastando para longe um volume potencial de investimentos de mais de R$ 25 bilhões. Embora, formalmente, a área técnica do banco ainda trabalhe na modelagem de venda de nove concessionárias, as negociações com os respectivos governos estaduais estão praticamente paradas. Isso se aplica, inclusive, a empresas que já se encontravam em um estágio mais avançado, como a pernambucana Compesa e a paranaense Cosampa.

O ressecamento da operação se deve, fundamentalmente, à falta de investidores dispostos a enfrentar o risco jurisdicional do setor. Grupos internacionais, a exemplo da espanhola Aegea, da francesa Veolia e da sul-coreana GS Inima recuaram nas conversações com o BNDES e os governos estaduais. O marco regulatório da área de saneamento, que data de 2007, é visto como anacrônico e repleto de cavilosidades que aumentam a insegurança dos grandes grupos internacionais.

A base jurídica é muito frágil, notadamente no que diz respeito à legalidade e à extensão dos contratos de concessão. Um dos casos mais emblemáticos envolve a maior das nove concessionárias do programa, a Cedae. Não há qualquer garantia jurídica, por exemplo, de cumprimento do contrato de 50 anos firmado com o município do Rio de Janeiro. A rigor, de uma hora para a outra, a empresa pode perder o contrato de concessão que responde por mais de 70% das suas receitas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.11.17

Liquidez

Os acionistas da Aegea – Equipav, o fundo GIC, de Cingapura, e o IFC e a GIF, ligadas ao Banco Mundial – discutem a possibilidade de um aumento de capital para financiar aquisições na área de saneamento. Miram, sobretudo, na possível privatização da Cedae e na venda de parte da holding controladora da Sabesp. A Aegea confirma a “disposição dos acionistas em suportar eventuais expansões”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.17

Sobre a privatização da Copasa

A Aegea acompanha com especial interesse os preparativos do governo mineiro para a privatização da Copasa. A empresa tem trânsito livre com Fernando Pimentel.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.05.16

Água e esgoto

 A Aegea Saneamento negocia a compra de ativos da OAS Soluções Ambientais. Tragada pela Lava Jato, a empresa se resume hoje a uma concessão em Guarulhos e outra em Lima, no Peru. Procurada, a Aegea confirmou o interesse na operação de Guarulhos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.12.15

Fazendo-se de difícil

 A decisão da Aegea de pular fora do leilão de venda da CAB Ambiental, que ocorreu no último dia 10 de dezembro, não passou de jogo de cena. A empresa segue interessada na operação de saneamento do Grupo Galvão, mas usa o tempo a seu favor. Primeiro, aproveita-se da delicada situação financeira da Galvão para forçar uma redução do preço do ativo, fixado em R$ 600 milhões. Além disso, quer uma garantia firme dos credores do grupo de que não herdará qualquer dívida da CAB.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.