Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
10.09.18
ED. 5949

Rota das crateras

Grandes tradings agrícolas, como Louis Dreyfus, Cargill, ADM, vão levar aos candidatos à Presidência um projeto para a licitação e consequente asfaltamento de toda a BR-163, por onde passa mais de metade de produção de soja do Centro-Oeste. A situação da rodovia é mais do que dramática.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.08.18
ED. 5943

Safra de credores

A ADM, que comprou toda a operação agrícola do Grupo Algar, já abriu conversações com os credores da empresa para renegociar os passivos e os prazos de pagamento. São bancos, fornecedores de insumo e produtores rurais a quem a Algar Agro deve pouco mais de R$ 900 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.02.18
ED. 5802

Bunge e ADM separam a soja do trigo

Para reflexão daqueles que ficaram mais ouriçados com a iminente fusão entre a ADM e a Bunge e seu impacto no Brasil:

Se alguém está pensando que o novo gigante global do agronegócio partirá para um projeto de consolidação no mercado brasileiro, pode tirar seu trator da chuva. O mais provável é que a ADM se desfaça de operações da Bunge que não estão no seu radar estratégico, a começar pelo setor de trigo, área em que não atua no país.

O modelo do mercado brasileiro acaba funcionando como uma barreira natural à demasiada expansão das multinacionais. Os grupos nacionais, notadamente as cooperativas, mantêm uma presença significativa, especialmente na comercialização de soja. Estima-se que cerca de 40% do mercado permaneçam nas mãos de empresas brasileiras. Juntas, ADM e Bunge passarão a ter cerca de 30% do setor, à frente da Cargill (17%).

A Bunge tem moinhos modernos, incluindo o parque de moagem da Pacífico, adquirida há pouco mais de dois anos. Os mais novos estão localizados em Duque de Caxias (RJ), próximo à BR-040, e em Recife. São ativos que poderiam interessar à M. Dias Branco, que precisará aumentar sua produção própria de trigo para abastecer as fábricas de biscoitos da recém-adquirida Piraquê.

Os números levam a crer que uma eventual associação entre ADM e Bunge passará sem maiores problemas pelo Cade. A sobreposição entre ambas é relativamente baixa no país. Há algum overlap mais significativo apenas na área de soja e em logística. Os dois grupos operam terminais nos portos de Santos, Paranaguá, São Francisco e Rio Grande.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.10.17
ED. 5731

Ferrogrão

O governo vai divulgar até o fim desta semana a minuta do modelo de licitação da Ferrogrão, projeto de quase R$ 13 bilhões. A tendência é que o Ministério dos Transportes confirme o prazo de concessão por 65 anos, atendendo à exigência das tradings agrícolas interessadas no projeto – de ADM à Louis Dreyfus.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.10.17
ED. 5716

Macri volta ao Brasil entre as brumas do passado

O Grupo Macri – conglomerado de empresas da família do presidente argentino Mauricio Macri – prepara seu retorno ao Brasil. Executivos da companhia têm circulado pelo Centro-Oeste em busca de terras para a produção de soja. Os planos passam também pela área de logística. Segundo o RR apurou, o Macri sondou a ADM e a Louis Dreyfus, tradings agrícolas interessadas na privatização da Ferrogrão, prevista para 2018. O grupo tem negócios em logística ferroviária na Argentina. Caso o retorno ao Brasil se confirme, um dos desafios do Grupo Macri será apagar a péssima imagem que deixou em sua primeira encarnação no país. O episódio mais notório foi o da Chapecó – os argentinos abandonaram a empresa, largando para trás cinco mil desempregados e uma dívida de R$ 600 milhões com o BNDES. Houve outros casos menos badalados, como o da Qualix Serviços Ambientais, de coleta de lixo. A Qualix entrou em recuperação judicial e mudou seu nome para Sustentare Serviços Ambientais. O rolo é tão grande que, no setor, há quem diga que até hoje a família Macri tem um pedacinho da empresa – a Sustentare nega.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.09.17
ED. 5712

O bonde da Ferrogrão

O comboio de tradings agrícolas montado para disputar a concessão da Ferrogrão – à frente ADM, Cargill, Louis Dreyfus e Amaggi – abriu as portas do trem para fabricantes de equipamentos ferroviários. Estaria em conversações com GE, Alstom e ABB. Apesar de pilotar o consórcio, a turma do agribusiness quer ter, no máximo, 40% do capital.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Executivos da chinesa Cofco Agri procuraram o secretário de PPI, Moreira Franco, e o ministro dos Transportes, Mauricio Quintella, para manifestar o interesse do grupo em disputar a licitação da “Ferrogrão”. A companhia não virá sozinha. A Cofco terá o apoio do China Development Bank, a maior agência de fomento do país asiático. O comboio deverá incluir ainda a China Railway Construction Corporation (CRCC), que seria o operador da ferrovia. Orçada em mais de R$ 12 bilhões, a “Ferrogrão” será uma espécie de aorta no sistema circulatório da produção nacional de grãos. Com 933 quilômetros de extensão entre as cidades de Sinop (MT) a Miritituba (PA), a nova linha férrea será a maior e mais importante artéria de escoamento de soja e congêneres do Centro-Oeste.  A julgar pelo número e pelo porte dos pretendentes, a “Ferrogrão” tem tudo para ser a locomotiva da primeira leva de concessões do governo Temer. Bunge , ADM e Cargill são tratados em Brasília como nomes certos na licitação. A Amaggi, controlada pela família do ministro Blairo Maggi, também estuda sua participação no leilão. Assim como todos estes grupos, o interesse da Cofco pelo empreendimento caminha pari passu às suas operações na área de grãos no Brasil. Nos próximos dois anos, os chineses deverão investir mais de US$ 1,2 bilhão no país na produção de soja e derivados. O Brasil, aliás, foi escolhido para ser o centro das operações globais da Cofco International, o braço agrícola do conglomerado chinês – ver RR edição de 29 de setembro. A seguintes empresa não retornaram ou não comentaram o assunto: Cofco Agri.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.09.16
ED. 5453

A nova jornada de Antonio Cabrera

„ Livre da sociedade que mantinha com a norte-americana ADM na usina de etanol de Limeira do Oeste (MG), Antonio Cabrera decidiu por uma trajetória independente no setor sucroalcooleiro, Vai retomar por conta própria a construção de duas usinas, projeto que foi cancelado pela ADM quando eram sócios. Cabreira, ministro da Agricultura no governo Collor, vai pisar nas pegadas dos yankees. Pretende comprar uma participação no capital da usina do grupo FIP Marseille. Adivinhem quem vendeu a planta industrial ao FIP Marseille? Adivinhão quem cravou a ADM . • Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Grupo Cabrera.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.06.16
ED. 5385

Copo raso

 A Wild Flavors era uma das grandes apostas da ADM para reduzir a exposição ao mercado de commodities na América Latina. Mas resultado que é bom, neca. Com uma fábrica de ingredientes para bebidas na região, em Manaus, a controlada segue perdendo receita e vendas. A queda esse ano já chega a 30%. Procurada pelo RR, a ADM não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.05.16
ED. 5377

Mosaic avança sobre o novo eldorado do fosfato

 A indústria brasileira de fertilizantes está em ebulição. No momento em que a China Molybdenum (CMOC) desembarca no país com a compra de ativos da Anglo American e a Vale busca um parceiro no setor, a Mosaic negocia a aquisição de um dos mais cobiçados “pedacinhos” de terra deste mercado. Os norte-americanos já teriam feito uma oferta pela mina de fosfato localizada entre as cidades de Presidente Olegário e Patos de Minas, deixando para trás concorrentes como a norueguesa Yara . Os direitos de pesquisa e lavra pertencem ao Grupo Magnor. A jazida, que ocupa uma área de 900 hectares, é a principal reserva de fosfato de Minas Gerais e uma das cinco maiores do país: o volume estimado gira em torno de 1,5 bilhão de toneladas. O investimento necessário para torná-la economicamente viável beira os R$ 3,5 bilhões.  Os norte-americanos consideram o negócio absolutamente estratégico para a montagem de uma operação integrada. A mina deverá garantir mais de um terço do fosfato consumido pelas misturadoras da Mosaic no Brasil, reduzindo em mais de 25% os custos da empresa com a aquisição do insumo – hoje integramente importado. A investida se dá pouco mais de dois anos depois de o grupo desembolsar US$ 350 milhões para ficar com os ativos de fertilizantes da conterrânea ADM no Brasil e no Paraguai. Maior produtora mundial de fertilizantes, a Mosaic não tem poupado adubo financeiro para expandir sua operação no Brasil. Além da aquisição dos negócios da ADM, desembolsou no ano passado cerca de US$ 10 milhões para ampliar sua fábrica de Catalão (GO). Mas nem só de flores é feita a lavoura da empresa no país. Há pouco mais de um ano, Tobias Grasso deixou a presidência da Mosaic no Brasil, sendo substituído por Floris Bielders. Consta que Grasso desgastou-se com os norteamericanos ao conduzir exatamente o processo de compra dos ativos da ADM. As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Mosaic, Grupo Magnor e OAS.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.05.16
ED. 5370

Porto solidão

 Até o momento, apenas a Wilson Sons demonstrou interesse na licitação do terminal de contêineres do Porto de Belém. O ministro dos Transportes, Maurício Quintella, tenta atrair outros candidatos, como a ADM.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.02.16
ED. 5311

Jorge Amado

 A Olam, de Cingapura, tem mais de um quarto da moagem de cacau no Brasil e quer mais. Pretende duplicar a fábrica de Ilhéus, comprada à norte-americana ADM. E já iniciou os estudos para a instalação de uma segunda planta de moagem em 2017.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A Marubeni do Brasil corre o risco de perder um de seus maiores negócios: a primazia na venda de soja para a Shandong Sunrise Group, responsável por 10% de toda a importação do cereal na China. Quem deve assumir a privilegiada posição é a ADM. A Marubeni diz “desconhecer a informação”. Procuradas pelo RR, a seguinte empresa não retornou ou não comentou o assunto: ADM

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.10.15
ED. 5231

ADM

  A ADM está com um pé fora do setor sucroalcooleiro no Brasil. Colocou à venda sua única usina em Limeira do Oeste (MG), com capacidade de moer 1,5 milhão de cana por safra.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.07.14
ED. 4914

A ADM quer antecipar

 A ADM quer antecipar para 2015 a inauguração da fábrica de proteína de soja que está construindo em Campo Grande (MS), prevista para meados de 2016. A unidade passará a atender não só o mercado brasileiro, mas também outros países da América do Sul.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.