Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
23.10.15
ED. 5233

Dedini é um pote até aqui de fel

 É difícil dizer de onde vem a maior ameaça ao futuro da Dedini: se das dívidas e prejuízos que empurraram a empresa para a recuperação judicial ou do rancor que corre nas veias de seus controladores. A grave crise financeira da companhia acirrou a rixa entre os Dedini Ometto – uma família estilhaçada desde a morte de seu patriarca, Dovilio Ometto, em 2007. Filho de Dovílio e um dos herdeiros da maior fabricante de equipamentos para a indústria sucroalcooleira da América Latina, Mario Dedini Ometto estaria se movimentando para comprar participações em poder de outros familiares reunidos nas subholdings AD e Nidar – ambas detêm 49% da companhia. Seu objetivo maior seria a destituição do sobrinho Giuliano Dedini Ometto Duarte da presidência do grupo.  Mario Dedini está convicto de que nem será preciso fazer muita força: bastará uma leve balançada na árvore para que o “galho solto” caia no chão. A situação de Giuliano Dedini é tida como tão frágil quanto a própria saúde financeira da empresa que dirige. As dívidas da Dedini com bancos e fornecedores passam dos R$ 300 milhões, para um patrimô- nio negativo de R$ 160 milhões. Há ainda R$ 900 milhões em passivos fiscais que não entraram na recuperação judicial. Os prejuízos acumulados nos últimos dois anos somam R$ 640 milhões. Não faltam, portanto, motivos para que a gestão de Giuliano seja bombardeada pelo sangue do seu sangue. Adicione-se a este cenário a conturbada sucessão de Dovílio Ometto. O que está em jogo não é apenas o porvir da Dedini, mas também seu passado recente. Há um acerto de contas latente entre eleitos e preteridos.  Pouco antes de morrer, Dovílio Ometto transferiu à filha Juliana um punhado de ações da Doado, holding familiar controladora da Dedini. Foi o suficiente para que a herdeira tivesse uma participação superior à do irmão Mario e passasse a dar as cartas na companhia, indicando Giuliano, seu filho, para a presidência. Juliana faleceu um ano depois, embaralhando ainda mais as relações societárias da Dedini. Desde então, a empresa vive em permanente guerra fria. Houve algumas tentativas de costura do tecido familiar, mas Mario jamais se conformou em ser colocado para escanteio pelo pai e tenta tomar as rédeas do negócio. Só que ele próprio tem de cavalgar com cuidado. Mario também tem seu calcanhar de aquiles: na semana passada, uma corte arbitral de Nova York o condenou a pagar uma indenização de US$ 100 milhões à Abengoa, por entender que o empresário inflou as projeções de produção de três usinas de álcool e açúca

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.