fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
11.07.19

Um hotel que vem, um hotel que vai

Boa e má notícia na orla do Rio de Janeiro. O grupo Accor vai reabrir até o fim do ano o antigo Rio Palace, no Posto Seis, em Copacabana. Será o primeiro hotel da rede francesa com a bandeira Fairmont na América do Sul. Em compensação, a Accor vai fechar as portas do Sofitel Ipanema, o antigo Caesar Park. Para todos os efeitos, o imóvel entrará em obras, mas nem mesmo os executivos do grupo no país têm clareza se o hotel será reaberto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.04.17

A aposta da Accor

A atual estratégia da Accor de investir em cidades do interior do país não estaria relacionada apenas ao saturamento da hotelaria nas grandes capitais. Os franceses apostam suas fichas na aprovação do jogo e na abertura de cassinos Brasil afora.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.03.17

O check out da GP

A GP Investimentos pretende deixar de vez a hotelaria. Após entregar a gestão de 26 hotéis para a Accor, procura um investidor que assuma as 20 unidades restantes da BHG, seu braço no setor.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.01.17

Contramão

O cenário econômico traçado pela Accor para 2017 não é tão cinzento. Com a projeção de uma taxa de ocupação de 60%, o grupo hoteleiro francês planeja abrir 25 hotéis neste ano, cerca de 10% do total que a companhia tem no país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

  A dupla Fersen Lambranho e Antonio Bonchristiano parece estar voltando à antiga forma. A GP Investimentos – que, nos últimos tempos, se notabilizou por negócios desastrosos, a exemplo de San Antonio, Lupatech e Imbra, e por seguidos prejuízos – está à frente de duas grandes operações de M&A. Além da oferta pública pelo controle da BR Properties, costura a associação entre a BHG, seu braço hoteleiro, e a Atlantica Hotels. O acordo daria origem ao segundo maior grupo do setor no Brasil e em condições reais de brigar pelo topo do ranking com a Accor. Juntas, BHG e Atlantica Hotels somariam 133 hotéis e 24 mil quartos, contra 170 unidades e cerca de 31 mil habitações da rede francesa no país. A operação contaria ainda com outros hóspedes de luxo. O novo grupo abrigaria em seu capital os fundos GTIS Partners, sócio da BHG, Tao Invest e Quantum, de George Soros – os dois últimos, acionistas da Atlantica Hotels. Procuradas, BHG e Atlantica Hotels negaram a negociação.  O grande desafio da GP neste momento é provar que seus alquimistas financeiros não perderam a mão. Nos últimos três anos, na contramão da sua história, a gestora de recursos transformou ouro em pedra. Entre 2013 e 2015, seu patrimônio em moeda forte caiu cerca de US$ 400 milhões devido à baixa contábil de ativos que prometiam grande retorno e se revelaram um fiasco. A empresa de planos dentários Imbra e o parque temático Hopi Hari, por exemplo, foram passados adiante por um valor simbólico. Entre janeiro e setembro do ano passado, a GP acumulou um prejuízo próximo dos R$ 100 milhões.  BHG e Atlantica Hotels, que administra bandeiras populares, como Quality e Confort, buscam maior escala para atravessar a baixa temporada do setor hoteleiro no Brasil. Em 2014 e 2015, a receita por apartamento cresceu apenas 1%, o índice mais baixo em uma década. Nos últimos quatro anos, a ocupação média no país recuou de 69% para 65%. Tanto a BHG quanto a Atlantica têm operado com taxas de rentabilidade cada vez menores.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.07.15

Check out

O Caesar Park, um dos hotéis mais tradicionais do Rio de Janeiro, está a  venda. O motivo é a baixa rentabilidade que, há tempos, se hospedou na operação. A francesa Accor pretende reinvestir os recursos na abertura de um hotel no Centro do Rio, com outra bandeira do grupo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.06.15

Mudança de rota

Há uma revolução em curso na Accor. Depois de quase duas décadas no cargo, Roland Bonadona deixa amanhã o comando do grupo hoteleiro no Brasil. Junto com ele sai a estratégia de expansão das bandeiras de padrão econômico, como o Ibis. A prioridade agora é a rede Sofitel. Procurada, a Accor confirmou tanto a troca de comando quanto a mudança de estratégia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.05.15

Hotel à venda

A Accor – que venceu a disputa com a BHG, leia-se GP, pela compra do Rio Palace Hotel, na capital carioca – poderá financiar a aquisição com o próprio ativo. O grupo francês estuda se desfazer do controle do imóvel e ficar apenas com a operação hoteleira. Formalmente, a Accor nega a venda do prédio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.04.15

Hotéis em série

A Accor grudou na Ancar Ivanhoe. Os franceses querem estender o acordo com a administradora de shopping centers para a construção de novos hotéis ao lado dos centros comerciais pertencentes ao grupo. É exatamente a fórmula já adotada pela dupla no Nova América, na Zona Norte do Rio. Oficialmente, a Ancar Ivanhoe nega novos projetos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.08.14

Sócia minoritária da Accor

 Sócia minoritária da Accor, a Colony Capital vai colocar uns tijolos a mais nos planos da rede francesa no Brasil. A gestora de recursos norte-americana se juntará a  HotellInvest, braço imobiliário do grupo, para construir novos hotéis no país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.