Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
21.05.19
ED. 6118

Efeito dominó

Com carta branca do ministro da Educação, Abraham Weintraub, Alexandre Lopes assumiu a presidência do Inep com um apagador em cada mão. Vai trocar boa parte do primeiro escalão do Instituto. Deverá começar pela diretora de Avaliação da Educação Superior, Mariângela Abrão. Consultado sobre as mudanças, o Ministério informou que “as nomeações serão divulgadas pelo Diário Oficial”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.05.19
ED. 6115

Overbooking

Em sua atribulada chegada à Câmara, ontem, o ministro Abraham Weintraub chamou a atenção pelo tamanho de sua “escolta”. Além de congressistas da base aliada, era acompanhado por 16 assessores do Ministério. Nem Paulo Guedes costuma carregar uma tropa similar em suas idas ao Congresso. A maior parte do séquito de Weintraub, no entanto, foi impedida de entrar no plenário.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.04.19
ED. 6098

Nota baixa

O Inep, ao que tudo indica, não passou na prova do novo ministro da Educação, Abraham Weintraub. Após nomear o delegado da Polícia Federal Elmer Coelho Vicenzi para a presidência, Weintraub vai trocar toda a diretoria do Instituto, responsável pela realização do Enem.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.19
ED. 6096

Ministério da Educação vira área de risco no governo Bolsonaro

A julgar pelo cartão de visitas de Abraham Weintraub, o Ministério da Educação deverá ser um imbróglio permanente na gestão Bolsonaro. Ao reger uma dança das cadeiras na Pasta, o novo ministro já começa o jogo como se estivesse deixando uma herança pesada para o governo. O caso mais agudo nesta direção é a iminente mudança no comando do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Segundo informação que circula no próprio Ministério, o nome cotado para o posto é o de Rodrigo Sergio Dias, ex-presidente da Fundação Nacional de Saúde (Funasa). Atualmente na diretoria da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), Dias carrega um currículo marcado por fatos controversos. Investigações do TCU o apontam como um dos responsáveis por supostas irregularidades que teriam gerado prejuízo de R$ 7,7 milhões à Funasa, notadamente por meio da contratação de uma empresa de tecnologia. Em relatório de julho de 2018, a CGU também identificou “graves impropriedades” em sua gestão, entre quais “direcionamento na escolha de vencedores” de uma licitação na Fundação.

O comando do FNDE é um cargo central no Ministério da Educação: o Fundo movimenta aproximadamente 80% do orçamento da Pasta. Estão sob sua jurisdição o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), as licitações de livros didáticos, o repasse de verbas para a compra de merenda escolar, entre outras atribuições. Ao apagar das luzes do seu governo, Michel Temer indicou Rodrigo Dias para a diretoria da Anvisa. Sua possível nomeação deflagrou protestos de servidoras da própria Agência, uma vez que ele responde a uma ação penal, acusado de agressão à ex-mulher. Dias, então, foi parar na CPTM, indicado pelo primo Alexandre Baldy, secretário de Transportes de São Paulo. Esperase que a Abin, a Casa Civil e demais instâncias responsáveis por escanear a vida pregressa de indicados a cargos no governo estejam cumprindo seu papel. Olhando-se para as indicações antecedentes da gestão Bolsonaro, não parece que isso esteja acontecendo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.