13.04.16
ED. 5347

Amaggi troca o Brasil por outros campos

 Menos Brasil e mais mundo. Esta é a estratégia do Grupo Amaggi. O conglomerado agroindustrial comandado pelo senador Blairo Maggi e suas quatro irmãs pretende reduzir sua exposição ao risco Brasil com a venda de ativos locais e a gradativa transferência de investimentos para o exterior. Os planos do Amaggi passam pela construção de uma unidade de esmagamento de soja nos Estados Unidos e outra na Ásia, principais mercados internacionais do grupo. Hoje, a companhia tem apenas um ativo industrial fora do Brasil – uma planta de processamento na Noruega. A aposta internacional prevê também a expansão da atividade de trading, com a abertura de escritórios comerciais em locais estratégicos.  Do outro lado desta balança, a Amaggi pretende sair do negócio de energia, desfazendo-se de suas cinco usinas térmicas. Planeja também vender algumas de suas fazendas, reduzindo a produção própria de grãos. Segundo o RR apurou, com a alienação das termelétricas e de propriedades rurais, a família espera amealhar algo em torno de R$ 500 milhões, recursos que serão usados para financiar a expansão das operações internacionais. E lá se vai mais um grande grupo nacional a exportar divisas e postos de trabalho muito compreensivelmente em busca de hedge em moeda forte, acesso a crédito mais barato, busca de uma carga tributária mais palatável e redução dos custos de logística. Procurado pelo RR, o Grupo Amaggi não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.