16.11.15
ED. 5248

Alstom desinfeta todos os seus vagões no Brasil

 Michel Boccaccio, que assumiu a presidência da Alstom no Brasil há menos de um mês, desembarcou em São Paulo com “licença para matar”. O executivo francês recebeu carta branca para comandar um profundo processo de higienização da companhia no país. A premissa é trocar tudo e todos que remetam ao passado recente da Alstom no Brasil, cuja imagem está fortemente vinculada ao escândalo do cartel no metrô de São Paulo. Da substituição de executivos ao redesenho da estrutura organizacional do grupo no país, Bocaccio tem caminho livre para fazer o que for necessário e virar as páginas manchadas de escândalo na biografia da Alstom no país.  A chegada de Boccaccio já resultou automaticamente no afastamento de Marcos Costa, que presidia a subsidiária desde 2012 e, depois de quase uma década na Alstom, se transferiu para a GE. Outro nome na berlinda é o do diretor geral da divisão de transportes, Marco Contin. Embora tenha assumido o cargo apenas em janeiro de 2012 – portanto, quase três anos após as licitações sob investigação do Ministério Público – a figura de Contin está bastante desgastada pelo episódio. Além de ser responsável pela administração dos contratos firmados com o metrô de São Paulo, o executivo carrega a cruz de todo o escândalo ter vindo à tona durante a sua gestão. Consultada pelo RR, a Alstom garante que manterá sua estrutura atual.  Como não se faz uma reestruturação desta magnitude apenas na base do chicote, Michel Boccaccio trouxe algumas boas notícias na bagagem, projetos que serão anunciados ao longo de 2016 – ao melhor estilo de Maquiavel, para quem o bem sempre deve ser feito aos poucos. Está prevista a ampliação das fábricas de trens para metrô, localizada no bairro da Lapa, na cidade de São Paulo, e de veículos leves sobre trilhos (VLTs), em Taubaté (SP). A Alstom tem planos ainda de ingressar na própria opera- ção de VLTs no Brasil. A entrada em consórcios seria uma estratégia para garantir contratos de fornecimento de trens e equipamentos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.