29.09.11
ED. 4256

JBS Friboi abate a governança corporativa

 A JBS Friboi inaugurou o modelo do desenvolvimento insustentável corporativo, o DIC. Trata-se de um sistema holístico peculiar, a partir do qual a empresa tem conseguido alimentar a insatisfação de fornecedores, clientes e trabalhadores. O descontentamento destas categorias é assunto bastante batido no noticiário. Basta verificar o Google. Agora, um novo agrupamento anti-JBS começa a ganhar corpo e se destacar pela combatividade contra os procedimentos da companhia: os acionistas minoritários. Entre os sócios do frigorífico, há um crescente número de consultas e reclamações junto a  CVM por conta das práticas de governança adotadas pela família Batista. A visão que o mercado tem hoje da JBS é a de uma companhia com baixíssima taxa de disclosure, reduzida transparência das informações operacionais e contábeis e marcada por relações incestuosas com as demais empresas da família. O RR consultou três grandes corretoras de valores que simplesmente deixaram de negociar ações da JBS por considerar que o frigorífico não atende aos requisitos mínimos de governança corporativa estipulados como parâmetro para suas operações em Bolsa. Procurada pelo RR, a JBS não se pronunciou até o fechamento desta edição. A conflituosa relação entre a JBS e o mercado de capitais começou ainda no ventre, antes mesmo do IPO. Na página 55 do prospecto de lançamento de ações, divulgado em 27 de março de 2007, a empresa afirmou que não mais recolhia o Funrural. Na ocasião, chegou a entrar com um mandado de segurança contra a taxação. No entanto, no mesmo período, a JBS teria cobrado indevidamente dos pecuaristas a cifra referente ao tributo – o valor do imposto, que, a  época, incidia sobre o produtor rural, deveria ser depositado pelo frigorífico e o custo, posteriormente repassado ao fornecedor. Desde então, a antipatia dos minoritários em relação a  empresa só fez crescer, a  medida que procedimentos pouco ortodoxos da JBS foram se revelando. Um dos motivos de estresse são as nebulosas relações entre o frigorífico e os demais negócios da família, notadamente a atividade pecuária. Os próprios Batista são fornecedores de gado para a companhia. Os minoritários reclamam de falta de transparência em relação aos valores e a s condições dos contratos firmados entre a empresa e seus controladores. No ano passado, um importante fundo de private equity teria solicitado que a JBS soltasse um comunicado com mais detalhes sobre estas operações. Ficou a ver navios.  Entre os acionistas, cresce também a percepção de que a JBS aumentou a capacidade de algumas de suas plantas com o deliberado intuito de criar um truque de prestidigitação e iludir investidores e bancos credores. Um caso emblemático é o das duas unidades de abate da empresa em Campo Grande (MS), uma delas herdada com a compra da Bertin. Com os projetos de expansão, ambas passaram a ter capacidade para o abate de 6,5 mil cabeças de gado por dia. Nem que a família comprasse todo o rebanho do estado e ainda pagasse a passagem de avião para que bois de São Paulo, Paraná e adjacências viajassem para Mato Grosso do Sul, seria possível atingir esta marca. As tenebrosas histórias da JBS dariam para escrever um livrotexto sobre desgovernança corporativa. As informações são facilmente acessíveis

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.