30.12.13
ED. 4807

Cemig estica seus fios até a colombiana Isagen

No momento em que os reservatórios das hidrelétricas estão a  míngua, as térmicas operam no limite e o fantasma do apagão arrasta suas correntes pelo Brasil, a Cemig olha para longe. Quatro anos após sua primeira investida internacional, leia-se a compra de linhas de transmissão no Chile, a companhia está envolvida em uma operação bem maior: a aquisição do controle da colombiana Isagen. A empresa é dona de cinco hidrelétricas e da terceira maior termelétrica do país, com capacidade instalada de 2,2 mil megawatts – neste momento, que falta faz uma dessas no Brasil. A Cemig não entrará sozinha no projeto. Segundo uma fonte ligada a  estatal, são grandes as possibilidades de um acordo com a AES. Os norte-americanos serão mais do que bemvindos na composição do funding da operação. Os 58% da Isagen pertencentes ao governo colombiano, alvo da Cemig, estão avaliados em aproximadamente US$ 1,5 bilhão. O leilão está previsto para abril. Ressalte- se que a Duke Energy também demonstrou interesse na aquisição da companhia, mas não estaria disposta a desembolsar o valor fixado. EDF e Iberdrola são outros candidatos potenciais ao negócio. Procurada, a Cemig informou que “tem avaliado diversas alternativas de investimento que possam agregar valor a  empresa”. A ofensiva sobre a Isagen revela uma mudança de rota na estratégia da Cemig para o exterior. Em 2010, ao desembarcar no Chile, a estatal deixou claro que a sua intenção era entrar em projetos ainda em fase de implantação, caso da linha de transmissão Charrúa-Nueva Temuco. A rede foi integralmente construída já sob gestão da Cemig. Agora, no entanto, a companhia dá um passo adiante e se candidata a  aquisição de uma empresa já consolidada, com aproximadamente US$ 3 bilhões em ativos. Além da AES, os mineiros buscam reforço financeiro em outras latitudes. Esperam contar com financiamento do BID e do Bird, este por meio do IFC, seu braço para a iniciativa privada. O próprio governo colombiano já acenou com a possibilidade de a Corporación Andina de Fomento (CAF) financiar parte da operação. É bom mesmo. A dois meses da data marcada para o leilão de venda das ações da Isagen, a operação ainda é cercada de incertezas. A principal delas diz respeito a  obrigatoriedade ou não do futuro controlador estender a oferta aos minoritários. O tag along encareceria o custo da brincadeira em quase 40%. Ressaltese que o segundo maior acionista da empresa, com 14%, é o fundo de pensão dos funcionários públicos da Colômbia, entidade bastante representativa no país, que costuma fazer muito barulho quando tem seus interesses contrariados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.