03.05.17
ED. 5610

O silencioso “ajuste fiscal” do general Villas Bôas

Quando pensar em aumento de impostos ou tiver o ímpeto de confessar falência no ajuste fiscal, recomenda-se ao ministro Henrique Meirelles ler a “Diretriz do Comandante do Exército”. Trata-se de um exemplo de como controlar gastos sem fazer marola. No documento distribuído à corporação no início de abril, o general Eduardo Villas Bôas apresentou uma série de propostas para adequar o Plano Estratégico do Exército (PEEx) ao Orçamento da União para a área de Defesa.

Entre as medidas, não faltam sacrifícios e cortes na própria carne, a começar pela redução do efetivo do Exército em, no mínimo, 10%. O enxugamento virá com a diminuição da admissão de militares de carreira e o aumento do número de militares temporários, cujo tempo máximo de permanência na corporação é de oito anos. Menos mal que este papel de “general do ajuste” esteja sendo desempenhado por um comandante do Exército com tamanho respeito entre o oficialato e a tropa.

O general Villas Bôas é o personagem certo na hora certa para conduzir o que ele mesmo chama de “racionalização do orçamento em todos os níveis”. Entre as demais propostas constam, por exemplo, o compromisso em não criar novas Organizações Militares (OMs) ou estruturas adicionais. Conforme descrito na “Diretriz do Comandante do Exército”, “qualquer necessidade deve ser atendida por transformação de OM e/ou de estruturas já existentes”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.