27.09.17
ED. 5713

Na Norte-Sul, Steinbruch tem um culpado

A família Steinbruch deverá colocar mais pólvora no contencioso com a Triunfo Participações. Segundo o RR apurou, o Banco Fibra, controlado pelo clã, pretende entrar na Justiça com um pedido de indenização milionária contra o grupo, seu sócio na Tiisa Infraestrutura e Investimentos, por sua vez responsável pela construção de um trecho da ferrovia Norte-Sul. Acionista minoritário do consórcio, com 12,5%, o banco cobra da Triunfo o ressarcimento pelos prejuízos causados pela interrupção das obras e pelo bloqueio de R$ 56 milhões nas contas da Tiisa, a pedido do Ministério Público Federal (MPF) e do Tribunal de Contas da União (TCU). Ambos investigam denúncias de superfaturamento no projeto. A contenda entre os Steinbruch e a Triunfo estourou no início do ano, com a paralisação das obras. O Banco Fibra já solicitou a contratação de uma auditoria externa para passar um pente fino na contabilidade do consórcio e apurar as denúncias de corrupção. O escândalo envolve também ex-dirigentes da Valec, a começar pelo notório ex-presidente da estatal José Francisco das Neves, o Juquinha, já condenado a 10 anos de prisão. Para todos os efeitos, a contratação de empresas terceirizadas, assim como a relação com a Valec, estava na alçada da Triunfo Participações. Em tempo: quem dera Benjamin Steinbruch tivesse uma Triunfo para acusar dos malfeitos na construção da Transnordestina, a cargo da CSN.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.