Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
05.04.18
ED. 5840

Google se arma contra a eleição do fake news

O escândalo do vazamento e do uso de dados do Facebook na campanha de Donald Trump acendeu todos os sinais de alerta no Google. O site de buscas vai adotar políticas rigorosas nas eleições brasileiras, que servirão de laboratório para operações da empresa em outros países. Segundo o RR apurou, parte do cardápio de medidas profiláticas foi apresentada por executivos do Google Brasil ao então presidente do TSE, Gilmar Mendes, em reunião no fim de janeiro. A venda de mailings e informações de usuários para terceiros está fora de questão – foi nessa que Mark Zuckerberg mergulhou na maior crise da história do Facebook. O Google vai testar um novo sistema para brecar a proliferação de fake news, com base na ferramenta conhecida como “Snippsets”. A empresa pretende também trazer para o Brasil um modelo similar ao First Draft, desenvolvido nos Estados Unidos em parceria com a Harvard Kennedy School, que combina mecanismos de checagem de informações e de rastreamento de notícias falsas nas redes sociais. O site vai ainda restringir a comercialização de anúncios políticos por meio da ferramenta Google Adwords, na tentativa de evitar a associação de nomes de candidatos a determinadas palavras chave, notadamente aquelas que claramente ataquem a imagem de adversários.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.18
ED. 5840

“Ministro Laranja” já merece legislação específica

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deveria regulamentar o uso de títeres em cargos ministeriais com objetivo de burlar a desvinculação obrigatória do posto para disputa eleitoral. O caso de Henrique Meirelles é modelar. Plantou um laranja escancarado, mascarando a legislação. Ele combinou com o presidente Michel Temer que indicaria seu substituto no Ministério da Fazenda. O acordo fez parte de pacto entre ambos: quem dos dois estiver mais mal avaliado nas pesquisas, no mês de maio, abdicará do pleito em favor do “rival-parceiro”. Como não podia ser ministro e ao mesmo tempo concorrer à Presidência, Meirelles pré-definiu seu sucessor na Fazenda antes da Páscoa. Ganhou, assim, uma folga para articular com calma a transição até amanhã, data limite para a sua desincompatibilização do cargo. Meirelles não pensou duas vezes: olhou na direção do espelho e, pronto, estava criada a criatura. O novo ministro seria o seu preposto mais óbvio, o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia.  Considerado o faz tudo de Meirelles, Guardia é o segundo na hierarquia e seu braço direito. O sucessor ficou ainda com a recomendação de manter a equipe. E que nem um cinzeiro seja mudado de lugar. Só falta deixar a cadeira do “ministro de fato” vaga para quando Meirelles for na Fazenda dar suas instruções e baforar um bom charuto. Recomenda-se que o TSE regulamente logo esse laranjal, antes que a falsa desincompatibilização deixe de ser hilária e soe a patrimonialismo às claras, com parentes, sócios, advogados e outros personagens da “patota” sendo indicados para ser ministro fake em ano eleitoral.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.18
ED. 5840

Minha eleição, minha vida

O novo presidente da Caixa, Nelson Antonio de Souza, já é pressionado a acelerar o “Minha Casa, Minha Vida“. Ainda em abril, Michel Temer fará duas viagens ao Nordeste para entregar imóveis.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.18
ED. 5840

Rasteira

Ciro Nogueira, do PP, tenta puxar o tapete do presidente do Banco do Nordeste,Romildo Rolim. O que significa dar uma rasteira em Eunício de Oliveira.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.18
ED. 5840

Chuva de empregos

A chinesa Shandong Kerui, que assumiu as obras do Comperj, acena com quatro mil contratações.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.18
ED. 5840

Uma frequência exclusiva contra o crime organizado

Em meio à intervenção federal no Rio, está em gestação um projeto visto pelas Forças Armadas como peça importante no mosaico de ações para o combate ao crime organizado. O pano de fundo é a concessão da faixa de 700 MHz programada pela Anatel para o segundo semestre deste ano. Há estudos, ainda preliminares, para que parte da frequência seja reservada para uso das forças de segurança federais e estaduais. As conversações envolvem o Exército, o Ministério da Segurança Pública e o Ministério das Comunicações, além do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Na prática, a iniciativa daria aos órgãos da área de Defesa um novo espectro de comunicação na faixa 4G, com tecnologia mais avançada e principalmente, um grau ainda maior de segurança na troca de informações, sobretudo entre os serviços de Inteligência do Exército e das polícias estaduais. Para além da questão específica e premente do Rio de Janeiro, a medida permitiria o aperfeiçoamento do sistema de defesa contra crimes cibernéticos. Os estudos apontam para a possibilidade de que o projeto seja implantado por meio de acordo com uma operadora privada de telefonia. No entanto, o modelo visto com melhores olhos pelo Exército passa por uma parceria com a Telebras, o que evitaria o compartilhamento de informações extremamente sensíveis e estratégicas fora da estrutura de governo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.18
ED. 5840

Tomografia fiscal

A Unimed-Rio não tem sossego. A Polícia Federal, que investiga a empresa há quase um ano, já teria colhido indícios sufi cientes para denunciar a operadora por fraude fiscal. As irregularidades remetem à gestão do ex-presidente Celso Barros, afastado do cargo em 2016 por decisão dos próprios cooperativados. As investigações avançam justo no momento em que a Unimed-Rio, hoje sob a gestão de Romeu Scofano, dá claros sinais de recuperação financeira. Nos últimos dois anos, a empresa acumulou um lucro superior a R$ 120 milhões. Em 2017, reduziu sua dívida em R$ 220 milhões. Consultada, a Polícia Federal disse que “não comenta investigações em andamento”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.18
ED. 5840

Um pé fora da BRF

A posição da Tarpon Investimentos de não indicar representante para o novo Conselho da BRF tem por trás a decisão já tomada de deixar o negócio até o fim do ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.18
ED. 5840

Tegram à espera de 2019

Os acionistas do Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram) – uma miríade de tradings, como Glencore, Nova Agri e Louis Dreyfus – discutem o projeto de ampliação do complexo, no Porto de Itaqui. O investimento está orçado em torno dos US$ 50 milhões e deverá sair do papel no primeiro trimestre de 2019.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.18
ED. 5840

Turbina chinesa

A chinesa Golden Concord Group, um dos maiores fabricantes de equipamentos de energia do mundo, está desembarcando no Brasil na esteira da State Grid.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.18
ED. 5840

Novos depoimentos

O ex-governador do Mato Grosso e delator premiado Silval Barbosa estaria fazendo novos depoimentos à Lava Jato. A orelha de Blairo Maggi vai arder.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.18
ED. 5840

Ponto final

Os seguintes citados não retornaram ou não comentaram o assunto: Google, Unimed-Rio e Tarpon.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.